03 agosto 2016

Cinema explícito (03)



Para Além do Obsceno, primeiro capítulo, o autor investiga como as representações cinematográficas do sexo embaralham pornografia e erotismo. A ordenação do obsceno tem sua investigação no segundo capítulo, Arquivo do Sexo Silencioso, mostrando do processo cinema pornográfico, transgressões eróticas, associadas à visibilidade da nudez e da sedução sexual.

A partir da década de 1930 começou o Código Hays. Este é o assunto do terceiro capítulo, Erotização e Censura. De q1934 a 1966, cenas de sexo, insinuações eróticas, demonstrações demasiadas de afetos, beijos, nudez foram reprimidas pelo Código de Produção, que impôs aos produtores, diretores, atores, que quisesse ter seus filmes exibidos, alguns de formas repressoras para se ter um selo de aprovação.

Para o pesquisador, o sexo como política do desejo foi representado de modo libertário por alguns cineastas, muitos contraculturais, de Paul Morrissey a Pasolini, de Kenneth Anger a John Waters, de Bertolucci a Godard, de Gregg Araki a Pedro Almodóvar, de Barbara Hammer a Catherine Breilat. Não há como
dissociar a discussão sobre sexo e sexualidades de qualquer perspectiva de mudança social. Como dizia Herbert Marcuse, o debate sobre emancipação, direitos humanos, liberdade de expressão, tem sentido quando há o empoderamento de liberação sexual num nível subjetivo e coletivo. Evidente que há muita tensão contrária. A história do cinema também é a história da censura do sexo. Desde o Código Hays, que vetou a representação do sexo e das sexualidades nos EUA de 1934 a 1966, até os movimentos contemporâneos conservadores que buscam a evangelização do desejo em prol da normativa não-libertária. Na França, acabou de ser censurado O Anticristo, de Lars Von Trier, além do premiado Azul é a Cor mais Quente, de Abdellatif Kechiche. O Brasil, ainda que pornô, vive de modo geral um pânico do orgasmo e dos prazeres explícitos, reiterando tabus, machismo e homofobia, infelizmente. Mas creio na potência do empoderamento que estamos construindo contra tais normativas. Censurar o sexo é o primeiro passo para censurar tudo.

Uma das conclusões a que chegou Gerace é que o sexo também tem uma função política — como na
filmografia do italiano Pier Paolo Pasolini, em que, de acordo com o sociólogo, o orgasmo entra como metáfora da revolução social. “Não quero entender o sexo. Eu quero saber como cada sociedade visualiza o sexo”, diz. “Para isso, é preciso entender os códigos morais de cada era”.

Especificamente sobre o cinema brasileiro, o autor diz que as produções independentes vivem uma fase mais liberal. “Existe uma maior exploração da sexualidade e de questões de gêneros em filmes como Tatuagem (2013) e Madame Satã (2002). É preciso lembrar, no entanto, que não é a carga sexual que vai classificar uma obra como transgressora, se não todos os filmes da Brasileirinhas (produtora de filmes eróticos) seriam revolucionários”, brinca.

As representações do desejo aclamadas dentro de um cinema que experimentou o sexo e suas possibilidades de estilos, gêneros, comportamento e imaginação estão no quarto capítulo, Êxtase no Cinema Experimental. No quinto capítulo, O Império do Erotismo, demarca como essa experimentação possibilitou o intercâmbio dos gêneros cinematográficos, expandindo a sexualidade e colocando o prazer sexual como epicentro político.

Cinema Explícito Contemporâneo, tema do sexto capitulo, o autor verifica como, na década de 1980 e meados de 1990, o advento da Aids embaralhou vários discursos conservadores diante do sexo. O sétimo capítulo, Pornografias Contemporâneas, trata do universo das pornografias alternativas.


Em livro, Rodrigo Gerace analisa as fronteiras entre o erótico, obsceno e o pornográfico nas telas


10 filmes entre os essenciais à pesquisa de Rodrigo Gerace

1 - "Two Women" (1928), de Man Ray

2 - "Um canto de Amor" (1950), de Jean Genet

3 - "Flaming Creatures" (1963), de Jack Smith

4 - "Sou curiosa, Amarelo" (1967), de Vilgot Sjöman

5 - "Blue Movie/Fuck" (1968), de Andy Warhol

6 - "Pink Flamingos" (1972), de John Waters

7 - "Garganta Profunda" (1972), de Gerard Damiano

8 - "Império dos Sentidos" (1976), de Nagisa Oshima

9 - "Paris Is Burning" (1990), de Jennie Livingston

10 - "Blue Movie - O Filme Proibido" (1995), de Alex de Renzy


0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home