18 janeiro 2013

Uma explosão em gritos e uivos, urros e gemidos

Há 70 anos, no dia 19 de janeiro de 1943, nascia na pequena e provinciana Port Arthur, Janis Joplin, a garota que viveu as cores de seu pesadelo. Insegura, insatisfeita e suicida. Desarmada, depressiva e eufórica. Janis simboliza o protótipo perfeito da cantora de blues, que ela unia ao rock para fazer as plateias passarem da emoção ao fogo, em canções como Piece of my heart, Turtle blues, My and Bob Mcgee, Mercedes Bens, Summertime.

Toda sua insegurança, moldada pela crueldade com que sua aparência e seu gênio provocavam na mentalidade estreita vigente em Port Arthur nunca mais a abandonou. O racismo texano também criava conflitos para Janis, que era considerada uma nigger love (amante de negros) só porque não conseguia hostilizá-los como os colegas faziam. Pearl é como gostava de ser chamada, e como se escondia das adversidades.

Fazendo sua cabeça com a leitura dos escritores beats, como Jack Kerouac e Allen Ginsberg aos 15 anos, Janis se voltava para a cultura negra, desencantada com os valores da classe média branca dos EUA. Daí para a música negra foi um passo.

Foi no Festival Monterey Pop, no verão de 1967 que Janis surgiu como uma jovem branca de longos e despenteados cabelos louros. Mas no instante em que o Big Brothers começou a tocar, aquela figura anteriormente de menina assustada passou a se transformar. A banda tocava Piece of My Heart e a cada nota do contrabaixo, ela dava uma pancada com a mão na perna. Ao final do número, o público entrou em delírio.

Apesar do apocalipse do Who, do fogo de Hendrix, Janis agarrou o microfone, gemeu, bateu os pés, sacudiu a cabeça, gritou e incendiou o ar. O canto de Joplin conseguia expressar toda a revolta, as dúvidas e perplexidades que os jovens tinham com o mundo em que viviam. Com seus cabelos longos e despenteados, sua voz áspera, seus gritos roucos, Joplin fez renascer o blues.

Carente, angustiada, quando cantava Joplin jogava todos os seus conflitos internos. “Minha musica é sobre o sofrimento, sua urgência. Sua presença” Também no palco se entregava completamente. Acariciava o microfone, gemia, implorava e batia os pés. “Eu canto com a minha voz, meu corpo, meu sexo. Nenhum cara nunca me fez sentir tão bem quanto uma plateia me faz”.

A branquela, sardenta e gorducha mocinha texana depois de desestruturar todo o arcabouço do clássico e pretensamente negroide Summertime, pergunta diretamente a Deus por que Ele não lhe compra um Mercedes Benz, uma televisão a cores. A branca cantora de blues que se fez negra pela cor de sua voz interroga e cobra do grande deus consumista as promessas que a sociedade lhe fizera desde o berço. Por quê?.
Foi inovadora no vocal e em atuação no palco. Na época, ninguém fazia o que Janis estava fazendo. No final de 1969 ela já estava tensa, cansada, acabada. Bebe desesperadamente, está viciada em heroína e continua só. Transa com vários garotos, mas continua só. Em janeiro de 1970 pede ajuda médica e decide abandonar o vício, começa um tratamento e vem para o Brasil em fevereiro, procurando um lugar onde pudesse descansar e tomar sol. Chegou no Rio de Janeiro, depois para a Bahia onde descansou em Arembepe. Mas, na volta à rotina dos shows, excursões e gravações, os mesmos problemas a encontraram. Assim, do conflito entre duas personalidades (Pearl a garota que surgiu como uma espécie de autopunição e Joplin cantora), nascia o canto animal da única mulher branca a cantar blues com a sexualidade e o desespero que só (raras) intérpretes negras a possuem.
No dia 03 de outubro de 1970, aos 27 anos ela foi encontrada morta, depois de injetar acidentalmente uma superdose de heroína. Seu legado é dos mais reduzidos: Cheap Thrills, (I Got Dem'01) Kozmic Blues, Pearl, Big Brother & The Holding Company, Janis Joplin in Concert, Janis (trilha sonora do filme).

Assim foi Janis numa carreira fulminante, incendiária. Ela só tinha uma limitação: era basicamente intérprete. E intérprete irreverente a uma escola específica, o blues. Sua luminosidade é ter expressado publicamente uma sensualidade feminina triunfante e positiva, embora – ainda – sofrida. Agora, 43 anos do desaparecimento da estrela, vale essa recordação, um réquiem.


Janis canta com a voz rouca e sofrida, típica das grandes intérpretes de blues
-----------------------------------------------------------
Quem desejar adquirir o livro Bahia um Estado D´Alma, sobre a cultura do nosso estado, a obra encontra-se à venda nas livrarias LDM (Brotas), Galeria do Livro (Boulevard 161 no Itaigara e no Espaço Cultural Itau Cinema Glauber Rocha na Praça Castro Alves), na Pérola Negra (Barris em frente a Biblioteca Pública) e na Midialouca (Rua das Laranjeiras,28, Pelourinho. Tel: 3321-1596). E quem desejar ler o livro Feras do Humor Baiano, a obra encontra-se à venda no RV Cultura e Arte (Rua Barro Vermelho 32, Rio Vermelho. Tel: 3347-4929)

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home