23 janeiro 2012

Pagamento para o sexo é legal, imoral ou engorda

Amor, sexo, relacionamentos e dinheiro foram os temas mais discutidos em conversas de bar, universidades e escritórios nos Estados Unidos o ano passado, 2011. A discussão foi provocada por um gibi.


A obra mais recente do canadense Chester Brown é uma graphic novel de memórias com 280 páginas intitulada Paying for It: a comic strip memoir about being a john (lançada em 2011 pela Drawn & Quarterly). Aborda o período em que o desenhista teve relação com prostitutas, em uma espécie de ensaio em defesa do sexo pago e contra a tirania do amor romântico. O trabalho vai ser publicado no Brasil agora em 2012 pela editora WMF Martins Fontes com o provável título de Pagando para isso: a memória em quadrinhos sobre ser um John.


O relato autobiográfico trata de como é ser um “john” – gíria utilizada no inglês para os clientes das profissionais do sexo. Brown faz o inverso do anonimato de um “john”: revela em quadrinhos, uma a uma, as relações que teve com prostitutas durante um período de seis anos. Mais do que relatar, porém, Brown faz uma defesa da prostituição, numa revolta contra a tirania do amor romântico. A HQ é acompanhada por uma longa seção de texto onde o autor rebate cada argumento moral contra a prostituição. Com prefácio de Robert Crumb e acompanhada de elogios de Alan Moore e Neil Gaiman, a graphic novel tornou-se um dos lançamentos mais comentados de 2011 nos EUA e no Canadá.


Brown começou a pagar por sexo, alguns anos após a sua namorada terminou com ele (ele permaneceu em celibato durante três anos após a dissolução) e ele decidiu a carga emocional de relacionamentos românticos era demais para suportar e jurou off nunca ter uma namorada mais uma vez . Com alguma apreensão, ele começou a ver prostitutas em Toronto.


Não há nada de erótico sobre pagando por ela, mesmo que haja alguma nudez e cenas de sexo. Em vez disso, Brown se concentra em seu diálogo interior ao visitar prostitutas e as conversas francas com Seth e Matt, que estão em volta confuso e preocupado com a prática do seu amigo de contratar prostitutas e sua decisão de abandonar relacionamentos românticos. Robert Crumb escreve na introdução pagando por ele:


“Ele é provavelmente o resultado de uma dessas abduções alienígenas onde enfiar uma agulha no abdômen de uma mulher humana e engravidá-la. Você pode dizer, olhando para a foto dele. Observe como, ao longo do livro, sua expressão facial é sempre a mesma. Sua boca é uma fenda. Ele nunca mostra os dentes, nunca sorri, nunca faz uma careta. O oposto da minha retratos de mim mesmo. Neutralidade Chester Brown no mundo é, na minha opinião, muito admirável. Como Jesus disse, Seja como transeuntes".


MALÉFICO - “Agora vejo que o ideal do amor romântico na verdade é maléfico... O amor causa mais tristeza do que felicidade. Pense em todas as pessoas que almejam o amor mas sentem-se desgraçadas por não conseguir encontrar... É impossível uma única pessoa ser compatível com todas nossas necessidades emocionais e sexuais.” Brown – defensor declarado do libertarianismo - despeja suas frases inclusive sobre amigos famosos, como os também quadrinistas Seth e Joe Matt. Para não deixar dúvidas sobre suas posições, o autor ainda escreve vinte e três apêndices à HQ, rebatendo cada argumento que conhece contra a prostituição.


Brown sugere que é o conceito de propriedade (deliberadamente fabricados ou inconsciente) retransmitida através romantismo que infecta uma outra maneira normal personalidade de criação de ciúmes, stress, desarmonia, as pessoas desconfiam e drives para as profundezas do romântico ou pessoais de auto-destruição gosta do a que poucos escapam ilesos. Ao longo de 33 capítulos, Brown e colegas cartunistas (e regulares em obras uns dos outros) e Seth Joe Matt discutir os problemas e perigos associados com a prostituição e integralizado, para o sexo em geral.


As descobertas pessoais que ele vem ao longo do livro são possíveis pelo fato de que ele forçou-se para superar um estigma que ele realizou em toda a sua vida: que é inerentemente errado pagar por sexo. Que a prostituição é errado, e que as escoltas e Johns semelhantes são de algum modo "menos" do que outros. Com essa barreira passou, ele é livre em mente e espírito para prosseguir uma vida sem envolvimentos românticos. Após seu primeiro encontro, Brown continua a própria monogamia livre de caminho com uma interessante mistura de curiosidade científica e precisa de um adolescente para a satisfação física, ele tem todo o entusiasmo de um cachorro com um osso (sem trocadilhos ... talvez), mas mantém um distanciamento em quase analítica, pelo menos em sua auto-ilustrado da escolta que encontra.

Ele escreve com um grau de honestidade e consideração raramente encontra quando se trata de assunto de homens que pagam por sexo, detalhando os aspectos mundanos e mais profunda de sua experiência, de busca de anúncios classificados e ler opiniões on-line para discutir o amor romântico, que ele, pessoalmente, rejeita. Ele apresenta essas ideias, aquelas que, sem dúvida, desafio as crenças de muitas pessoas sobre a santidade do sexo, amor e monogamia em um fácil de ler o formato de histórias em quadrinhos que convida os leitores a pensar diferente sobre a prostituição.


Após o fim de um relacionamento sério mais de uma década atrás, ele decide que nunca mais quer ter uma namorada novamente. Ele logo percebe que ele tem dois desejos concorrentes: o desejo de ter relações sexuais e do desejo de não ter uma namorada. "Talvez eu deva pagar por sexo", ele finalmente conclui.


Para Brown, esta é uma decisão pragmática e que não carrega nenhuma vergonha. Ele não é solitário ou desesperado. Ele não é auto-aversão, nem tem desprezo pelas mulheres. Ele é apenas um cara normal que quer uma vida sexual satisfatória, mas sem todas as expectativas e inseguranças que muitas vezes acompanham envolvimentos românticos. A discussão está aberta agora no Brasil: o que o leitor acha do tema tratado – o amor é realmente uma ilusão, um sofrimento que não vale a pena conhecer ou é algo para ser plantado, semeado e colhido?E o que você acha do sexo pago? Está em aberto a discussão.

------------------------------------------------------

Quem desejar adquirir o livro Bahia um Estado D´Alma, sobre a cultura do nosso estado, a obra encontra-se à venda nas livrarias LDM (Brotas), Galeria do Livro (Boulevard 161 no Itaigara e no Espaço Cultural Itau Cinema Glauber Rocha na Praça Castro Alves), na Pérola Negra (ao lado da Escola de Teatro da UFBA, Canela) e na Midialouca (Rua das Laranjeiras,28, Pelourinho. Tel: 3321-1596). E quem desejar ler o livro Feras do Humor Baiano, a obra encontra-se à venda no RV Cultura e Arte (Rua Barro Vermelho 32, Rio Vermelho. Tel: 3347-4929)

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home