09 maio 2018

Mallarmé: 120 anos sem o muso


Há 120 anos morria o muso dos poetas brasileiros: Stéphane Mallarmé  (18 de março de 1842/09 de setembro de 1898). O poeta francês nunca visitou o Brasil, mas exerceu uma grande influência entre os brasileiros. A geração do começo do século XX – a dos simbolistas como Maranhão Sobrinho, Alphonsus de Guimarães, Emiliano Perneta ignorou a parte revolucionária da poesia de Mallarmé, preferindo poemas parnaso-simbolistas das primeiras fases, como “Aparição”, tomando emprestado do mestre apenas as imagens metafísicas e a forma do soneto.

Os poetas modernistas também leram o francês. Mário de Andrade citou em “Paulicéia Desvairada”, Guilherme de Almeida traduziu em “Brisa Marinha”, Manuel Bandeira homenageou num ensaio por ter feito da própria poesia o tema privilegiado de seus poemas. Mallarmé ainda influenciou Drummond de “Claro Enigma” e João Cabral de “Pedro do Sono” e “Psicologia da Composição”.


Brinde

Nada, esta espuma, virgem verso
A não designar mais que a copa;
Ao longe se afoga uma tropa
De sereias vária ao inverso.

Navegamos, ó meus fraternos
Amigos, eu já sobre a popa
Vós a proa em pompa que topa
A onda de raios e de invernos;

Uma embriaguez me faz arauto,
Sem medo ao jogo do mar alto,
Para erguer, de pé, este brinde

Solitude, recife, estrela
A não importa o que há no fim de
um branco afã de nossa vela.

Cansado do repouso amargo
Uma linha de azul fina e pálida traça
Um lago, sob o céu atrás da nuvem clara
Molha no vidro da água um dos cronos aduncos,
Junto a três grandes cílios de esmeralda, juncos.


Os concretistas beberam do Mallarmé inventor da poesia visual, que privilegia as interrupções, triturando a sintaxe, abolindo a pontuação. Que radicalizou o poema concebendo-o como objeto visual e não apenas para ser ouvido. Ele quebrou o verso, explodindo palavras e imagens no branco da página. Décio Pignatari, Augusto e Haroldo de Campos foram influenciados e lançaram até um livro com traduções de poemas como “A Tumba de Edgar Allan Poe”, “O Brinde” e “Um Lance de Dados”. A geração dos anos 70 também recebeu influências do poeta francês. Ana Cristina César, Paulo Leminski, Armando de Freitas Filhos e muitos outros.

O Acaso

Cai
a pluma
rítmico suspense do sinistro
nas espumas primordiais
de onde há pouco sobressaltara seu delírio a um cimo fenescido
pela neutralidade idêntica do abismo

Fosse

Seria
pior
não
mais nem menos
indiferentemente mas tanto quanto

A Vendedora de Roupas

O olho vivo com que vês
Até o seu conteúdo
Me aparta de minhas vestes
E como um deus vou desnudo


Ao reinventar a poesia como enigma, Mallarmé rompeu com o didatismo, passou a sonhar com leitores refinados e tornou-se poeta para poetas.  Graças à sua influência, a língua portuguesa conheceu experiências poético-visuais, aproximando-se das artes plásticas. “Eu procuro o poema como um mistério em que o leitor deve procurar a chave”. Sua marca está na obra de Fernando Pessoa e Mário de Sá-Carneiro

POESIA

Toda alma que a gente traça
lenta, no ar, em resumidos
vários anéis de fumaça
noutros anéis abolidos

atesta qualquer cigarro
por pouco que separado
fique da cinza e do sarro
seu claro beijo inflamado.

Assim o coro dos poemas
dos lábios voa sutil.
A realidade, não temas,
excluí-la, porque é vil.

A exatidão torna impura
tua vaga literatura.

0 Comentários:

Postar um comentário

<< Home