19 janeiro 2016

Deus e o Diabo no humor das mulheres (02)



A primeira qualidade do humor é precisamente escapar a todas as definições, ser inacessível, como umespírito que passa. O conteúdo pode ser variável: uma multiplicidade de humor, em todos os tempos e em todos os lugares, desde o movimento em que, na mais remota pré história, o homem tomou consciência dele mesmo, de ser aquele e ao mesmo tempo de não o ser e achou isso muito estranho e divertido. O humor surge quando o ser humano se conta de que é estranho perante si mesmo.


A função do humor não é, imediatamente, provocar o riso, como supõe a razão, mas é, também, de se contrapor a ela como instância privilegiada e exclusiva da verdade. O humor é uma casa de muitas portas, sendo a mais séria a do não sério, aquela que se abre como oposição à razão cotidiana.

O não sério exprime verdades que têm valor universal. Numa sociedade condicionada pela razão, é interessante notar como tudo que não é sério prazer.


Humor é coisa séria

Na Grécia Antiga, o filósofo Aristóteles foi o primeiro a estudar a arte e, dentro dela, a tragédia e a comédia. Ele é o autor da célebre frase,o homem é o único animal que ri. A risada é o mote por trás do mistério que ronda o livroO Nome da Rosa, de Umberto Eco. Na trama, uma obra de Aristóteles, sobre o riso é mantida escondida a sete chaves na biblioteca de um mosteiro para evitar que os religiosos sejam contaminados pelas ideias do filósofo. Segundo o abade que se empenha em manter o riso trancafiado na torre, quem ri não teme, e quem não teme não tem Deus. A obra se passa na era medieval, tempo no qual a risada era coisa de herege.

O filósofo do século XVII, Spinoza também estudava a alegria na trajetória da vida. O sociólogo alemãoNorbert em sua obraO Processo Civilizatório, mostrou como os bons modos reprimiam o riso na Europa ao longo dos últimos séculos. A associação entre a contenção do riso e as vontades reprimidas foi pontuada por Freud. Em um artigo de 1928, intitulado Humor, ele tratou o riso como uma forma de driblar a repressão dos impulsos. Assim, durante muitos anos, no campo religioso o riso era considerado coisa do diabo. no campo intelectual predominou o pensamento cartesiano lógico, metódico e pragmático.


O riso é o melhor remédio para curar doenças e aliviar as tensões do cotidiano. Está provado que a ausência do riso é um dos fatores que contribuem para o surgimento de câncer. A técnica do riso vem sendo usada em vários países como recurso medicinal para combater vários males.

O indivíduo que não ri é prisioneiro da raiva, da frustração e da tristeza, emoções consideradas negativas. Com energia positiva, o indivíduo pode reverter emoções negativas, alterando o condicionamento depressivo. Ver filmes cômicos, ouvir piadas são bons recursos para se reaprender a rir.

O colunista do Folha de S.Paulo, Josué Gomes da Silva escreveu no dia 18 de setembro de 2011 (Humor é coisa séria, pag. A2):O humor é forma vigorosa de impactar as pessoas, fazendo captarpelo risoo que é sério, está errado e precisa ser corrigido. É impressionante a capacidade do criador gráfico que, em reduzido espaço, abre a ferida do momento político, econômico e social () Desde o século 19, quando nos fizeram rever o ranço social deixado pelo Império, passando pela República e até os dias de hoje, com poucos traços e palavras, seus desenhos denunciam impostores, censuram maus políticos e administradores públicos, ridicularizam o nonsense, mas também aplaudem os positivos efeitos da humanidade.

Chargistas e cartunistas são legítimos porta vozes do sentimento popular. Seus trabalhos são um canal onde o povo se manifesta, demonstrando sua opinião contra ou a favor. Cartuns e charges sempre enfrentam adversidades. No início, na Europa, foram respeitados no universo da arte por desrespeitarem as leis da estética e serem ' meros provocadores'. Até hoje, seus autores enfrentam agressões físicas e conceituais nos regimes totalitários.



0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home