07 novembro 2014

José Silveira, um lutador da saúde na Bahia



No dia 03 de novembro o médico, cientista e professor José Silveira estaria completando 110 anos se
estivesse vivo. Ele foi o maior lutador contra a tuberculose na Bahia. Nasceu na cidade baiana de Santo Amaro da Purificação em 03 de novembro de 1904. Fez seu curso primário em Feira de Santana. Parte do seu curso secundário realizou no Colégio Imaculada Conceição e concluiu seus preparatórios no Colégio Ipiranga e nos cursos do Instituto Histórico da Bahia. Formou-se em Medicina em 1927. Defendeu tese no ano seguinte, com um trabalho sobre Radiologia da Descendente, aprovado com distinção e premiado com Medalha de Ouro por ser considerada a melhor monografia do ano. Interno desde o 4º ano da Clínica Propedêutica Médica, passou a Assistente Honorário e Efetivo da referida Cadeira, logo formado. Exerceu também as funções de Assistente de Clínica Médica. Foi, em 1929, contratado Chefe do Serviço de Radiologia do Ambulatório das Clínicas da Faculdade de Medicina, onde trabalhou até 1945. Em 1930 viajou para a Europa, frequentando os Serviços de Radiografia e de Fisioterapia da França, Bélgica, Suíça e Alemanha. Aí iniciou a sua especialização em Tuberculose. De volta à Bahia, instalou a sua Clínica de Doenças Pulmonares, criando seu primeiro núcleo de trabalho, ao lado da Cátedra de Propedêutica Médica.

Em 1936, a convite de várias sociedades alemãs, pronunciou conferências em Wiesbaden, Halle e Berlim. Regressando ao Brasil, fundou a 21 de fevereiro de 1937 o Instituto Brasileiro para Investigação da Tuberculose (IBIT), do qual é superintendente técnico. Em 1941, prestou concurso de títulos e provas para docência livre de Tisiologia na Escola de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro, sendo aprovado com distinção grau dez. Em 1947, exerceu as funções de Diretor do Deptº de Saúde Pública do Estado da Bahia, no governo Octávio Mangabeira. Em 1950, conquistou a Cátedra de Tisiologia da Faculdade de Medicina da UFBA. Dois anos depois, a convite de várias instituições médicas, fez uma viagem a Portugal, Espanha, França, Suiça, Alemanha, EUA, Escandinávia, Canadá e Peru, realizando, em todos esses países, conferências de sua especialidade. Em 1954, representou o Brasil no Congresso Internacional da União contra a Tuberculose, em Madrid. Em 1957, criou uma coleção de monografias médicas, Medicina Didática, destinada a estudantes e médicos recém-formados. Foi escolhido professor de Tisiologia e Pneumologia da Escola Bahiana de Medicina. Foi eleito presidente da União Latino-americana das Sociedades de Tuberculose, com a incumbência de organizar e presidir o XII Congresso Panamericano de Tuberculose, que se realizou na Bahia em 1960.

Fundou a Associação Bahiana de Medicina, da qual foi duas vezes presidente. Realizou três Congressos Regionais de Medicina na Bahia e iniciou a série de Conferências Nortistas de Tisiologia. Como sócio efetivo correspondente ou honorário está ligado a quase todas as Sociedades de Tisiologia do Mundo. Foi premiado pela Academia de Medicina de Paris com a Medalha de Prata, pelos seus trabalhos científicos; pela Federazione Italiana contro la Tubercolosi, com a Medalha de Ouro Carlo Forlanini; pelo Governo Brasileiro, com a Ordem do Mérito Médico; pelo Governo Português, com a Ordem do Infante D. Henrique e, pela Academia Nacional de Medicina, com o Prêmio Alfred Jurzikowski. Ex-presidente e membro do conselho da Fundação para o Desenvolvimento da Ciência na Bahia; membro do Conselho da Fundação Hospitalar do Estado da Bahia; membro da Comissão Técnica da Fundação Ataulfo de Paiva. Professor Emérito da Faculdade de Medicina da UFBA.

Como atividades para-médicas, é rotariano, ex-presidente, conselheiro e fundador da Sociedade Amigos da Cidade do Salvador, vice-presidente da Sociedade de Cultura Artística da Bahia, ex-presidente da Secção Regional do Instituto de Educação, Ciência e Cultura, sector da Unesco. Publicou muitos trabalhos no Brasil e no estrangeiro, entre os quais se destacam os seguintes livros e monografias: Questões de Tuberculose; O Problema da Atalectasia nas suas Relações com a Tuberculoso do Pulmão; Tuberculose e Doenças do Aparelho Respiratório; O Poder Protetor do BCG nos Alérgicos; Institutos de Pesquisas e Profilaxia da Tuberculose; e Lições de Tisiologia Prática. Organizador e dirigentes dos Cursos de Aperfeiçoamento em Tuberculose e Doenças do Tórax, com participação dos mais eminentes tisiologistas nacionais e estrangeiros, e é fundador e diretor técnico da revista Arquivos Brasileiros de Tuberculose e Doenças do Tórax.

No Memorial José Silveira está registrada a história da luta contra a tuberculose, ou seja, a história do IBIT, obra maior do Dr. Silveira. O memorial é um centro de investigação, de produção de conhecimento, com uma riquíssima biblioteca, arquivo documental e fotográfico, além de coleção de recortes de jornais catalogados e reunidos em 14 volumes. Assim, a Fundação José Silveira, que mais tarde passou a chamar-se Instituto Brasileiro para a Investigação do Tórax, sempre manteve uma ligação ativa com as populações carentes de Salvador, estimulando iniciativas tomadas pelas próprias comunidades. Desde a fundação do IBIT, diversas ações sociais se desenvolveram em prol das populações carentes atendidas pelo Instituto. Em 1993 foi criada a Medalha de Mérito Científico José
Silveira para agraciar cientistas que se destacam na área de saúde. E em 1998 a prefeitura de Salvador e a Câmara Municipal homenagearam o professor José Silveira com a inauguração da Praça do IBIT, em frente ao Hospital Santo Amaro, e um busto em bronze do cientista baiano, de autoria da escultora Márcia Magno. José Silveira é o criador de muitas instituições e obras meritórias da cidade e da Bahia.

Foi ele quem criou o IBIT, a Associação Baiana de Medicina, o Clube de Xadrez, o Núcleo de Incentivo Cultural de Santo Amaro (Nicsa), a Casa José Silveira, a Campanha Contra o Fumo, a Clínica Tisiológica da UFBA e a Sociedade dos Amigos da Cidade. Como fundador e presidente da SAC, instalou o Jardim Zoológico, a primeira comissão de turismo da cidade, entre outras. Afinal, José Silveira é o maior lutador contra a tuberculose na Bahia. (Esta biografia consta no livro Gente da Bahia, de Gutemberg Cruz)

1 Comentários:

At 10:57 PM, Blogger ARTESSOTEROPOLIS said...

BOA NOITE GUTEMBERG CRUZ

SAUDAÇÕES FRATERNAS A TODOS

EU LHE PEDIRIA SE NÃO FOR MUITO A CITAÇÃO TAMBÉM DO BAIANO ARISTIDES MALTEZ DA LIGA CONTRA O CANCER NA BAHIA UM GRADE LUTADOR TAMBÉM!!!!!!!!!!!

 

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home