11 abril 2013

Caatinga encontra-se ameaçada e pode virar patrimônio nacional


É urgente a luta pela preservação das ricas flora e fauna existentes em 564 mil quilômetros quadrados da Bahia. E também mudar a visão de miséria e inutilidade que geralmente se tem da caatinga. A Chapada Diamantina, o Raso da Catarina e as Dunas do São Francisco e a Depressão Meridional são ecorregiões de caatinga da Bahia. Cada uma dessas ecorregiões tem espécies de plantas e animais específicas.

A desertificação é uma das maiores ameaças à caatinga. A tendência de ter solos salinos que é comum no bioma, mas que, combinado com a irrigação sem os devidos cuidados, aumenta o risco de desertificação. As ações predatórias das caatingas são abertura de pastos, a exploração de lernha, carvão, além de pedreiras e de plantas, principalmente, bromelias e catos.

Árvores importantes para o bioma como umburana, aroeira, pau ferro, baraúna, quixabeira, e muitas outras se encontram em declínio populacional ou em extinção. Sem falar da fauna. As cutias, o mocó, os tatus peba e bola por exemplo e aves como as emas, a arara azul de lear são raras de se ver. As comunidades locais cabe a tarefa de participar efetivamente da conservação deste bioma.

O fato de ser o único bioma exclusivamente brasileiro deveria ser suficiente para garantir à caatinga um lugar de destaque e não ao contrário disso, estar sempre em segundo plano quando se discute políticas públicas.

BELEZA AGRESTE - Ocupando quase 10% do território nacional, com 736.833 km², a caatinga abrange os estados da Bahia, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Alagoas,  sul e leste do Piauí e norte de Minas Gerais. Região de clima semi árido e solo raso e pedregoso, embora relativamente fértil, o bioma é rico em recursos genéticos dada a sua alta biodiversidade. O aspecto agressivo da vegetação contrasta com o colorido diversificado das flores emergentes no período das chuvas, cujo índice pluviométrico varia entre 300 e 800 milímetros anualmente.

Do tupi-guarani, o nome caatinga quer dizermata branca,mata ralaoumata espinhenta. A caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro, o que significa que grande parte do seu patrimônio biológico não pode ser encontrado em nenhum outro lugar do mundo.  Antigamente acreditava-se que a caatinga seria o resultado da degradação de formações vegetais mais exuberantes, como a Mata Atlântica ou a Floresta Amazônica. Essa crença sempre levou à falsa ideia de que o bioma seria homogêneo, pobre em espécies e em endemismos, estando pouco alterada ou ameaçada, desde o início da colonização do Brasil. Esse tratamento tem permitido a degradação do meio ambiente e a extinção em âmbito local de várias espécies, principalmente de grandes mamíferos.

ARARINHA-AZUL - Entretanto, estudos mais recentes apontam a caatinga como rica embiodiversidade, endemismos e bastante heterogênea. Muitas áreas que eram consideradas como primárias são, na verdade, o produto de interação entre o homem nordestino e o seu ambiente, fruto de uma exploração que se estende desde o século XVI. A vegetação da caatinga é adaptada às condições de aridez (xerófila). Quanto à flora, foram registradas até o momento cerca de mil espécies, estimando-se que haja um total de 2 a 3 plantas. a fauna está empobrecida, com baixas densidades de animais e poucas espécies endêmicas.


Mas, apesar da pequena densidade e do pouco endemismo, foram identificadas 17 espécies de anfíbios, 44 de répteis, 695 de aves e 120 de mamíferos, num total de 876 espécies animais. Descrições de novas espécies vêm sendo registradas, indicando um conhecimento botânico e zoológico bastante precário deste ecossistema, que segundo os pesquisadores é tido como o menos conhecido e estudado dos ecossistemas brasileiros. Na caatinga vive a ararinha-azul, ameaçada de extinção, sendo que o último exemplar da espécie vivendo na natureza não foi mais visto desde o final de 2000. 

PATRIMÔNIO AMEAÇADO - Além da importância biológica, a caatinga apresenta um potencial econômico ainda pouco valorizado. Em termos forrageiros, apresenta espécies como a catingueira verdadeira, o mororó e o juazeiro que poderiam ser utilizadas como opção alimentar para caprinos, ovinos e muares. Entre as de potencialidade frutífera, destacam-se o umbú, o jatobá, o murici e o licuri e entre as espécies medicinais, encontram-se a aroeira, o pinhão, o angico, o jericó, entre outras. Porém, este patrimônio encontra-se ameaçado.

A exploração feita de forma extrativista pela população local desde a ocupação do semi-árido, tem levado a uma rápida degradação ambiental. Segundo estimativas, cerca de 70% da caatinga se encontra alterada pelo homem, e somente 0,28% de sua área encontra-se protegida em unidades de conservação. Mais do que uma PEC aprovada, a nossa valiosa caatinga precisa de políticas públicas eficazes, com o objetivo de protegê-la, utilizando de forma consciente e respeitosa todos os seus recursos.


Dia 28 de abril é dia nacional da caatinga. Reflita sobre isso.
-------------------------------------------------------
Quem desejar adquirir o livro Bahia um Estado D´Alma, sobre a cultura do nosso estado, a obra encontra-se à venda nas livrarias LDM (Brotas), Galeria do Livro (Espaço Cultural Itau Cinema Glauber Rocha na Praça Castro Alves), na Pérola Negra (Barris em frente a Biblioteca Pública) e na Midialouca (Rua das Laranjeiras, 28, Pelourinho. Tel: 3321-1596). E quem desejar ler o livro Feras do Humor Baiano, a obra encontra-se à venda no RV Cultura e Arte (Rua Barro Vermelho 32, Rio Vermelho. Tel: 3347-4929)

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home