27 setembro 2012

Cipriano Barata: 250 anos de nascimento do revolucionário baiano (2)

No dia 03 de setembro de 1821 realizaram-se as eleições para a escolha dos deputados brasileiros às Cortes Portuguesas. Cipriano Barata foi o grande vencedor. Desde a posse, procurou demonstrar ali estar para defender, incondicionalmente, os interesses de sua terra. Deixou patenteado não se considerar português e, sim, brasileiro.

Enfrentou o clima de coação. Sua coragem e até mesmo audácia na defesa das coisas do Brasil o tornaram, desde logo, conhecido e odiado por todos. Não era só a coragem no debate que marcava sua qualidade de brasileiro.

Também sua indumentária constituía-se numa afirmação de brasilidade e se tornava uma verdadeira provocação aos portugueses, pois calçado e vestido desde os pés até a cabeça com fazendas manufaturadas na Bahia. Em 09 de abril de 1823 saía o primeiro número do seu jornal, Sentinela da Liberdade. É eleito deputado à Assembleia Constituinte, mas recusou e acabou sendo preso. Pretexto: obrigá-lo a assumir a cadeira de deputado à Assembleia Legislativa.

Cipriano foi, por sentença de 22 de novembro de 1825, condenado à prisão perpétua, sendo solto em 1830, após haver a Relação da Bahia modificado a sentença condenatória e proferindo a absolvição. Foi necessária, ainda, a intervenção da Assembleia Legislativa para que, depois de absolvido, fosse posto em liberdade.

A prisão não o intimidava. Mal se instalou, cuidou de lançar seu jornal. No dia 12 de janeiro de 1831 circula o Sentinela da Liberdade. Era o mesmo jornalista corajoso e destemido, o mesmo inimigo da tirania e do absolutismo. Mais uma vez ele é preso na madrugada do dia 28 de abril de 1831. E começara a surgir protestos contra a prisão. A imprensa liberal do Rio se pôs, por inteiro, ao lado de Cipriano. Também os liberais pernambucanos se puseram ao lado do velho lutador da causa democrática.

Para se ter uma ideia do prestígio que gozava junto às massas, basta atentar-se no relato do próprio Ministro da Guerra, na sessão do dia 20 de maio de 1833 da Câmara dos Deputados, segundo o qual, na Bahia, as pessoas que não queriam ser molestadas, colocavam nas portas de suas casas o letreiro Barata. Esse prestígio era facilmente constatável em todo o território nacional.

Ao ser libertado, estava coberto de glórias e admirado pelos liberais, mas, estava, também, impossibilitado de continuar residindo na Bahia, dadas as perseguições sofridas e em virtude do clima de hostilidade contra ele armado pelos poderosos. Libertado em princípios de 1833, mantinha, praticamente intacto, o prestígio junto aos baianos, mas, devido ao ódio que lhe votavam os ricos e poderosos, retornou em junho de 1834 a Pernambuco, berço de sua vida de jornalista. E ali voltou a publicar seu jornal, agora com o título de Sentinela da Liberdade em sua primeira Guarita, a de Pernambuco, onde hoje brada Alerta!.

Foi rápida sua passagem por Pernambuco. Antes de findar o ano de 1835, já velho, doente, desiludido e pobre, transfere residência para Natal. Lá abriu uma farmácia que era gerida por sua filha, reabriu seu consultório e, depois de muitos anos, voltou a clinicar. Lecionou francês no Ateneu, tendo fundado um colégio primário e secundário. Faleceu no dia primeiro de junho de 1838, aos 76 anos de idade.

------------------------------------------------------------------------------------------------


------------------------------------------------------------
Quem desejar adquirir o livro Bahia um Estado D´Alma, sobre a cultura do nosso estado, a obra encontra-se à venda nas livrarias LDM (Brotas), Galeria do Livro (Boulevard 161 no Itaigara e no Espaço Cultural Itau Cinema Glauber Rocha na Praça Castro Alves), na Pérola Negra (Barris em frente a Biblioteca Pública) e na Midialouca (Rua das Laranjeiras,28, Pelourinho. Tel: 3321-1596). E quem desejar ler o livro Feras do Humor Baiano, a obra encontra-se à venda no RV Cultura e Arte (Rua Barro Vermelho 32, Rio Vermelho. Tel: 3347-4929)

1 Comentários:

At 11:16 PM, Anonymous Diego Araújo da Rosa said...

O seu texto resgata um pouco da memória deste herói e, mais ainda, celebra-o como tal.

É tão difícil se ouvir falar de um herói brasileiro...

Por fim, acredito que a História é feita por todos, mas, por alguns em especial.

Parabéns pelo blog!

 

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home