15 agosto 2014

A santa preguiça



Ao longo dos séculos, a preguiça foi carregada de significações contraditórias e impressionantes
variações. Foi tema de obras de arte, poesia, romance, pinturas, reflexões filosóficas. O preguiçoso é indolente, improdutivo, nostálgico, melancólico, indiferente, distraído, voluptuoso, incompetente, ineficaz, lento, sonolento, silencioso.

Para o preguiçoso, “é preciso ser distraído para viver” (Paul Valéry), afastar-se do mundo sem se perder dele. Exatamente por isso, o preguiçoso é acusado de não contribuir para o progresso. Além de praticar crime contra a sociedade do trabalho, a preguiça comete pecado capital. Pela lógica do mundo do trabalho e da Igreja, ele deve sentir-se culpado. Pagar pelo que não faz.

Mas o trabalho sequestrou o tempo. Se no século XIX, o controle do tempo, ou seja, integração da vida operária ao processo de produção, hoje o controle é aceito naturalmente. O tempo passou e a reivindicação do tempo livre tornou-se quase que palavra de ordem subversiva: “Preciso tanto de nada fazer que não me resta tempo de trabalho”, conclama Pierre Reverdy no livro “A Difícil Arte de Quase Nada Fazer”.

Lançado em 1928, o Macunaíma, o herói sem nenhum caráter, de Mário de Andrade (1893-1045) só começou a ser discutido e lido nos anos 1960, e mais tarde sua obra foi montada no teatro e transportada para o cinema. Mário apresentou a preguiça com um outro significado, a síndrome da preguiça, de boa vida, da boemia.

Se o nosso Macunaíma murmurouai, que preguiça…” ao nascer, o filósofo Albert Camus comentou quesão os ociosos que transformam o mundo, porque os outros não têm tempo. Outras milhares de citações seriam possíveis porque a indolência frequentou a imaginação humana desde tempos imemoriaise nem sempre com a conotação negativa que hoje a acompanha. Houve um manifesto do socialista francês Paul Lafargue, O Direito à Preguiça, e outro clássico do tema, O Direito ao Ócio, de Bertrand Russel.

O herói nacional sem caráter, Macunaíma, retratado pelo modernista Mario de Andrade, vivia a falar de sua própria preguiça. São também parte desse patrimônio simbólico a ideia da indolência e a crença na inferioridade da mestiçagem e nos efeitos negativos da clima tropical sobre o trabalho. Teorias foram escritas a esse respeito e, por mais que tenham sido repelidas, sobrevivem num substrato ideológico que ajuda a moldar a imagem do brasileiro. Afinal, a preguiça é dos pecados capitais. E, como estigma, abre a porta para uma série de preconceitos: o nordestino tido como preguiçoso, a criança de rua vadia, e o desempregado como pária social.

Os portugueses, no final do século passado e nas primeiras décadas do século XX, tinha uma imagem da preguiça da ex-colônia. Afinal, o Brasil  figurava no imaginário português como um lugar de oportunidades, um país imenso, com muitas riquezas naturais e fantástico potencial. Como essa terra mítica na cabeça de muitos vieram para cá e acabaram prosperando. Disso derivaria a ideia de que os brasileiros não seriam capazes de explorar as potencialidades de seu próprio país. De que tinham, ao contrário dos portugueses, tudo para enriquecer, mas não o faziam por pouca dedicação ao trabalho.

TECNOLOGIA - Um dos grandes impasses contemporâneos, na era da técnica, se na questão douso do tempo, daí o tema da preguiça, do ócio criativo, da pausa para pensar e refletir. A técnica é uma criação humana que, por paradoxo, volta-se contra o seu criador. Havia a crença de que com as novas tecnologias, teríamos mais tempo livre para nos dedicarmos ao nosso aprimoramento não como profissionais, mas como seres humanos. Deu-se o contrário: nunca se trabalhou tanto como hoje.


O trabalho na era da informática tende a ser full time, sem interrupções, sequer nos fins de semana. As corporações dão aos seus executivos celulares, IPhones ou laptops, verdadeiros presentes de grego, pois essa parafernália permite que os funcionários sejam contatados a qualquer hora do dia, inclusive nos momentos de lazer.

O que houve foi uma apropriação total do tempo dos indivíduos pelo capitalismo contemporâneo. Fato de muitas consequências, como o sentimento de urgência permanente, o estresse, a desconstrução de si. Mais grave ainda: esse novo ethos capitalista se opõe frontalmente à experiência do pensamento e da reflexão.

As estratégias para administração do tempo alheio são uma forma de dominação. Em um texto de Michel Foucault, ele estuda como o tempo é disciplinado pela Igreja, pelo capitalismo e pelos presídios. Trata-se de não deixar qualquer tempo livre aos indivíduos, pois seria por ele que as tentações, desordens e queda de produtividade poderiam vir a perturbar o bom andamento das coisas.

Por outro lado, uma das formas de controle seria estigmatizar a palavra. O preguiçoso torna-se um pária. Mas,  essa noção é historicamente construída. Na Grécia e Roma antigas, o ócio era nobre e o trabalho, vil. Transformar a ociosidade em pecado, ou estigma social, é uma forma de culpabilizar os que ousam dispor do seu tempo livre. Ou seja, não passa de uma estratégia de dominação.

Essa desapropriação do tempo individual pode ter se exacerbado neste estágio do capitalismo, mas é algo que preocupava pensadores do passado. Paul Lafargue, genro de Marx, escreveu um panfleto famoso, O Direito à Preguiça, no século 19. Mais recentemente, Paulo Valéry, no prefácio às Cartas Persas, de Montesquieu, lembrava que nenhuma civilização podia se organizar sem atençãoàs coisas vagas. Ou seja, ao pensamento reflexivo, crítico, à produção de obras de arte e inteligência, que dependem do tempo livre e da falta de necessidade de um objetivo ou prazo a cumprir. Hoje ninguém mais se detém para pensar.



HUMOR GRÁFICO NA BAHIA

Uma exposição com as obras dos precursores do grafismo baiano (cartum, caricatura, charge e quadrinhos) até os dias atuais é de grande necessidade para o grande público (jovem e adulto).


É necessário apresentar ao público a história desses artistas que continuam invisíveis e são importantes no registro dos acontecimentos históricos e sociais.

Por esse motivo, vamos apresentar em 2015 uma grande exposição de humor gráfico na Bahia e queremos a participação de todos os artistas.

Paraguassu, K-Lunga, Tischenko, Sinézio Alves, Fernando Diniz, Theo, Lage, Setubal, Nildão, Ruy Carvalho, Cedraz, Cau Gomez, Bfruno Aziz, Valterio, Flavio Luis, Luis Augusto, Valmar Oliveira, Andre Leal, Angelo Roberto, Eduardo Barbosa, Gentil, Jorge Silva, Carlos Ferraz, Helson Ramos, Hector Salas, Tulio Carapiá, Sidney Falcão são alguns dos artistas cujas obras estarão na mostra.
Participe, colabore. Contato: gutecruz@bol.com.br
-----------------------------------------------------------------
Quem desejar adquirir o livro Bahia um Estado D´Alma, sobre a cultura do nosso estado, a obra encontra-se à venda nas livrarias LDM (Brotas), Galeria do Livro (Espaço Cultural Itau Cinema Glauber Rocha na Praça Castro Alves), na Pérola Negra (Barris em frente a Biblioteca Pública), na Midialouca (Rua das Laranjeiras, 28, Pelourinho. Tel: 3321-1596) e Canabrava (Rua João de Deus, 22, Pelourinho). E quem desejar ler o livro Feras do Humor Baiano, a obra encontra-se à venda no RV Cultura e Arte (Rua Barro Vermelho 32, Rio Vermelho. Tel: 3347-4929.




0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home