29 junho 2011

As origens dos quadrinhos (3)

Há milhares de anos, os seres humanos utilizaram sequências de imagens para contar histórias. Das paredes pré-históricas, passando pelos templos do Egito até os livros ilustrados da Europa medieval, diversos povos utilizaram técnicas de desenho e pintura, associadas a símbolos gráficos variados para retratar e registrar aspectos de sua existência. A utilização deliberada de imagens em sequência para relatar um fato (real ou fictício) já podem ser encontradas nas antigas civilizações, como as egípcia e asteca. LUYTEN (2000) relata que a China já possuía histórias ilustradas sequenciais durante a Dinastia Han do Oeste (206 AC – 24 DC); nas Dinastias Sung (960-1279) e Yan (1279-1368) houve um florescimento destas histórias. Podemos ainda citar a Tapeçaria de Bayeux, que em 70 metros relata a conquista da Inglaterra pelos normandos, e as ilustrações demonstram os fatos e textos explicativos na base de cada uma delas, talvez a primeira junção entre texto e História.


Na Idade Média a utilização de imagens seriadas (através de cartazes ilustrados) tornou-se constante por facilitar as camadas populares e iletradas a compreensão das narrativas feitas pelos cantores e contadores de histórias. Podemos considerar os vitrais ou pinturas encontradas nas igrejas católicas narrando visualmente a Via Sacra de Cristo. Todas essas manifestações denotam a importância da trajetória comunicativa do homem, revelando que não há um século de imagem, simplesmente porque todos o foram, diferenciando-se apenas na questão do alcance de sua difusão, e mostram também que o germe da linguagem dos quadrinhos já se fazia presente.


Povos de diferentes origens e culturas aperfeiçoaram, com o passar do tempo, maneiras de perpetuar suas histórias e mitos, suas conquistas e seus costumes por meio de signos pictóricos (ao lado da comunicação gestual e oral), algumas vezes pintados ou desenhados formando uma sequência, aos quais eram atribuídos significados específicos, que se referiam a fatos reais (a caça, a colheita ou conflitos com outros grupos) ou às crenças e mitos dessas sociedades primitivas. Precursoras da palavra escrita, as imagens tinham por função descrever um dado momento da história de um povo, fixando-o para as gerações futuras.

Os hierógrifos egípcios foram um passo adiante na evolução da linguagem pictórica, uma vez que seus símbolos representam sons que, articulados, formam frases e narram eventos, dando provas de que o ser humano havia maturado como ser pensante e social. Povos como os egípcios e os assírios testemunharam o surgimento da escrita pictográfica, que, relacionada com a voz humana, foi reproduzida graficamente, gerando os caracteres silábicos e alfabéticos, conquista creditada aos fenícios.


A invenção das técnicas de impressão no Ocidente foi um avanço para tornar a comunicação escrita e a própria sociedade mais democrática. Antes da invenção da tipografia, entretanto, outras técnicas de reprodução já eram empregadas. A xilografia, por exemplo, já era utilizada no século VIII, no Japão, para imprimir em papel orações budistas.

As transformações na Europa que levaram à “descoberta” de novos mundos vieram acompanhadas de outra mudança que trouxe de volta à cena as cidades, dando vida a um novo personagem histórico: o burguês. As condições sociais, políticos e econômicos da Europa (a partir da segunda metade do século XVIII) mostraram-se favoráveis à consolidação da imprensa como veículo de comunicação massivo: a Revolução Industrial (que substituiu a produção artesanal pela mecanizada e começava a usar vapor, combustível fóssil e eletricidade) também se verificava na reprodução gráfica, melhorando a qualidade da impressão, por meio de novas técnicas.


Ao mesmo tempo, o processo de urbanização e a alfabetização (que deixava de ser privilégio dos ricos) garantiam público suficiente para os jornais; as ideias liberais e os momentos de trabalhadores propiciavam a discussão e a crítica de valores. Foi nesse contexto histórico que vários artistas, de diferentes países – inclusive no Brasil -, desenvolveram a arte de contar histórias por meio de imagens sequenciais impressas, os quadrinhos.


Referências:

BAGNARIOL, Piero e outros. Guia Ilustrado de Graffiti e Quadrinhos. Belo Horizonte: Fapi, 2004.

GONTIJO, Silvana. O Mundo em Comunicação. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2001.

LUYTEN, Sônia Bibe. Manga: o Poder dos Quadrinhos Japoneses, 2ed. São Paulo: Hedra, 2000

MOYA, Álvaro de. Shazam! São Paulo: Perspectiva, 1970


-----------------------------------
Quem desejar adquirir o livro Bahia um Estado D´Alma, sobre a cultura do nosso estado, a obra encontra-se à venda nas livrarias LDM (Piedade), Galeria do Livro (Boulevard 161 no Itaigara e no Espaço Cultural Itau Cinema Glauber Rocha na Praça Castro Alves), na Pérola Negra (ao lado da Escola de Teatro da UFBA, Canela) e na Midialouca (Rua das Laranjeiras,28, Pelourinho. Tel: 3321-1596). E quem desejar ler o livro Feras do Humor Baiano, a obra encontra-se à venda no RV Cultura e Arte (Rua Barro Vermelho, 32, Rio Vermelho. Tel: 3347-4929).

2 Comentários:

At 12:44 AM, Blogger Lucas Pimenta said...

Grande mestre, permita-me publicar seu texto no Quadro a Quadro:

http://quadro-a-quadro.blog.br/

As duas partes!

Desde já agradeço.

 
At 6:20 AM, Blogger Gutemberg said...

Lucas,
Pode publicar o texto, afinal a história dos quadrinhos deve ser conhecida portodos.
Um grande abraço, e obrigado pela leitura do blog.
Gutemberg

 

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home