20 novembro 2014

Paixão pela palavra (2)


E Chico faz um convite ao abandono de uma atitude repressiva (a volta ao útero materno: o regaço”),
e o apelo erótico contido no brincar no fogo. Contra a repressão da procura da segurançaque, no  limite, é a atração por Tânatosa proposta vital (apesar dos riscos) de Eros, é esteBom Conselho” (1972) que o poeta: “Deixe esse regaço/Brinque com o meu fogo/Venha se queimar”.

Feita para o filmeDona Flor e Seus Dois Maridos”, a cançãoO Que Serátem três versões, que marcam passagens diferentes da trama: “Abertura”, “À Flor da PeleeÀ Flor da Terra”. Cantada no filme por Simone, a versãoÀ Flor da Terraalcançou grande sucesso na gravação de Chico Buarque e Milton Nascimento, que abre o elepêMeus Caros Amigos”. Mais tarde Chico cantou no disco de Milton, “À Flor da Pele”. 

As canções de Chico Buarque tematizam a mulher e seu desejo. Ele sempre foi reconhecido como um dos poetas que mais sensivelmente captam o feminino e o exprimem, traduzindo-o em palavras e música. Um estudo temático das letras que modulam o feminino é a proposta do livro da professora Adélia Bezerra de Menezes, “Figuras do Feminino na Canção de Chico Buarque”.

Dentro da fêmea Deus pôs/Lagos e grutas, canais,/Carnes e curvas e cós/Seduções e pecados infernais/Em nome dela, depois/Criou perfumes, cristais/O campo de girassóis/E as noites de paz” (Tororó, 1988). São imagens de alta intensidade sensorial. Ou mesmo à explicitez ousada deO Meu Amor” (1977): “O meu amor/Tem um jeito manso que é seu/De me deixar maluca/Quando me roça a nuca/E quase me machuca com a barba malfeita/E de pousar as coxas entre as minhas coxas/Quando ele se deita, ai”.


Uma disputa entre duas mulheres que amam o mesmo homem as exibe medindo o grau de envolvimento amoroso pelo critério exclusivo do prazer físico proporcionado pelo amado. Canta uma delas:
O meu amor
Tem um jeito manso que é seu
E que me deixa louca
Quando me beija a boca
A minha pele inteira fica arrepiada
E me beija com calma e fundo
Até minhalma se sentir beijada, ai”.

E a outra:

O meu amor
Tem um jeito manso que é seu
Que rouba os meus sentidos
Viola os meus ouvidos
Com tantos segredos lindos e indecentes
Depois brinca comigo
Ri do meu umbigo
E me crava os dentes, ai”.

Mas as duas mulheres se encontram no refrão:
‘‘Eu sou sua menina, viu?
E ele é o meu rapaz
Meu corpo é testemunha
Do bem que ele me faz”.
           

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home