13 abril 2011

Florisvaldo Mattos lança Poesia Reunida e Inéditos

O escritor, jornalista e professor Florisvaldo Mattos lança nesta quinta feira, dia 14 de abril, a partir das 18h na Livraria Cultura do Salvador Shopping (Caminho das Árvores) o livro Poesia Reunida e Inéditos, da Escrituras Editora. Para o escritor Ruy Espinheira Filho, “em seus versos estão a magia da infância, a juventude sonhadora, a maturidade, a sabedoria – muitas vezes comovente – de quem chega a uma idade avançada ainda cálido dos raios da aurora. E então estamos fitando o homem e, através dele, o mundo, as épocas (sobretudo em sua poesia épica), com seus dramas e quimeras. Por isso escreve outro apresentador do livro, Alexei Bueno, que a obra de Florisvaldo é resultado de úm espírito agudamente atento ao tempo e dele liberto, como sempre é,paradoxalmernte, o dos grandes poetas´.” (A Tarde.07.04.2011)


Mattos nasceu em Uruçuca, antiga Água Preta do Mocambo, em 08 de abril de 1932, onde aprendeu as primeiras letras e completou o curso primário no Grupo Escolar Carneiro Ribeiro. Mudando-se com a família para Itabuna, aí cursou o secundário no Ginásio da Divina Providência. Iniciado em Ilhéus, conclui o curso colegial no Colégio da Bahia, em Salvador, onde se diplomou pela Faculdade de Direito da então Universidade da Bahia, em 1858, quando ingressa no jornalismo, como integrante da equipe fundadora do Jornal da Bahia. Passou depois ao Diário de Notícias, da cadeia dos Diários Associados, de Assis Chateaubriand, em ambos inicialmente como extensão da militância cultural de uma parcela do grupo nuclear da chamada Geração Mapa, que girava em torno da revista Mapa, com Glauber Rocha, João Carlos Teixeira Gomes, Paulo Gil Soares, Fernando Rocha, Antônio Guerra Lima e outros que optaram pelo jornalismo. “Sou personagem de palco e plateia do grande momento que foi a marcha da Universidade da Bahia para sua firmação e consolidação, nos anos 50, desenvolvendo e criando escolas, principalmente as escolas de arte. Por este caminho estrelado é que fui me encontrando com o pessoal que logo se afirmaria como os integrantes da chamada Geração Mapa”.


Neste campo atuou ainda no vespertino Estado da Bahia e dirigiu na Bahia por 14 anos a sucursal do Jornal do Brasil do Rio de Janeiro, do qual era correspondente. Desde maio de 1990, integra a redação do jornal A Tarde, a convite do jornalista Jorge Calmon para dirigir o suplemento A Tarde Cultural que, em 1995, viria a receber o prêmio de divulgação cultural, conferido pela Associação Paulista de Críticos de Arte. No âmbito das atividades literárias, começou a publicar poemas seus em jornais do interior, como A Voz de Itabuna e Diário da Tarde, este de Ilhéus. Em Salvador, publicou inicialmente nas revistas Única e Ângulos, esta da Faculdade de Direito, de cuja equipe editorial participou, com João Eurico Matta e Nemésio Salles. No Jornal da Bahia e Diário de Notícias, de com Glauber Rocha, Paulo Gil e Inácio Alencar compôs a equipe editorial do SDN, suplemento dominical de expressão na década de 60. Em 1962 estava incluído na Antologia da novíssima poesia brasileira, editada pelos Cadernos Brasileiros, no Rio de Janeiro.


Fez ainda Mestrado em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia em 1972. No período de 1987 a 1989 foi presidente da Fundação Cultural do Estado, e em 1995 tomou posse na Cadeira nº 31 da Academia de Letras da Bahia. Florisvaldo Mattos publicou em 1974 o ensaio A Comunicação na Revolução dos Alfaiates; A Caligrafia do Soluço & Poesia Anterior (recebendo por essa obra o Prêmio Copene de Cultura e Arte); e Estação de Prosa & Diversos (coletânea de ensaios, um conto e uma peça teatral).


Os poemas escritos nesses anos foram publicados em Reverdor, seu livro de estreia (1965), pelas Edições Macunaíma, que depois editariam os poemas de Fábula Civil (1975) e a plaqueta Dois Poemas para Glauber Rocha, em cooperação com o poeta Fernando da Rocha Peres. “Os poemas deste livro - escritos de 1995 a 1963 - foram escolhidos pelo autor, para publicação, tendo em vista uma unidade temática de base agrária”, escreveu no seu primeiro livro. Tal escolha fez com que Florisvaldo passasse a ser visto como um poeta do campo. “Foi este vínculo primeiro do poeta com a região grapiúna, suas roças adubadas com o sangue dos homens de aluguel e os sonhos desfeitos, que deu à sua voz o selo de compromisso com o Homem. Num momento em que o engajamento partidário foi o caminho encontrado por muitos escritores e artistas, o engajamento telúrico de Florisvaldo Mattos traçou a arquitetura do seu humanismo inteiro - sem rótulos ou partidos. Hoje, passadas as águas do tempo de apogeu dos vagões, podemos constatar que a procura da poesia foi a ambição maior de Florisvaldo Mattos. Não se desviava deste caminho, mesmo quando o abrigo acolhedor de uma opção partidária apontava possíveis atalhos”, comentou Cid Seixas.


Os temas líricos que se diversificam em Fábula Civil ganham novas direções em A Caligrafia do Soluço & Poesia Anterior (lançado pela Fundação Casa de Jorge Amado/Copene, em 1996), mas, de um modo geral, fugindo sempre das confissões subjetivas, o poeta - como afirmou João Carlos Teixeira Gomes - se compraz com o espetáculo variado do mundo, celebra as viagens que fez pelos caminhos distantes, seu sentimento de hispanidade, a memória dos amigos desaparecidos, as experiências de leitura e suas afeições literárias, breves reminiscências de infância e outras vivências pessoais, sua paixão pelo jazz, num universo temático que busca sempre depurar-se, evitando transbordamentos emocionais. Tudo isto, em suma, dentro de estruturas formais construídas com rigor, que refletem a eficácia da sua linguagem poética, plena de poderosas metáforas e imagens dinâmicas.


“Alta poesia - continua João Carlos -, em suma, de requintada fatura, de um dos poetas mais importantes da sua geração, na Bahia ou no Brasil. Pela riqueza de certos processos metafóricos um construtor de verdadeiros prodígios verbais”. Para Jorge Amado, Florisvaldo Matos faz “poesia madura, ardente e sumarenta, invenção e experiência”. Os poetas que marcou Florisvaldo em sua trajetória foram os brasileiros Raimundo Correia, Manuel Bandeira, Mário de Andrade, Jorge de Lima, Joaquim Cardoso e o baiano Sosígenes Costa, que conheceu pessoalmente em Ilhéus, além dos poetas latino americanos Neruda, César Vallejo, Rubén Dario, Nicolás Guillén, e os espanhóis Antônio Machado, Lorca, Miguel Hernandez e Vicente Aleixandre. Florisvaldo Mattos faz a defesa da consciência formal na construção do poema, citando uma frase de Ezra Pound, segundo a qual “a técnica é a prova de sinceridade do poeta”. (Fonte: Gente da Bahia, Volume 2, de Gutemberg Cruz, 1998)

-----------------------------------------------------

Quem desejar adquirir o livro Bahia um Estado D´Alma, sobre a cultura do nosso estado, a obra encontra-se à venda nas livrarias LDM (Piedade), Galeria do Livro (Boulevard 161 no Itaigara e no Espaço Cultural Itau Cinema Glauber Rocha na Praça Castro Alves), na Pérola Negra (ao lado da Escola de Teatro da UFBA, Canela) e na Midialouca (Rua das Laranjeiras,28, Pelourinho. Tel: 3321-1596). E quem desejar ler o livro Feras do Humor Baiano, a obra encontra-se à venda no RV Cultura e Arte (Rua Barro Vermelho, 32, Rio Vermelho. Tel: 3347-4929).

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home