26 julho 2013

Bairros de Salvador (5)



CAIXA D´ÁGUA


O Reservatório da Cruz do Cosme inspirou o nome do bairro da Caixa d´Água. Foi o primeiro do País. Lá ficava armazenada a água que vinha das estações de tratamento do Retiro e do Queimadinho. Foi desativado em 1930. No local há um dos marcos do bairro: A Escola Parque, idealizada pelo educador Anisio Teixeira, foi inaugurada em 1950 e ganhou projeção internacional devido à arrojada concepção pedagógica, que integrava um inovador projeto de construção de centros populares de educação em todo o estado. O Hospital Ana Nery é, a unidade de saúde, e uma das diversas instaladas no perímetro que abrange os três bairros: Caixa d´Água, Pau Miúdo e IAPI. Já a Fonte do Queimadinho, construída em 1938, continua abandonada pelo poder público. O Largo do Tamarineiro está no centro e ligas aos bairros de Pau Miúdo e IAPI. No local não existem quadras esportivas para o lazer dos jovens.

CAJAZEIRAS

Nos anos 80 a construção de uma série de conjuntos de moradia popular deu origem a aglomerado de quadras, blocos e setores de Cajazeiras. São mais de 670 mil habitantes dispostos entre as 11 Cajazeiras e as quatro Fazendas Grandes. O local (uma população superior à de Feira de Santana) é conhecido como o maior conjunto habitacional da América Latina. São incontáveis setores, quadras e blocos capazes de confundir até mesmo os moradores mais antigos. As terras, antes ocupadas por três grandes fazendas foram desapropriadas para dar lugar ao Projeto Urbanístico Integrado de Cajazeiras. Foram erguidas 18.523 habitações populares. uma grande quantidade de igrejas, estabelecimentos comerciais e, também, muitas invasões espalhadas por vales e encostas ao redor dos conjuntos habitacionais.

Segundo Censo 2010 tem 147.155 habitantes. A vida urbana move-se a cerca de 19 quilômetros do centro financeiro de Salvado, a Avenida Tancredo Neves. O comércio é movimentado. As oito Cajazeiras surgiu a partir de 1981, dentro do Plano Urbanístico Integrado Cajazeiras/Fazenda Grande, traçado pela antiga Empresa de Habitação Urbanística da Bahia (Urbes).

O bairro conta com mais de 30 entidades filiadas à União das Associações de Moradores e Entidades Representativas das Cajazeiras e Adjacências. Vale conhecer a Pedra da Onça, também conhecida como Pedra do Ramalho, a pedra faz parte da cultura local. Farto em mata verde e mananciais, elementos essenciais ao candomblé, Cajazeiras atrai os religiosos. Lá existe o Terreiro Tingongo Muende, o primeiro do lugar.

CALÇADA


Localizado na Cidade Baixa e ponto de ligação entre Água de Meninos e a Península de Itapagipe, a Calçada mantem as características de bairro mercantil dos seus primeiros tempos com a área residencial limitada, “vive e respira” comércio. Antes, paco de um renomado mercado atacadista que se formou no entorno da Estação Ferroviária Leste Brasileira, instalada em 1862, atualmente abriga uma variedade de lojas, armazéns, farmácias e hotéis antigos.

CALABAR

O Calabar esteve por muito tempo ameaçado a desaparecer, mas se mantem como uma comunidade popular em meio a bairros de alto valor imobiliário. Nos anos 80 a comunidade local liderou o movimento dos favelados.


CAMINHO DAS ÁRVORES

Considerado nobre, o bairro possui eucaliptos, espatódeas, umbuzeiros, framboezas, cajazeiras, flamboyants e algarobas nas 17 alamedas. O verde predomina no local com belas residências de médio e alto padrão. No Caminho das Árvores (criado por um decreto em 1974) predominam moradores de classes A/B, como empresários, autoridades e profissionais liberais. A Praça dos Eucaliptos serve para caminhadas. Além da beleza natural, o bairro abriga bares, restaurantes e cafés. Bella Napole, Tortilheria Olé, Tortarelli Café são alguns exemplos de lugares bem procurados pelos moradores do bairro.

----------------------------------------------------------

Quem desejar adquirir o livro Bahia um Estado D´Alma, sobre a cultura do nosso estado, a obra encontra-se à venda nas livrarias LDM (Brotas), Galeria do Livro (Espaço Cultural Itau Cinema Glauber Rocha na Praça Castro Alves), na Pérola Negra (Barris em frente a Biblioteca Pública) e na Midialouca (Rua das Laranjeiras, 28, Pelourinho. Tel: 3321-1596). E quem desejar ler o livro Feras do Humor Baiano, a obra encontra-se à venda no RV Cultura e Arte (Rua Barro Vermelho 32, Rio Vermelho. Tel: 3347-4929)

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home