17 julho 2013

Bule Bule, o cantador do samba rural baiano (1)


Ele é considerado um legítimo defensor de gêneros musicais nordestinos como das chulas do sertão, cocos, martelos, agalopados, xote, marche de pé-de-serra e repentes. Consegue unir o lado negro e mouro da cultura do sertão com alguns elementos da cultura do Recôncavo. Escritor de cordéis, Bule-Bule é sinônimo de celebração nordestina em alta voltagem, mas desplugado da tomada.

Cordelista de primeira geração, escritor, poeta, repentista, compositor, Antônio Ribeiro da Conceição, o Mestre Bule Bule, parece ser muitos em um, tantos são os significados do seu trabalho. Talvez porque a essência de tudo o que faz seja mesmo a cultura tradicional do Brasil nordestino, com suas múltiplas faces, mil vezes redesenhadas com as tintas das necessidades e do senso de sobrevivência, escreveu a gestora cultural Rosiane Oliveira na apresentação do livro Bule Bule Literatura de Cordel.

De chapéu e casaco de couro, Bule Bule se tornou um grande representante da cultura brasileira. Em suas mãos, a poesia vai entrando no tom e os acordes embalam a riqueza de um país rural.


A obra traz uma coletânea do trabalho literário do artista, com a riqueza dos seus cordéis, aliada as contribuições de alguns outros amigos escritores, estes conquistados ao longo dos seus 40 anos de carreira e de fortalecimento à cultura nordestina e brasileira. A arte de Bule-Bule passa pelo lirismo, mas não abandona a crítica construtiva às injustiças sociais e ao sistema deste Brasil tão bonito e cheio de contraste.

Tem aSaudação a Bule Bule, versos do poeta Klévisson Vieira por ocasião da posse do mestre na Academia Brasileira de Literatura de Cordel, e seus cordéis: A Tragedia de Três Amante, O Encontro Sangrento de José Caso Sério com Manoel Qualquer Hora, Irmã Dulce da BahiaSanta Mãe de todos nós, O Encontro da Aranha com o Reumatismo, O Tremendo Duelo de Quirino Beiçola com Tomaz Tribuzana, Peço pra não Acabar o Raso da Catarina, Judith mulher divina que salvou o marginal, Bimba espalhou capoeira nas praças do mundo inteiro, Chora o Nordeste com a morte de Rodolfo Cavalcante, Beleza de Bule Bule com Maria de Fortaleza e Tancredo foi prestar contas no Tribunal de Jesus.

SAMBA RURAL - Bule-Bule cresceu sob a influência do samba rural do sertão e do Recôncavo, além dos repentes sertanejos. Ele não esconde a paixão pela figura do pai, o tiraneiro Manoel Muniz, que faleceu em 1996, aos 81 anos de idade. Por ele, que era sambador, lhe ensinou as artes e traquejos da essência sertaneja que ele somou à vivência com os repentistas e seus versos de cordel. Criado numa região que fica na entrada do sertão e próximo ao Recôncavo, Bule-Bule mergulhou no samba rural derivado da região sertaneja, mas com ligeira influência da chula do Recôncavo. Muitos dos camponeses da região de Bule-Bule vão cortar cana-de-açucar quando retornam com a influência da chula típica do Recôncavo, mais sincopada e menosgritadado que a chula rural sertaneja.

“Eu vou do coco de embolada com pandeiro, a vaquejada, a tirana, ao licutixo, a chula, ao repente, a literatura de cordel, eu mexo em todas essas áreas culturais, graças a Deus e faço com qualidade”

Escreveu diversos cordéis de tom contemplativo existencial e, também, de cunho político. Fez cordel clamando por liberdade de justiça social durante o regime militar. Cordel de fundo ecológico ele também produziu:A alma de Lampião resolveu dar um passeio/ Mas achou o Raso feio, não quis nem pisar no chão/ Rezou uma oração sobrevoando a campina/ Apontou a carabina, somente pra ameaçar/ Peço pra não acabar o Raso da Catarina.
----------------------------------------------- 
Quem desejar adquirir o livro Bahia um Estado D´Alma, sobre a cultura do nosso estado, a obra encontra-se à venda nas livrarias LDM (Brotas), Galeria do Livro (Espaço Cultural Itau Cinema Glauber Rocha na Praça Castro Alves), na Pérola Negra (Barris em frente a Biblioteca Pública) e na Midialouca (Rua das Laranjeiras, 28, Pelourinho. Tel: 3321-1596). E quem desejar ler o livro Feras do Humor Baiano, a obra encontra-se à venda no RV Cultura e Arte (Rua Barro Vermelho 32, Rio Vermelho. Tel: 3347-4929)

1 Comentários:

At 2:58 PM, Anonymous Roseli Alencar said...

Esperando o voo para Recife, conheci mais de perto esse grande admirável homem "Bule Bule". Que fortaleza de corpo e de mente apesar das peripécias da saúde.. Fiquei encantada com sua história e seus verso. Parabéns Bule Bule!

 

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home