04 junho 2007

Ângelo Roberto, um mestre do desenho (1)

Simplicidade, sensibilidade, harmonia, força, beleza, expressividade plástica, olhar da infância (puro). Tudo isso estão contidos no desenho do mestre baiano Ângelo Roberto. Impossível não parar diante de seus desenhos ternos de traço límpido e preciso. Uma boa oportunidade de conhecer seus atuais trabalhos que estão reunidos na mostra “Cavalos & Sol” no Centro Cultural Arraial D´Ajuda, em Porto Seguro que começou no dia 31 de maio e permanecerá até 23 de junho. Depois a mostra será exibida em Salvador. São 22 desenhos em bico de pena – técnica em que ele é um dos melhores do Brasil –, todos sobre cavalos, elemento que exerce fascínio sobre o desenhista desde a infância. Nas obras, o animal é apresentado em diferentes movimentos, sempre acompanhado do sol, “que é o meu cenário, é a Bahia“, diz.

No misterioso traçado quase invisível que compõe o desenho de Ângelo Roberto, há às vezes a impressão de que o artista tem um poder incomum de criar um nobre sentimento entre suas figuras humanas e seus animais. Nos gestos mais sutis das figuras de Ângelo, o sentimento de amor infinito pela liberdade compreende o direito das criaturas de conquistá-la e deixa-la ir e vir, quando quiser. Como a tristeza feita em lágrimas nos olhos das meninas, diante de pássaros engaiolados; ou feita em alegria incontida e fluida no momento de ver outro pássar
o alçar vôo e sumir pela janela. Em todos os segmentos que extrai da vida, Ângelo é sublime e sua linguagem não é meramente emocional – é hipnótica. Na avaliação de Ângelo, a marca da sua arte é a linha precisa. “É ela que me fascina, é o ponto de partida de tudo, eu não acredito num pintor que não é desenhista. Atualmente, eu ando querendo fazer pintura, mas estou emaranhado pela linha, e é difícil sair dela“.

O desenho, para o artista, “é a alfabetização”, a grande escola de pintores, caricaturistas, os mestres das artes visuais. A peça mais importante do jogo, assim como “o escritor tem que saber soletrar”, o pintor tem que saber desenhar, para ser perfeito em sua arte. Por isso, Ângelo não pensa duas vezes para dizer que desenho é fundamental, “porque sei que todo desenhista pode pintar, mas nem todo pintor desenha”. Assim como nem todo caricaturista sabe desenhar, mas todo desenhista pode ser um bom caricaturista. E Ângelo Roberto é bom em tudo o que se propõe a fazer, porque de desenho ele entende.

No momento ele se dedica a desenhar cavalos (Cavalos & Sol é o tema da mostra no Centro Cultural Arraial D´Ajuda, em Porto Seguro, que fica exposta até 23 de junho). Esses seres peraltas, encantados, quase mitológicos, ternos e cheios de façanhas surgem do imaginário lúdico do artista. E como escreveu o escritor Paulo Martins para o Caderno Cultural d´A Tarde, Paulo Martins, o tema recorrente do conjunto de sua obra sempre foi a infância. “Assim, os desenhos de Ângelo são mais do que meras recordações da infância: ele os concebe, sempre, com os olhos da infância. São desenhos mnemônicos, mas é como se ele enxergasse tudo não com os olhos de hoje, mas com os olhos da criança que foi um dia”.

O bico de pena é uma característica forte na arte de Ângelo Roberto, mas a caricatura é algo que “nunca saiu de mim”. Ele já foi caricaturista de diversos jornais baianos como o Jornal da Bahia, A Tarde, Diário da Bahia e Folha da Bahia. Segundo o professor e artista plástico Juarez Paraíso, “Ângelo Roberto é, precipuamente, um artista da linha e do tracejado, das impressionantes tramas de bico-de-pena. O contraste elegido é simples, mas eficaz. O completo domínio artesanal do artista tece uma incrível tessitura gráfica, um incrível trabeculado, estrutura linear composta por traços pacientemente superpostos, com mais ou menos transparência, jamais obstruindo a passagem da luz que emana do papel”.


“A volumetria – continua Juarez – é reduzida e controlada com sutileza, e o segredo está no controle da transparência e da natureza da textura visual, na dependência da acumulação e posição espacial do tracejado retilíneo, sendo notável a passagem da luz entre as figuras e o fundo. Mestre do bico-de-pena, Ângelo Roberto já produziu centenas de desenhos de grande beleza plástica (gráfica). Com os atuais, demonstra uma prodigiosa imaginação e memória visual no desafio de um só tema e com o máximo de economia dos recursos materiais. Um sensível e intenso sentimento de harmonia emana da conjugação de linhas, atraindo o movimento do olhar, seduzido pela suavidade do ritmo criado pelo artista. A expressividade plástica sobrepõe-se à simples configuração temática, graças ao desenho despojado e contemplado pelo talento do artista, pela depurada percepção seletiva e notável poder de síntese, próprio dos grandes desenhistas figurativos”.

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home