29 janeiro 2014

Cronologia das Histórias em Quadrinhos (16)



1931 (EUA) - A United Feature Syndicate, a proprietária dos direitos para a quadrinização de Tarzan, quer aproveitar melhor o sucesso e lançar páginas dominicais coloridas. Convidado a ilustrá-las, Foster aceita, pois, agora, ele quer desenhar uma página por semana e a oferta é financeiramente compensadora. E, no domingo, 27 de setembro de 1931, em meio a uma aventura (a segunda das páginas dominicais), sai a sua primeira página. A 02 de maio de 1937, publica a última página de Tarzan com sua assinatura. No domingo seguinte, Burne Hogarth o substitui. O personagem é adotado pelo refinado desenhista Hogarth que por seu trabalho clássico com Tarzan ficou conhecido como o Michelangelo dos quadrinhos.
 
1932 (EUA) - JANE POUCA ROUPA. Criação de Norman Pett. Tira diária inglesa, uma das primeiras a introduzir a nudez feminina (a modelo era a esposa do autor) e a malícia do sexo na página de quadrinhos do jornal.

1932 (EUA) – Pateta, de Disney, aparece pela primeira vez no desenho animado Mickeys Revue.

1932 (EUA) - PINDUCA, Criação de Carl Anderson. Original e criativa personagem sem boca e sem falas. As piadas se desenvolviam sem balões. Como um filme mudo, expressava-se pela imagem. A pantomima teatral. E até hoje Pinduca (conhecido também como Carequinha) apronta das suas na calada. Anderson desenhou a série até 1942: a doença o forçaria a passar sua criação para seus dois assistentes, John Liney e Don Trachte, que ficaram respectivamente com as tiras e as páginas dominicais.

1933 (EUA) - O cartunista Vincent T. Hamlim cria BRUCUTU (Alley Oop). O Newspaper Enterprise Association distribuiu aos jornais, em forma de tiras diárias a partir de 07 de agosto (as páginas dominicais em cores foram lançadas mais de um ano depois). Um homem das cavernas, forte, irrequieto e briguento,Alley Oop era o herói da nova historieta. Mas ele não ficou por muito tempo. Hamlin foi logo introduzindo as demais personagens, todas muito bem delineadas.

A primeira a entrar em cena foi Dinny, o enorme dinossauro que se tornou o bicho de estimação de Oop. Depois apareceu o Rei Guzzle; Foozy, que falava em rimas, Grand Wizer, mais tarde Pookie, o conselheiro do rei e inimigo de Oop; a gorda e feia Rainha Umpateedle e a adorável Ooola, a namorada de Oop. O ambiente era a Terra de Moo.

No Brasil, Oop foi bastante publicada em diversas épocas com o nome de Brucutu. Hamlin cuidou da série até aposentar-se, em 1972, quando o seu assistente Dave Grawe assumiu a posição, mantendo a linha original. As pranchas dominicais de Brucutu apareceram no Brasil na década de 40, no Globo Juvenil e no Gibi. Em 1971, a Saber editou alguns livros do personagem, em preto e branco. Tal como Popeye, tem os músculos no antebraço. Começou na pré-história, no Reinado de Mu, com sua namorada Ulla e o dinossauro Dizzy.

Em 1939, surgiram o Professor e seu maluco assistente Oscar, com a máquina do tempo, que permitia o quadrinho de Neanderthal ter aventuras de humor em todas as épocas. O brutamontes pré-histórico viajava no tempo na máquina inventada pelo Professor. Dessa forma pode habitar todos os ambientes, mas não mudou seu comportamento. Resultado: aventura e humor.

1933 (EUA) - COMICS BOOK. Surge as revistas em tamanho meio tabloide com historietas completas, em geral montagens de tiras diárias e capítulos domingueiros.

1933 (EUA) - O incrível sucesso do primeiro relógio do Mickey salvou a Companhia Ingersoll-Waterbury da falência. Uma loja de departamentos vendeu em um único dia, 11 mil relógios.

1933 (BRASIL) - Luiz lança folhetos educativos para a Saúde Pública. Com seus desenhos ele combateu as febres e as doenças.


-----------------------------------------------------


Quem desejar adquirir o livro Bahia um Estado D´Alma, sobre a cultura do nosso estado, a obra encontra-se à venda nas livrarias LDM (Brotas), Galeria do Livro (Espaço Cultural Itau Cinema Glauber Rocha na Praça Castro Alves), na Pérola Negra (Barris em frente a Biblioteca Pública), na Midialouca (Rua das Laranjeiras, 28, Pelourinho. Tel: 3321-1596) e Canabrava (Rua João de Deus, 22, Pelourinho). E quem desejar ler o livro Feras do Humor Baiano, a obra encontra-se à venda no RV Cultura e Arte (Rua Barro Vermelho 32, Rio Vermelho. Tel: 3347-4929.

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home