18 novembro 2014

Educando e inovando

Uma Nação só é verdadeiramente independente quando todos os seus cidadãos têm acesso a uma
educação de qualidade. A Educação é a base para o desenvolvimento social e político, ela promove crescimento econômico e é uma das principais ferramentas para diminuir a desigualdade social. Contudo, ao olhar para o cenário atual da Educação brasileira, fica evidente que estamos muito longe desse ensino de qualidade.

Mudar este cenário é possível e depende do esforço de todos: governos e sociedade civil. Passar da Educação que temos para a Educação que queremos depende, fundamentalmente, de uma nova atitude e de conquistas do dia a dia por parte do governo, de alunos, professores, pais e cidadãos. É uma longa trajetória, que depende de atitudes concretas e inovadoras, como a de São José do Paiaiá, um pequeno povoado do município de Nova Soure, na Bahia, que leva o nome de uma tribo guerreira dos kiriris, onde encontra-se a mais inusitada coleção de livros de toda a região.

No meio do sertão baiano, São José do Paiaiá abriga a Biblioteca Comunitária Maria das Neves Prado. É o único prédio de dois andares do pequeno distrito de apenas três ruas. Ali, estão abrigados livros raros, como uma edição do século XVII, em francês, das obras completas de Molière. Os moradores estufam o peito dizendo que são do povoado que tem a maior biblioteca da região. E de fato, a população tem do que se orgulhar, já que o local guarda preciosidades que não são encontradas nem em grandes cidades, como a capital baiana, Salvador.

PROPOSTA ATUANTE - Em um município onde a taxa de analfabetismo chega a 38%, sendo que a localidade tem menos de mil habitantes, livros, sobretudo, tão raros, são um enorme atrativo para a educação local. O historiador e professor do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict) Geraldo Moreira Prado, é o responsável pelo surgimento desse monte de “joias” da literatura bem no meio do sertão da Bahia.

Segundo ele, aos poucos os paiaiaenses vão percebendo a real dimensão de ter tão perto do seu alcance livros como a obra completa de João Cabral de Melo Neto (autografada!), a primeira edição de Casa-grande & Senzala, de Gilberto Freyre, e tantos outros. O processo de conscientização continua a cada dia. A proposta da biblioteca é ser ainda mais atuante. Um projeto está surgindo para garantir cursos para a comunidade, além de equipamentos para o local, como por exemplo computadores e acesso a internet. “Meu sonho é que o homem, o cidadão, mude para melhor”, diz Geraldo Moreira, fazendo sua parte pela educação.

DESTAQUES NACIONAIS - Outro belo exemplo em prol da Educação vem das cidades de
Mortugaba e Presidente Dutra. Os dois foram destaques nacionais no estudo “Redes de Aprendizagem – Boas práticas de municípios que garantem o direito de aprender”. Todos os dias, pais e alunos se reúnem em sala de aula para contar histórias sobre livros e trocar experiências que visam a valorização da leitura em casa ou nas escolas da rede municipal de Mortugaba. As atividades envolvem as comunidades de todas as 35 escolas do município e chamaram a atenção do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e do Ministério da Educação.

Uma novidade de Juazeiro: o Projeto Livrônibus. O objetivo é possibilitar aos estudantes das escolas municipais, acesso a um maior número de gêneros textuais, despertando o prazer da leitura. Tornar a educação baiana e brasileira de qualidade, é assim: cada município fazendo sua parte, cada governo concretizando suas ações, cada cidadão participando da melhor maneira possível.

É preciso passar da Educação que temos para a Educação que queremos


0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home