21 outubro 2017

Brasil, revisão de uma história (III)

Após abolição da escravidão em 1888, a necessidade de mão de obra, para a agricultura,principalmente a do café, em substituição ao trabalho escravo, abriu espaço para a imigração em larga escala. Até fins da década de 1940 estima-se que o Brasil recebeu aproximadamente 5 milhões de imigrantes. Deste total,  2/3 foram constituídos por italianos, portugueses e espanhóis. No 1/3 restante contam-se principalmente alemães e japoneses, e grupos menores de russos, sírio-libaneses e outros. Em anos mais recentes, após a segunda guerra mundial,  novos contingentes de imigrantes coreanos, chineses e de países sul-americanos, como Bolívia e Paraguai aportaram ao Brasil.


Deste modo, a formação da cultura brasileira encontra fortes raízes nas culturas europeia, indígena, negra além de influências orientais, moldando o brasileiro como indivíduo versátil e adaptável, aberto ao contato e a apreciação das mais diversas influências culturais.


INDEPENDÊNCIA – Com a exploração dos nossos tesouros o Brasil ganhou mais habitantes, alguns deles bem mais ricos e o país mais pobre. A população de Minas Gerais viveu no final do século 17 uma vida agitada. Por causa do ouro, centenas de pessoas mataram e morreram (filmes de bangue bangue perde para esse cenário). E por estar mais perto das minas, o Rio de Janeiro passou a cidade de Salvador para trás e se tornou a capital. Mas a população pobre começou a se movimentar insatisfeita e, entre poema satírico e carta contra o governo, surgiram os primeiros movimentos pela independência.

A monarquia brasileira durou 67 anos e foi uma época confusa. O imperador reinava aqui e em Portugal, fomos até governados por um garoto de 14 anos. Diversos ministros vieram e caíram. Pedro I proclamou a Independência e ninguém ficou sabendo. O Brasil era uma colônia composta por regime muito diferentes. Várias revoluções explodem em todo o país a partir de 1835: Farroupilha (Rio Grande do Sul), Revolta dos Malês (Bahia), Cabanagem (Pará).



MILITARES - Em 1864 começa a Guerra do Paraguai e a vitória aumentou o sentimento de que formávamos uma só povo. Mas em 1889 os republicanos tramavam um golpe e Dom Pedro II é deposto, o império cai e o marechal Deodoro da Fonseca assume. Começa então o período da República. Assim quando um marechal do Exército, herói da Guerra do Paraguai derrubou o imperador, nosso país passou a conviver coma grande influência dos militares. Foi com a ajuda dos militares que Getúlio Vargas assumiu a presidência, e foi por causa deles que caiu, em 1945. E a caserna garantiu a posse de alguns presidentes e chegou ao auge do poder em abril de 1964. Começava então o mais longo período de ditadura da nossa história republicana.


É bom lembrar que até o final da Guerra do Paraguai (1870) não valia a pena ser militar no Brasil. Desde que foi criado o Exército e a Marinha ir para lá era um castigo reservado para as pessoas pobres acusadas de delinquência ou vadiagem. O conflito no país vizinho forçou o Império a criar um exército de verdade. Com a vitória no Paraguai surgiram os heróis Duque de Caxias e o marechal Deodoro da Fonseca. Eles voltaram da guerra querendo mais poder. Conseguiram através de conspirações, tramoias e sabe lá o quê...






0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home