26 setembro 2012

Cipriano Barata: 250 anos de nascimento do revolucionário baiano (1)

No dia 26 de setembro de 2012 comemora-se os 250 anos de nascimento do jornalista e político baiano Cipriano José Barata de Almeida (1762-1838). Hoje, no auditório da Livraria Cultura (Salvador Shopping) das 15 às 17h o professor Marco Morel vai proferir palestra seguida de debate sobre Cipriano Barata. Ele foi o criador do Sentinela da Liberdade, jornal que não interrompia a circulação mesmo quando o seu redator estava atrás das grades por causa da sua revolucionária ação politica. Jornalista, cirurgião. Cipriano José Barata de Almeida nasceu no dia 26 de setembro de 1762, em Salvador, na freguesia de São Pedro Velho.

Embora homem de poucos recursos, seu pai, o Tenente Raymundo Nunes Barata conseguiu mandar seu filho Cipriano estudar em Coimbra, quando já tinha 24 anos de idade. Em 1786 matricula-se no curso de filosofia, no qual se bacharelou, tomando grau em 1790. Em 1787 matriculou-se, também, no curso de matemática. Fez ainda, na mesma Universidade de Coimbra, estudos de cirurgia, tornando-se cirurgião aprovado, profissão exercida com dedicação durante sua vida. Regressando à terra natal se casa com Anna Joaquina de Oliveira, com quem teve seis filhos.

Nos primeiros anos de casado Cipriano procurou viver do exercício da medicina, que praticava como cirurgião aprovado. Por não auferir grandes rendimentos nessa profissão, nada cobrava dos pobres (sua maior clientela), fez-se, também, lavrador de cana no Engenho de João Ignácio da Silva Bulcão, posteriormente Barão de São Francisco. Nessa atividade, buscava condições financeiras para sobreviver.

Foi na imprensa que se realizou, fazendo tremer os inimigos da liberdade e da democracia. Inicialmente, foi redigir a Gazeta Pernambucana. Logo depois, fundou seu próprio jornal, Sentinela da Liberdade. O jornal exerceu enorme influência na vida política brasileira, surgindo, em diferentes pontos do território nacional inúmeras Sentinelas, todas objetivando, também, lutar pelos ideais democráticos. Através da Sentinela da Liberdade exerceu extraordinária influência na vida pública brasileira, tornando-se temido dos despostas e ditadores. Pagou caro por sua luta em prol da liberdade. Viveu e morreu pobre, mas aqui, sempre, com independência e dignidade.

Cipriano Barata foi o mais autêntico representante do pensamento liberal brasileiro dos fins do século XVIII e primeiras décadas do século XIX. Em 1798 ele foi um dos fundadores da Loja Cavaleiros da Luz, na Bahia, e manteve-se fiel à Maçonaria, sendo, algumas vezes, por ela socorrido financeiramente. Foi preso por se envolver nos movimentos de liberdade. Após prisão que durou mais de um ano, em 1799 foi libertado e dedicou-se à sua clínica e aos trabalhos agrícolas, como lavrador.

Envolveu-se na Revolução Pernambucana. Após a derrota da revolução, foram remetidos, presos, para a Bahia, 104 insurgentes, que acabaram se salvando da morte em virtude do decreto de 1812, de D. João. Salvos do fuzilamento, permaneceram presos, mas, já aí, mantendo contatos abertos com os liberais baianos, Cipriano deles se aproximou e foi, logo, considerado “amigo dos presos”. Presidiu comitês para arrecadação de meios para o sustento dos presos. O real prestígio popular de Cipriano seria comprovado em 1821. Ele se pôs à frente de um movimento popular visando prestar apoio à revolução portuguesa.
---------------------------------------------------

Quem desejar adquirir o livro Bahia um Estado D´Alma, sobre a cultura do nosso estado, a obra encontra-se à venda nas livrarias LDM (Brotas), Galeria do Livro (Boulevard 161 no Itaigara e no Espaço Cultural Itau Cinema Glauber Rocha na Praça Castro Alves), na Pérola Negra (Barris em frente a Biblioteca Pública) e na Midialouca (Rua das Laranjeiras,28, Pelourinho. Tel: 3321-1596). E quem desejar ler o livro Feras do Humor Baiano, a obra encontra-se à venda no RV Cultura e Arte (Rua Barro Vermelho 32, Rio Vermelho. Tel: 3347-4929)

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home