19 outubro 2015

O que há por trás das obras do Marquês de Sade (2)


“Os 120 dias de Sodoma” aparecem seiscentas perversões, algumas descritas pela primeira vez, é mais do
que um catálogo de práticas e inclinações estranhas ou ferozes. Sade imaginou na solidão das celas em que ficou preso. Muitos anos depois a observação científica comprovou que não se tratava de delírios, mas de realidades. Sade descobriu realidades que, por mais explosivas e atrozes que nos pareçam, não deixam de ser nossas. “O principal interesse da obra de Sade é de ordem filosófica. Sua originalidade maior consiste em ter pensado o erotismo como uma realidade total, cósmica, quer dizer, como a realidade. Seu pensamento, não menos rigoroso, é ao mesmo tempo crítico e sistemático”.

Lês 120 Journées de Sodome, escrito no final de 1785, numa sombria cela da Bastilha é considerado uma espécie de bíblia das propostas de Sade: Quatro libertinos – os maiores e mais experientes devassos da França setencista – associam-se para levar a termo o projeto de conhecer, representar e praticar “todas as paixões que existem na face da Terra”. São 46 pessoas – entre prostitutas, súditos, adolescentes, velhos, cozinheiros e jovens que passam 120 dias no castelo. Cada mês é dedicado a uma classe de paixão – simples, complexas, criminosas e assassinas, e cada dia a cinco de suas modalidades.
Com isso, ao longo da estadia são apresentadas seiscentas paixões, compondo uma sequência da qual decorre justamente a ideia de “antologia dos gostos”.

Para o poeta Octávio Paz, “Sade é um autor que merece ser lido. É um autor perigoso? Não acredito que haja autores perigosos; melhor dizendo, o perigo de certos livros não está neles próprios e sim nas paixões de seus leitores. Além do mais, Sade é um autor austero e suas obras procuram mais a aprovação de nosso juízo do que a cumplicidade de nossos sentidos. Sade não quis comover, exaltar ou transformar: quis convencer”.

OBRA QUE ASSOMBRA

“A obra de Sade ainda nos assombra tanto pela imensidade de suas negações como pelo radicalismo monomaníaco de sua afirmação central: o prazer é o agente que guia e move os atos e pensamentos dos homens e das mulheres; e o prazer é intrinsecamente destruidor. Essa ideia não era nova quando Sade a formulou e é sobretudo uma ideia discutível. A interdição que pesava sobre suas obras impedia que ele fosse cabalmente compreendida e discutida. Levantadas essas proibições, passa a ser uma opinião entre outras”.

Justine ou As desgraças da virtude onde existem três versões desse romance. Justine é irmã da perversa e libertina Julietta, heroína de A Prosperidade do Vício. Em Histoire de Juliette, romance que narra, de forma lenta e progressiva, a ascensão da personagem na carreira da libertinagem. No percurso ascendente de Juliette, destaca-se sua admiração no clube secreto (Sociedade dos Amigos do Crime), efetivada somente depois da libertina submeter-se a uma série de provas com todos os protocolos que tal processo exige, como num ritual de iniciação. Para o poeta Octávio Paz “a importância de Sade, mais do que literária, é psicológica e filosófica (...) Sade é um caso. Tudo nele é imenso e único, inclusive as repetições. Por isso nos fascina e alternadamente nos atrai e nos repele, nos irrita e nos cansa. É uma curiosidade moral, intelectual, psicológica e histórica”.

Criador de novelas extremamente imaginativas em que descreve ações eróticas caracterizadas por torturas e violências físicas, o controverso nobre francês viveu mais de duas décadas encarcerado e, posteriormente, se tornou motivo de estudos de Apollinaire, precursor do surrealismo e da feminista Simone de Beauvoir, entre outros. A libertinagem sexual não era um privilégio de Sade, mas a marca de uma época. A França do século XVIII estava imersa em orgias e depravações organizadas por nobres e membros do clero. O arcebispo de Narbonne, o abade Dubois e o célebre cardeal Richelieu são apenas alguns exemplos. Os excessos chegaram a tal ponto que se tornaram insuportáveis. De certa maneira, Sade pode ser visto como um bode expiatório. Considerá-lo um momento e uma aberração era uma maneira de purificar uma sociedade em que os limites entre o liberado e o proibido eram muito tênues.

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home