03 abril 2014

Homenagens - 60 anos (07)




Interrompemos nossa Cronologia das Histórias em Quadrinhos por alguns dias para publicar essas homenagens dos amigos

Oportunidade de aprendizado

“Fomos contemporâneos da Escola de Comunicação da UFBA (atual FACOM); estagiários da Rádio Cruzeiro AM, e atuamos,  já como jornalistas profissionais, na Rádio Educadora FM (IRDEB). Posso dizer que sinto por Gutemberg uma enorme alegria em tê-lo como amigo.  Admiro sua sensibilidade e competência profissional. O humor e a imaginação são ímpares. E seu empenho na área da pesquisa e da informação é exemplar. Quando estudávamos  Jornalismo, no final dos anos 1970,  íamos a todos os lugares de cultura. Nossa turma estava nas exposições, nas bibliotecas, nos cinemas, nos teatros,  nos shows, nos lançamentos de livros, nos debates, nos protestos...

“Naquela época, fazer estágio em uma emissora de rádio era discriminado no próprio ambiente acadêmico porque não dava status. O chique era trabalhar em televisão ou jornal. Por isso nós, e alguns poucos colegas "corajosos",  fomos pioneiros em procurar estágio numa rádio AM de Salvador.

“Já nos anos 1980, na Rádio Educadora, Gutemberg – que é um entusiasta não somente das histórias em quadrinhos, mas também  da música – empenhou toda a sua conhecida energia num trabalho de equipe dinâmico, versátil e criativo,  tanto na redação como na programação musical. A Educadora, então, era uma das emissoras líderes de audiência, e bastante prestigiada pelo público. Acredito que eu e Gutemberg temos uma gratidão em comum pela oportunidade de aprendizado e rica experiência que o rádio nos proporcionou, e que trazemos na memória como um legado para a nossa profissão. (Agnes Cardoso - jornalista e radialista).

Espaços mais vigorosos do jornalismo cultural baiano


“Quando o telefone tocava depois do meio dia e eu perguntava: Por favor, Gutemberg? Ele, o próprio, respondia: ‘não, ele não está’" e batia o telefone. Esse diálogo de malucos continuava tantas vezes quantas eu insistisse em ligar e só muito tempo depois pude compreender o óbvio: o seu comprometimento com o fechamento do caderno cultural era tão grande que não sobrava tempo para pequenos problemas de uma pauta que ainda estava em processo na rua. Até porque ele poderia substituir tranquilamente por uma das infindáveis sugestões que tirava de sua pasta, nos surpreendendo a cada manhã. Era sempre o primeiro a chegar com a produção já pronta, estimulando aquele time de jornalistas em início de carreira. Éramos jovens, ainda estudantes, e, ingenuamente, víamos o jornal como uma extensão da faculdade. O que foi favorável para dar voz a diversas e contraditórias correntes de pensamentos, o que levava à estranheza os leitores de um jornal liderado por um grupo conservador, embora agradando a um novo público que surgia junto com o novo jornal.


“E para reforçar, nosso editor líder sempre dizia: ‘só a arte tem o dom de libertar. Os diretores estão mais preocupados com política do que com o que publicamos na área cultural. E se eles não gostarem, eu pego a minha pasta e vou embora!’. Simples assim. Liderados por Gutemberg, nos sentíamos protegidos para ousar. Ainda que isso resultasse em algumas repreensões e até processos provocadas por terceiros, criticando abordagens sobre homossexualismo, transgressão social e diferentes composições familiares. Fruto direto dessa ousadia foi o surgimento de um dos espaços mais vigorosos do jornalismo cultural baiano nos anos 80. Graças ao espírito juvenil dos que embarcaram nas belas e cativantes ‘loucuras’ de Gutemberg. Graças a esse chefe nada convencional, com sua inseparável pasta cheia de irreverência e criatividade. Viva Gutemberg Cruz, um dos jornalistas mais geniais!!! (Shirley Pinheiro, jornalista)



Amizade verdadeira...

“O que falar de Gutemberg Cruz? “Gute” foi um anjo que entrou na minha vida! Agradeço a Deus por te colocado no meu caminho, por ser tão privilegiada com tua amizade, afeto, amor, companheirismo, carinho...

“Ter vc como meu amigo foi o melhor presente que recebi, pois vc realmente é um ser iluminado que consegue trazer ao mundo o verdadeiro sentido da palavra amizade. Te agradeço por tudo que vc fez e faz por mim todos os dias.

“Tudo que sei e aprendi sobre o jornalismo no dia a dia eu devo a vc, que me ensinou e me passou todo o conhecimento, e haja conhecimento viu?! Ao te conhecer me apaixonei mais ainda pelo jornalismo, vendo a sua dedicação e entusiasmo, mesmo naqueles momentos mais difíceis, só nós sabemos não é mesmo Gu?

“Obrigada por me receber todos os dias de manhã com esse sorriso no rosto e bom humor que me faz esquecer de qualquer problema que esteja passando. Não queria nunca me afastar de vc, pois não imagino os meus dias sem vc fazendo parte deles. Vc nunca sairá da minha mente e do meu coração!. Amo demais vc!!! (Ana Clara Solla, jornalista)

Você na minha vida

“Conheci o Guto quando retornava de uma licença maternidade no dia 29 de maio de 1990. Ele era o novo, ou melhor o primeiro jornalista contratado pela empresa que  eu trabalhava e trabalhamos até hoje.  No primeiro momento gostei da sua fisionomia meio ‘lunática’, seu jeito de jornalista despretensioso que apesar de ter vindo de um grande veículo de comunicação não vivia e não vive se exibindo.  Uma das coisas que gostei no Guto, e continuo gostando  é algo pequeno mas que vale ressaltar, ele até hoje é um dos poucos colegas  que quando é chamado pela Presidência vem com o seu bloco e sua caneta .....Temos 24 anos de convivência, quanta coisa vivemos em Guto!!!!! Quantos momentos  de tensão e também de alegria!!! ele é o meu par predileto para dançar, meu ombro de desabafo,  meu consultor ortográfico, entre tantas  coisas que ele representa na minha vida. 

“Lembram da licença maternidade?  tem  hoje 24 anos e Guto contribuiu muito com a sua vida acadêmica,  quando eu me queixava que não encontrava tal livro para aquelas leituras exigidas para o vestibular  ou até mesmo para as aulas convencionais, quando menos eu esperava  ele chegava com os livros, fruto de procura nas livrarias do centro da cidade, inclusive os ‘sebos’ o que lhe custava sempre o seu sábado de folga.

“Guto quero continuar presente em sua vida em todas as nossas  reencarnações”. (Lucia Maria Carvalho, secretária da UPB).

Explosão de emoções

“Guto, uma explosão de emoções. Imagem folclórica. Personagem dos seus estudos, saído do mundo dos quadrinhos. Jornalista investigador, defensor da verdade como Tintim e Dick Tracy. Destemido como os heróis Superman, Homem Aranha, Lanterna Verde, Wolverine. Parceiro fiel como Batman e Robin. Divertido e cômico como Pato Donald, Cebolinha, Chico Bento. Um marciano cheio de ideias loucas como o Marvin. Travesso como Dennis “O Pimentinha”. Atrapalhado como o Salsicha. Meio bruxo, mágico como Mandrake. As vezes, mau humorado e ranzinza, como Tio Patinhas, mas, bastam poucas palavras e já amolece o coração.

“Guto é assim, inesquecível como os quadrinhos da infância, um misto de fantasia, real e ficção, extraterrestre, homem diurno, do sol, um ogro meigo, inteligente, estudioso, astrólogo, mago, bruxo, muito amigo”. (Jacira Cavalcanti – Coordenadora de Informações Municipais da UPB).


-----------------------------------------------------
Quem desejar adquirir o livro Bahia um Estado D´Alma, sobre a cultura do nosso estado, a obra encontra-se à venda nas livrarias LDM (Brotas), Galeria do Livro (Espaço Cultural Itau Cinema Glauber Rocha na Praça Castro Alves), na Pérola Negra (Barris em frente a Biblioteca Pública), na Midialouca (Rua das Laranjeiras, 28, Pelourinho. Tel: 3321-1596) e Canabrava (Rua João de Deus, 22, Pelourinho). E quem desejar ler o livro Feras do Humor Baiano, a obra encontra-se à venda no RV Cultura e Arte (Rua Barro Vermelho 32, Rio Vermelho. Tel: 3347-4929.


0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home