22 agosto 2013

Bairros de Salvador (18)




RETIRO



Bairro conhecido pelo grande número de casas de material de construção. A área tem um território de 1,12 quilômetros quadrados. A área onde está situado o que hoje é o bairro em questão era ocupada por agricultores, arrendatários de lotes pertencentes à União Fabril. Diz-se que o surgimento deste bairro se dá por volta de 1940. Na década de 60, um de seus proprietários Justino Farias de Souza divide a área em lotes e também anuncia a doação de terras. Localizado na zona norte de Salvador, a Fazenda Grande tem esse nome em razão de nesta localidade haver uma grande fazenda, surge paralelo a rodovia BR 324, acolhendo grande parte da população migrante do interior do estado, bem como moradores de baixa-renda de Salvador.
 



RIBEIRA

O bairro da Ribeira é o último ao noroeste da cidade, na ponta da Península de Itapagipe. A decisão de transformar a Península de Itapagipe em um polo industrial iniciou sua decadência. O incômodo causado por indústrias poluentes levou ao êxodo antigos moradores e veranistas. Construções abandonadas ou precariamente conservadas refletem os novos tempos e contrastam com o esplendoroso passado do bairro. O antigo Cinema Itapagipe, no bairro da Madragoa, foi demolido para a construção de um posto de combustível, a farmácia de produtos homeopáticos também encenou suas atividades. O velho estaleiro da Companhia de Navegação Bahiana hoje fechado, guarda a memória de uma tradição do local desde Tomé de Souza.

Enfrentando graves problemas financeiros o Clube de Regatas Itapagipe é outro símbolo hoje esmaecido da Ribeira, local onde foram realizados elegantes festas. Rede de associações comunitárias busca promover o desenvolvimento de Itapagipe. Fundado em 1931, a Sorveteria da Ribeira ganhou fama, em toda a cidade, pela qualidade de seu sorvete, que surpreende turistas e, também, nativos. O solar Amado Bahia, construído em 1901, embora bastante danificado pela ação do tempo, guarda o esplendor do padrão de vida das ricas famílias baianas.

O Hidroporto dos Tainheiros faz parte da história da aviação. A estrutura foi implantada por norte-americanos e que funcionou entre 1932 e 1943. A bela paisagem da entrada da Enseada dos Tainheiros pode ser observado na travessia de lanchas que liga os dois lados (o subúrbio de Plataforma e a Ribeira) e foi restaurada pela prefeitura. Em seu interior, o imenso espelho d´água é utilizado para competições para competições de esportes náuticos, possuindo a mais antiga raia de remo do Brasil.

Localizada no extremo da península itapagipana, a Igreja de Nossa Senhora da Penha, construída em 1742, já serviu de palácio de verão do arcebispo. O conjunto arquitetônico é interligado por uma galeria sobreposta que descortina uma fascinante vista da Baía de Todos os Santos.

O tradicional bairro de Salvador circundado pela Baia de Todos os Santos e pela Enseada dos Tainheiros, na Península Itapagipana, tem belezas naturais e arquitetônicas. Ruas tranquilas fazem o visitante esquecer que estão em uma cidade. A localidade tem tradição em esportes marítimos. Em 1904 foi criada a Federação de Regatas da Bahia. Hoje as competições de regata ainda são festejadas na Avenida Porto dos Tainheiros. Pena que as autoridades locais esquecem de melhorias na localidade, tidas como uma das invisíveis. Mas que mesmo esquecida, é bela por natureza.

-----------------------------------------------------------------



Quem desejar adquirir o livro Bahia um Estado D´Alma, sobre a cultura do nosso estado, a obra encontra-se à venda nas livrarias LDM (Brotas), Galeria do Livro (Espaço Cultural Itau Cinema Glauber Rocha na Praça Castro Alves), na Pérola Negra (Barris em frente a Biblioteca Pública) e na Midialouca (Rua das Laranjeiras, 28, Pelourinho. Tel: 3321-1596). E quem desejar ler o livro Feras do Humor Baiano, a obra encontra-se à venda no RV Cultura e Arte (Rua Barro Vermelho 32, Rio Vermelho. Tel: 3347-4929

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home