31 julho 2012

Jorge Papapá e a música barroca


Ele foi um dos fundadores do Movimento Mutirão (série de shows no Solar do Unhão, Teatro Santo Antonio e Restaurante Universitário). Também foi um ds organizadores do Projeto Seis e Meia, promovido pela Associação dos Músicos. Fez/faz vários espetáculos na Bahia e trabalhou muito com teatro. Seu som tem influência da música barroca, medieval, renascentista.

Sou o laço do teu nó/mel de tua carne/sou o teu grito/teu louco samurai/um cantor de fama/um mendigo caçador de caracóis/um vampiro que ama/listra de macramé/presidente do teu Uruguai/vida do teu bordel/sou o filho do dono do céu/sou um beato, não sou ninguém/sou a pedra no trilho do trem/Bruxo cheio de amor/sou um arquiteto do terror” (Arquiteto do Terror)

Jorge Papapá é de Oxossi, divindade da caça que vive nas florestas. Oxossi é o rei de Keto, filho de Oxalá e Yemanjá, ou, nos mitos, filho de Apaoka (jaqueira). É o Orixá da caça, vive na floresta, onde moram os espíritos e está relacionado com as árvores e os antepassados.

Te faço poemas/se é tudo o que queres/é só o que queres/ser feita poema/Se teima em ser tema/ser o centro da cena/por que não querer ser/de quem te faz lema ?/Se te vejo versos/te quero pra mim/não te tenho perto/se não sendo assim/É sério te peço/que cesse o motim/pra sermos enfim/um livro completo” (Livro Completo)

A música para ele é uma forma de oração. Nos anos 80 seu trabalho era considerado intimista e difícil, com influência do cantochão e da música renascentista. Seu primeiro disco “Arquiteto de Terror” teve a participação de Carlinhos Brown, Silvinha Torres, Cesário Leone, Zé de Henrique e Luiz Valdas. A partir dos anos 90 suas músicas passaram a ser gravadas por diversos artistas da música baiana.


Meu bem não chore/O nosso amor não acabou/Só porque alguém olhou pra mim/E me dedicou tudo de bom/Só porque alguém me desejou/E parece que eu correspondi/Só porque alguém me quis feliz/Só porque alguém me conquistou//O amor não é seu/Não é meu nem de ninguém/O amor só quer amor/Não importa de onde vem/Não é mal nem é bem/O amor ninguém mandou/O amor não é meu/Não é seu nem de ninguém//Não tem cheiro, não tem cor/Nem é servo de ninguém/É por isso que na dor/Também pode haver amor//O amor não é seu/Não é meu nem de ninguém/O amor não é seu/Não é meu nem de ninguém” (Amor de Ninguém)

Jorge Papapá já foi gravado por artistas como : Ivete Sangalo, Araketu, Banda Eva, Timbalada, Ricardo Chaves, Chiclete com Banana, Asa de Águia, Daniela Mercury, Marcia Freire, Zé Paulo, Sine Calmon e mais vários artistas e bandas do cenário local e nacional.

Vera será que você não vira/Quem dera se fosse a Vera/Você no verão chegar//Era, eu já te esperava eras/Outonos e primaveras/Verão quem viver verá//Folhas secas se calam no chão/Lágrimas nos olhas da anunciação/Pés descalços/Falta água no ribeirão/Faca cega fé no coração//E a flor do nosso amor/Brotou você e eu/E tudo que restou/Ficou você e eu/E toda aquela dor/Se foi, secou, se foi/Só ficou você e eu” (Vera, de Jorge Papapá e Sérgio Passos).

Conheça um pouco mais sobre o trabalho deste artista:

Profile de Jorge Papapá no Orkut:

Comunidade Jorge Papapá:

Comunidade Jorge Papapá e Sérgio Passos:




Profano é sagrado,/distante é ao lado/e o raso é profundo”. (Pos fundo)


Eu's Porões

Carrego muitos segredos
desde a ponta dos dedos
à mais funda emoção
Nem o meu insuspeito coração
conhece bem os meus temores
nem o motivo das minhas dores
são verdadeiras paixões
Acontece que os vulcões
que trago no corpo aflíto
são os olhos são os gritos
de um prisioneiro milenar
Desde muito pequenino
até quando fiquei moço
agora já velho ainda ouço
esse imenso borbulhar
São pegadas do destino
que passeiam no meu peito
e os meus olhos não tem jeito
de como fotografar
Fato é que eu só sei andar
da boca do poço pra fora
mas aos meus porões por hora
eu não sei como chegar



Cupido Veloz

Não há quem seja tão forte
tão medonho, tao feroz
tão poderoso e temido
tão sabido, tão atróz
Capaz de ser chefe da tribo
a quem todos dão ouvido
quando dele ouve a voz
Mesmo aquele pervertido
o mais cruel dos bandidos
não saberá se ferido
se livrar quando o cupido
lançar sua flexa VELOZ.
-------------------------------------------------- 
Quem desejar adquirir o livro Bahia um Estado D´Alma, sobre a cultura do nosso estado, a obra encontra-se à venda nas livrarias LDM (Brotas), Galeria do Livro (Boulevard 161 no Itaigara e no Espaço Cultural Itau Cinema Glauber Rocha na Praça Castro Alves), na Pérola Negra (Barris em frente a Biblioteca Pública) e na Midialouca (Rua das Laranjeiras,28, Pelourinho. Tel: 3321-1596). E quem desejar ler o livro Feras do Humor Baiano, a obra encontra-se à venda no RV Cultura e Arte (Rua Barro Vermelho 32, Rio Vermelho. Tel: 3347-4929)

4 Comentários:

At 1:00 PM, Blogger Lauro Manta Malaquias said...

Belíssimos versos, chegam a ser proseados, como diria o próprio Jorge, "
versos versados", pois,pois.

 
At 3:29 PM, Anonymous www.fihosdamusica2.blogspot.com said...

Ainda estou arrepiada e com sentimento de poesia navengando e me deixando inspirada!
Renata Lobah

 
At 1:10 AM, Blogger Antonio Jorge Victor dos Santos Godi said...

Lá vem o Gutemberg Como se nada fosse a homenageiar o Papapá. Um Jorge de cavalarias tantas a apontar com prosas afiadas de barrocos inusitados até as sonoridades revolucionárias do hoje. Gutemberg Cruz grande visionário da decodificação dos "Quadrinhos". Aqui desvela a poética musical baiana com base em J. Papapá. Grande Gutemberg, esquadrinhador de n. tempo. A.Godi a ler "Quadrinhos"...

 
At 7:02 AM, Blogger Gutemberg said...

Conheço Papapá desde os anos 80 quando escrevia o Caderno de Cultura do Jornal Correio da Bahia, além de ser juri no Trofeu Caymmi. Sempre gostei de seu trabalho e procurava divulgar, abrir espaço, pois sei que dem nossa terra, música de qualidade é muito pouco divulgada! [

 

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home