06 julho 2011

As estampas de Rudolph Topffer

O genebrino Rodolph Töppfer (1799-1846) foi um dos pioneiros dos quadrinhos. Ele era professor e diretor de um internato em Genebra, e escrevia e desenhava nos seus tempos livres. Sob a influência de caricaturistas políticos franceses e ingleses, Töpffer desenhou em 1827 a sua primeira história intitulada “Histoire de Monsieur Vieux Bois”. Em 1833 apareceu “Monsieur Jabot”, o primeiro de um total de sete álbuns impressos. Töpffer foi o primeiro a apresentar nas suas “histórias em imagens” (“histoires en estampes”) humorísticas e fantásticas aquilo que viria mais tarde a caracterizar a banda desenhada: a ligação entre imagem e texto de forma a constituírem um todo narrativo.

Töpffer pode ser considerado como o “fundador” da banda desenhada. Em 1845 ele formulou no seu “Essai de Physiognomie” («Ensaio de Fisionomia») as linhas gerais da narração em imagens e textos, lançando assim as bases teóricas do novo meio expressivo. Töppfer escreve no seu “Essai”: “Pode-se escrever histórias com capítulos, linhas, palavras: isso é literatura propriamente dita. Pode-se escrever histórias com sequências de cenas representadas graficamente: isso é literatura em imagens”.


Como escritor, Töpffer está influenciada por Molière, Racine, Virgilio, Tácito, e sobretudo, pelas ideias de Jean-Jacques Rousseau . O filho de um pintor amador de paisagens e pinturas de gênero, que despertou o gosto pela arte com as cópias de William Hogarth, esta foi a principal inspiração para seus quadrinhos. Em 1827, em parte, para entreter seus alunos, fez um pequeno álbum intitulado Les Amours M. Vieux-Bois, embora não seja publicada até dez anos mais tarde. . Em 1829 ele fez publicar Aventures et Voyages du Docteur Festus, que foi elogiado por Goethe, e isso foi seguido por Histoire de M. Cryptogramme (1830, editada en L'Illustration en 1845), Mr Pencil (1831, editada em 1840), Histoire de M. Cryptogramme (1830, publicado no L'Illustration, em 1845), o Sr. Lápis (1831, publicado em 1840), Histoire de M. Jabot (1831, vendida em 1835), The Adventures of Obadiah Oldbuck (1837), M. Jabot (1831, chega às lojas em 1835), As Aventuras de Obadias Velhobuque (1837), M. Crépin (1837) e Histoire D'Albert (1844). Álbuns formato horizontal destinam-se a leitores adultos, com uma tira de balas por página, e uma ou duas linhas de texto na parte inferior de cada painel, caracterizada pela linha espontânea e solta. Seus álbuns foram muito bem sucedidos e na França, Alemanha e EUA criando uma infinidade de imitações.


O ensaio sobre a fisionomia (1845) é considerado o primeiro texto teórico dos quadrinhos. Töpffer estava bem ciente do potencial do meio: "A história em imagens em que os críticos de arte não prestar atenção, e raramente incomodado os doutos, nenhuma mudança foi feita exercer uma grande atração. E essa literatura mais do que si mesmo como do fato de que há mais pessoas olhando para as pessoas lendo, exercitando o seu apelo especial para os rapazes e as massas, o público que pode perverter e que, portanto, seria particularmente oportuno para ajudar a educar. A história desenhada, com a vantagem dupla que vem de sua mais concisa e sua clareza relativamente maior, pode e deve derrotar outros meios de expressão como você pode ir com uma atitude realmente vivendo a um maior número de espíritos, e desde que usá-lo, seja qual for o contexto, terá uma vantagem sobre aqueles que optam por expressar-se através dos livros " (George Perry & Alan Aldridge: The Penguin Book of Comics. Middlesex, Penguin Books Ltd., 1967, pg. 15)


“Sendo um literato de sucesso – escreveu Moya em sua obra História da História em Quadrinhos -, dedicou-se a meia dúzia de histórias em imagens posteriormente publicadas sob o título de Histoires em Estampas, em 1846-57. Esse trabalho foi feito nos intervalos de sua profissão de pedagogo, despretensiosamente. O estilo elíptico de Topffer, resultado de dificuldades na visão, captou a atenção de Goethe, que foi definitivamente a convencer o artista a publicar as suas histórias. Mas lhe valeram os elogios de Goethe”. E mais adiante, acrescentou: “Todos os herois de Topffer estão à procura de algo aparentemente simples, mas que acaba provocando catástrofes: é o objeto amado por M.Vieuxbois (1827), o cometa do Dr. Festus (1829), a liberdade de caçar borboletas de M.Cryptogame (1830), o nascimento de M.Jabot (1831), um sistema educativo para as crianças de M.Crépin (1837) ou um estado social para Albert (1844). Topffer, com uma lógica demente, encadeia em desenhos e as causas e os efeitos, o que dá ao seu trabalho um ritmo sôfrego, mecânico e impiedoso, que reduz os personagens a nada mais do que bonecos na vida cotidiana diante dos problemas comuns” (MOYA, 1986, p.13).

-----------------------------------------------

São Jorge da Mata Escura


Lançamento da HQ São Jorge da Mata Escura, primeiro projeto editorial da RV Cultura e Arte, neste sábado, das 15h às 18h com a presença dos autores. As primeiras 20 pessoas que comprarem um exemplar no dia do lançamento (preço especial de dez reais) ganham um poster exclusivo.

Confiram aqui:

<A HREF="http://rvculturaearte.com/2011/07/05/conheca-mais-da-sao-jorge-da-mata-escura/">VIDEOA>P>

um vídeo de divulgação do projeto.

Sábado na RV Cultura e Arte, Rio Vermelho (71 3347 4929).


--------------------------------------------------------------------

Quem desejar adquirir o livro Bahia um Estado D´Alma, sobre a cultura do nosso estado, a obra encontra-se à venda nas livrarias LDM (Piedade), Galeria do Livro (Boulevard 161 no Itaigara e no Espaço Cultural Itau Cinema Glauber Rocha na Praça Castro Alves), na Pérola Negra (ao lado da Escola de Teatro da UFBA, Canela) e na Midialouca (Rua das Laranjeiras,28, Pelourinho. Tel: 3321-1596). E quem desejar ler o livro Feras do Humor Baiano, a obra encontra-se à venda no RV Cultura e Arte (Rua Barro Vermelho, 32, Rio Vermelho. Tel: 3347-4929).

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home