08 abril 2011

EXU – O Orixá da Comunicação e do Movimento (3)



Como mensageiro dos deuses, Exu tudo sabe, não há segredos para ele, tudo ele ouve e tudo ele transmite. E pode quase tudo, pois conhece todas as receitas, todas as fórmulas, todas as magias. Exu trabalha para todos, não faz distinção entre aqueles a quem deve prestar serviço por imposição de seu cargo, o que inclui todas as divindades, mais os antepassados e os humanos. Exu não pode ter preferência por este ou aquele. Mas talvez o que o distingue de todos os outros deuses é seu caráter de transformador: Exu é aquele que tem o poder de quebrar a tradição, pôr as regras em questão, romper a norma e promover a mudança.


Não é pois de se estranhar que seja considerado perigoso e temido, posto que se trata daquele que é o próprio princípio do movimento, que tudo transforma, que não respeita limites e, assim, tudo o que contraria as normas sociais que regulam o cotidiano passa a ser atributo seu. Exu carrega qualificações morais e intelectuais próprias do responsável pela manutenção e funcionamento do status quo, inclusive representando o princípio da continuidade garantida pela sexualidade e reprodução humana, mas ao mesmo tempo ele é o inovador que fere as tradições, um ente portanto nada confiável, que se imagina, por conseguinte, ser dotado de caráter instável, duvidoso, interesseiro, turbulento e arrivista.


SINCRETISMO - O sincretismo não é, como se pensa, uma simples tábua de correspondência entre orixás e santos católicos, assim como não representava o simples disfarce católico que os negros davam ao seus orixás para poder cultuá-los livres da intransigência do senhor branco, como de modo simplista se ensina nas escolas até hoje (Prandi, 1999). O sincretismo representa a captura da religião dos orixás dentro de um modelo que pressupõe, antes de mais nada, a existência de dois pólos antagônicos que presidem todas as ações humanas: o bem e o mal; de um lado a virtude, do outro o pecado.


Essa concepção, que é judaico-cristã, não existia na África. As relações entre os seres humanos e os deuses, como ocorre em outras antigas religiões politeístas, eram orientadas pelos preceitos sacrificiais e pelo tabu, e cada orixá tinha suas normas prescritivas e restritivas próprias aplicáveis aos seus devotos particulares, como ainda se observa no candomblé, não havendo um código de comportamento e valores único aplicável a toda a sociedade indistintamente, como no cristianismo, uma lei única que é a chave para o estabelecimento universal de um sistema que tudo classifica como sendo do bem ou do mal, em categorias mutuamente exclusivas.


No catolicismo, o sacrifício foi substituído pela oração e o tabu, pelo pecado, regrado por um código de ética universalizado que opera o tempo todo com as noções de bem e mal como dois campos em luta: o de deus, que os católicos louvam nas três pessoas do Pai, Filho e Espírito Santo, que é o lado do bem, e o do mal, que é o lado do diabo em suas múltiplas manifestações. Abaixo de deus estão os anjos e os santos, santos que são humanos mortos que em vida abraçaram as virtudes católicas, às vezes por elas morrendo.



Dados sobre o orixá

Nome: Esú

Filiação: Osalá e Iyemonjá

Dia da semana: Segunda-Feira, porem todos os dias são de Esú

Data: 13 de junho

Cor: Vermelho e preto, mas todas as cores pertencem a Esú

Flores: cravos e rosas vermelhas

Símbolo: Ogó (bastão com cabaças que representa o falo)

Domínio: Estradas e Encruzilhadas

Oferenda: são bodes e galos, pretos de preferência, e aguardente, acompanhado de comidas feitas no azeite de dendê. Aconselha-se nunca lhe oferecer certo tipo de azeite, o Adí, por ser extraído do caroço e não da polpa do dendê e portar a violência e a cólera.

Plantas - Pimenta, capim tiririca, urtiga. Arruda, salsa, hortelã.

Animais - Bode.

Metal - Bronze, ferro (minério bruto).

Comidas - Farofa de dendê, bife acebolado, picadinho de miúdos.

Bebidas – Cachaça.

Domínios – (variados) - Passagens, encruzilhadas, caminhos, portas, entrada das casas.

O que faz - Vigia as passagens, abre e fecha os caminhos. Por isso ajuda a resolver problemas da vida fora de casa e a encontrar caminhos para progredir. Além disso, protege contra perigos e inimigos.

Quem é - Elo de ligação entre os homens e os Orixás; senhor da vitalidade; do sexo; da alegria, da vida, das sensações.

Características - Apaixonado, esperto, criativo, persistente, impulsivo, brincalhão, amigo.

Sincretismo: Em algumas regiões, Santo Antonio e comumente confundido com o demonio Cristão

Saudação: Laroiyê Esú Omojubá ! que significa o bem falante e comunicador

Toque: jexá, bravun, adarrun e toques rapidos

Elemento: Fogo

Atividade: Comunicação entre os Homens e os Deuses.


Referências bibliográficas:

BASTIDE, Roger. O candomblé da Bahia: rito nagô. 3A ed. São Paulo: Nacional, 1978.

MUSSA, Alberto. Elegbara. Rio de Janeiro: Editora Revan, 1997.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

SANTOS, Juana Elbein dos. Os nagô e a morte. Petrópolis: Vozes, 1976.

VERGER, Pierre. Notas sobre o culto aos orixás e vodus. Tradução de Carlos Eugênio Marcondes de Moura. São Paulo: Edusp, 1999.


Fonte:

http://cantodoorixa.blogspot.com/2008/11/o-orix-exu-bar-elegb-elegbar-ou-aluvai.html

http://www.jornalagaxeta.com.br/materias.php?opt=1&sub=82&mat=1669

http://www.culturabaiana.com.br/exu-o-orixa-da-comunicacao-e-do-movimento/

http://www.logunede.com.br/esu

http://www.novaera.blog.br/index.php?option=com_content&view=article&id=23:exu-de-mensageiro-a-diabo-parte-i&catid=6:candomble&Itemid=2

-----------------------------

Há cinco anos, em abril de 2006, eu dava início a este blog sobre quadrinhos, cinema, música, literatura, moda, comportamento, vida. Estamos firmes, diariamente, de segunda a sexta (exceto nos feriados porque também sou filho de Deus), escrevendo (e escrevivendo) sobre esses assuntos. Na próxima semana estaremos abordando a censura nos quadrinhos, quadrinhos underground e sobre a trajetoria do escritor e poeta Florisvaldo Mattos. Agradeço ao público leitor que muito me estimula com sugestão e incentivo (Gutemberg).

---------------------------------------

Quem desejar adquirir o livro Bahia um Estado D´Alma, sobre a cultura do nosso estado, a obra encontra-se à venda nas livrarias LDM (Piedade), Galeria do Livro (Boulevard 161 no Itaigara e no Espaço Cultural Itau Cinema Glauber Rocha na Praça Castro Alves), na Pérola Negra (ao lado da Escola de Teatro da UFBA, Canela) e na Midialouca (Rua das Laranjeiras,28, Pelourinho. Tel: 3321-1596). E quem desejar ler o livro Feras do Humor Baiano, a obra encontra-se à venda no RV Cultura e Arte (Rua Barro Vermelho, 32, Rio Vermelho. Tel: 3347-4929).

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home