06 janeiro 2012

Poesia, poesia, poesia para dar ânimo ao dia

O prefeito vai dar um jeito?

O prefeito vai dar um jeito?

nesse nosso defeito

de tocar som alto em cada esquina,

urinar nas ruas e casas vizinhas,

jogar lixo toda hora em cada cruzada,

e misturar tudo, o profano e o sagrado?


O prefeito vai dar um jeito?

Nesse nosso defeito

onde crianças cheiram crack na Praça da Sé

Plano Inclinado não funciona e desço ladeira à pé

Elevador Lacerda quebrado deixa o povo consternado

com voz estrangulado, dor maior é elevar a dor.


E o que fazer de um doutor sem diploma

que leva o povo na conversa, embroma

e ninguém toma providência, só escuta

enquanto o transporte sai apinhado de gente

sofrendo apertado, dos pés até os dentes

enquanto o metrô parado não vai dar jeito, está desfeito.


O prefeito vai dar um jeito?

Nesse nosso defeito.

As ruas continuam esburacadas

e os monumentos estão abandonados,

o povo está esquecido, maltratado

e para não dizer, mal educado

canta de noite e de dia

para espantar a tristeza, a miséria

toda essa mazela, para viver de utopia.


O prefeito vai dar um jeito?

Nesse nosso defeito

creio que não, nossa gente está descrente

desiludida com toda essa ferida

que não consegue estancar

é sangue por todo lado, violência em cada passo

só não vê quem não consegue enxergar

a vida tranquila é passado, o presente é de matar!


O prefeito vai dar um jeito?

Nesse nosso defeito

Defeito maior é ficar calado, encastelado

vendo tudo mas não querendo enxergar

ouvindo tudo mas não querendo escutar

sentindo tudo mas não querendo falar

e o tempo vai passando, o baiano se arrochando

para não querer reprovar. Mas um dia isso vai acabar.


Até la o alcaide já fugiu

e como tudo aqui acontece, nada surgiu

entro em beco saio em beco

e a população reduziu, a cidade encolheu

a Bahia que era rica, patrimonial, desapareceu

e o povo, onde está? Sumiu!




O olhar estrangeiro


Olha que gente escura

nenhuma brancura

o que aconteceu?

O imigrante assustado

o olhar apavorado

estarreceu.

Nunca viu um povo altivo

um sorriso decisivo

numa pele tão negra

E ficou olhando abismado

e muito desavisado

esse preconceito de cor

Era claro que a pele branca

dominava a matança

e a escravidão de dor.

Mas agora a pele escura

aumentava a ternura

e ascendia o poder

O que fazer? Pensou de repente

como se aquela gente

não tem sentimento.

E agora o olhar interno

fica no inferno

na dúvida e na dor

de saber que não sabe nada

e toda aquela coisa malvada

escureceu um povo de dor.



Tenho sede


Tenho sede de música,

de mar, de silencio e de fúria.

Tenho sede de carinho,

de arte, de fé e de desobediência.

Tenho sede de sabedoria,

de conhecer o mundo, pessoas e alegorias,

de guardar o mundo em min.


Esta sede que nunca passa,

esse passo que sempre se esgarça

no tempo, espaço, no infinito do ser

serei alvo deste seu alvorecer

ou amanhecerei dormindo no seu entardecer?

Não sei, só sei que nada sei

e nisto posto, sou seu oposto

no gosto e desgosto, na tristeza e alegria

será que algum dia haverá um florescer?

Nesse seu jeito tão liso, nessas formas que existo

ou mesmo no seu cheiro de jasmim,

não sei, guardo o mundo em mim.

E quer saber? O mundo é muito complexo,

se nos amamos, deixe essas questões em amplexo,

vamos viver o último dia do resto de nossas vidas

o que há de acontecer, viveremos em pleno prazer

o resto é dúvida, interrogação,

é melhor vivermos essa paixão

o fim é um sim ou um não.


Parceira certeira, coração: Alessandra

Nesta primeira sexta-feira do ano, 06 de janeiro (o número seis é chamado perfeito nas partes - componentes primos somados ou multiplicados entre si dão sempre seis como resultado: 1+2+3=6; 1x2x3=6) vou dedicar a colega, amiga Alessandra bem à moda de Caetano Veloso: “Eu sou apenas um velho baiano, um fulano, um Gutemberguiano, um mano qualquer, vou contra a via, canto contra a melodia, nado contra a maré...”.

Pois bem, nossa Alessandra é luminosa, sorridente, transparente, o que vai em nossa mente. Ela é inspiração, paixão, parceira, certeira, coração. Só pensa no bem, em tudo, não esquece ninguém. É assim o dia todo, uma festa para os olhos, uma canção para os ouvidos, uma benesse aos nossos sentidos. E o que dizer de sua família? Duas filhas maravilhosas, um marido presente, tudo na vida como dádiva, elegantemente.


E elegância é o que não lhe falta. Lembra aquelas grandes divas do cinema europeu Catherine Deneuve, Grace Kelly, Ingrid Bergman, Penélope Cruz.... Alessandra seu nome é de guerreira, mulher que desde pequena luta, altaneira, passa por todas as adversidades, mas é faceira, sabe compartilhar o bem, com certeza. Alegre e bem humorada, isso é o começo, tem um sorriso tão limpo, transparente e um olhar que ilumina a vida da gente


Passou pela adolescência como uma flor, sem rebeldia, sem constrangimento. Os pais sempre atentos lhe reservaram uma educação exemplar que ela agora repassa às filhas. Sua bandeira é de paz, de harmonia, de fazer pelos outros os que alguns não fariam, se dedicar sem nada para reivindicar. Santa? Nada disso...ética, focada, concentrada naquilo que quer, ajudar ao próximo.


Assim é minha visão de Alessandra. Para que não a conhece pensa que ela tem um ar assim, meio esnobe. Um ar de quem sabe que sabe, o que tantas outras não sabem. Um ar de quem deseja viajar, conhecer o mundo, os lugares. Mas por enquanto nada é certo, a crise na Europa é o certo, mas ela sente arder na pele, esse desejo de rodar o mundo, conhecer outros assuntos, visitar Marrakech, Amsterdã, Indonésia, Filipinas, Paris, Grecia...


Mas essa garota que da vida muito sabe, mas do mundo não sabe o bastante, merece ser coberta de flores, beijos, diamantes, a cada instante


Aqui estão seus cincos poemas


Alessandra (1)



Alessandra você é dez!

Certeira, faceira, inteira

uma mulher com viés


Alessandra você é julho

no tempo, no vento, no sofrimento

uma garota no escuro.


Alessandra você é demais

no diálogo, no estalo, no embalo

e tudo o que se diga, faz.


Alessandra só há uma

e essa eu guardo com ternura.




Alessandra (2)


Quando você passa, que graça, que finura

seus passos delicados vão deixando pra atrás tristeza, amargura.

Quando você chega, que alegria, que beleza

até parece um raio de sol surgindo da natureza.


Quando você fala, que ternura, que precisão

quem está perto finge que não sabe, mas é paixão

Quando você sorrir o mundo transborda em mim

Isso é força de luz, um raio que conduz.


E agora, o que mais dizer

se você é uma profissional e sabe o que fazer

é uma mãe zelosa e sabe como resolver

uma esposa habilidosa e sabe transcrever

essa vida tão arriscada mas bela de se viver.





Alessandra (3)


Quando ela passa com seu jeito carinhoso

ninguém repara a tristeza em seu rosto.

Quando ela fala com sua voz meiga

não se escuta a melancolia da seita

Quando ela olha com olhar de diamante

o brilho é forte mas não afasta o distante.

Assim é Alessandra, uma flor de pessoa

muito educada assim não enjoa

O que ela faz é ajudar o mais próximo

a saber viver com o diagnóstico.

Nada de aventuras sem planejar

a sua vida é segura, vamos lá.

Alessandra aqui, Alessandra acolá

sem Alessandra a vida não pode ficar.



Alessandra (4)


A vida nos ensina

Logo cedo a viver

E cada vez que vivo o dia

So sei que não vou lhe esquecer

Sob a luz do sol ou a sombra da lua

Algo vai acontecer

Não sei se será noite ou dia

Dá-se a vida a florescer

Rara flor do meio dia

Ainda hei de ver nascer



Alessandra (5)


Além do amor e da paixão

Levita entre nós um coração

E faz de nós esperança

Sabendo que a vida é uma criança

Satisfeita com a bonança

Ao redor de uma lembrança

Nada de tormenta

Dada toda a evidência

Ruído não faz diferença

Amemos pois a inocência


Alessandra (6)


Sabes que tenho um grande amor por você

na amizade, na profissão, na luta da vida

sempre generosa e com um sorriso delicado

você reconforta a vida em tudo que lhe abriga.


Tens uma luz que aconchega, uma luz só de você

e isso é bom, pois ajuda ao seu redor melhor viver

Tens uma tranquilidade que é só sua

resguardando uma fé que a situa

a nunca fugir do foco que tumultua.


E a vida vai lhe dar boas surpresas

pois você vive com toda nobreza

ajudando a todos, com certeza.

E que a paz lhe retribua muita saúde,

prosperidade e uma vida cheia de felicidade.

--------------------------------------

Quem desejar adquirir o livro Bahia um Estado D´Alma, sobre a cultura do nosso estado, a obra encontra-se à venda nas livrarias LDM (Brotas), Galeria do Livro (Boulevard 161 no Itaigara e no Espaço Cultural Itau Cinema Glauber Rocha na Praça Castro Alves), na Pérola Negra (ao lado da Escola de Teatro da UFBA, Canela) e na Midialouca (Rua das Laranjeiras,28, Pelourinho. Tel: 3321-1596). E quem desejar ler o livro Feras do Humor Baiano, a obra encontra-se à venda no RV Cultura e Arte (Rua Barro Vermelho 32, Rio Vermelho. Tel: 3347-4929)

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home