18 abril 2011

Acorda jornalismo baiano (1)

Os meios se transformam, se modernizam, ganham agilidade e capacidade de mostrar a notícia em todo esplendor com cores, movimentos, sons e textos. Os meios são muitos e diferentes, mas o jornalismo não, deve ser exercido cotidianamente com os olhos voltados para a sociedade à qual serve. O desenvolvimento de uma sociedade está inteiramente ligada à qualidade do jornalismo que ela produz. A sociedade do século XXI não pode mais ser dividida em Nordeste, Sudeste, ricos, pobres. É necessário mostrar o que a sociedade precisa saber e não apenas o entretenimento do cotidiano. Devemos ter espaços para espairecer, mas também, com consistência, noticiar, reportagens e artigos que mostrem onde estamos e quais as opções de futuro.


O jornalismo do século XXI deve ser plural, democrático, e estar presente na cobertura local de cada comunidade, e ser feita por profissionais que vejam além das obviedades dos interesses menores, ser um parceiro ativo na construção de futuros onde a vida seja um bem maior. Se as agências de publicidade detêm o poder de financiar a informação, o jornalismo precisa construir conhecimento que tenha uma relação direta com as necessidades do assunto, e isso pode ser feito com pluralismo de fontes e de opiniões.


Antes de serem vendidos aos leitores, os jornais (e outras mídias) são primeiro vendidos às agências de publicidade, que são os instrumentos fundamentais de financiamento da imprensa. Assim, nossa imprensa é prisioneira do mercado, dos anúncios, das agências de publicidade, das grandes empresas privadas, ou seja, do dinheiro. Assim a imprensa está subordinada a critérios de empresa (lucro, custo-benefício), presa a seus interesses, de rabo preso com as elites dominantes.


Os jornais estão perdendo leitores. Será a rede da internet? O problema está na incapacidade da imprensa hoje dialogar com o jovem real. Falta ousadia, qualidade. Basta que o profissional vá as ruas e olhe a comunidade e descobra a vida como ela realmente é vivida. O que acontece hoje é que os donos de jornais desempregam os profissionais para contratar estagiários (muitos, de outras áreas). O custo é bem menor e a exploração, maior.


O profissional da imprensa precisa descobrir histórias que valem a pena ser contadas. Para ser lido com prazer. É preciso criar prioridades estratégicas com revalorização da reportagem, revigorar o jornalismo analítico. É preciso mais apuração, menos frivolidade, mais consistência. É preciso reservar espaço para a boa notícia seja ela de um exemplo de boas práticas ou mesmo de denúncia. É preciso não perder a capacidade de sonhar e coragem de investir. É preciso cuidar mais do conteúdo, aquele trabalho de garimpagem, esquecido. Acorda jornalismo baiano!

---------------------------------------------

Quem desejar adquirir o livro Bahia um Estado D´Alma, sobre a cultura do nosso estado, a obra encontra-se à venda nas livrarias LDM (Piedade), Galeria do Livro (Boulevard 161 no Itaigara e no Espaço Cultural Itau Cinema Glauber Rocha na Praça Castro Alves), na Pérola Negra (ao lado da Escola de Teatro da UFBA, Canela) e na Midialouca (Rua das Laranjeiras,28, Pelourinho. Tel: 3321-1596). E quem desejar ler o livro Feras do Humor Baiano, a obra encontra-se à venda no RV Cultura e Arte (Rua Barro Vermelho, 32, Rio Vermelho. Tel: 3347-4929).

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home