03 fevereiro 2016

Símbolos universais de César Romero


Até 26 de fevereiro, o artista visual César Romero participa da exposição multimídia “O Espírito das
Américas”, na New York Public Library Hudson Park, em Nova York. A ideia central da expo é a de que viemos de terras e povos além-mar, estamos conectados de norte ao sul como uma pátria que transcende nossas fronteiras e nos permite a liberdade de ir e vir, além de nos sentirmos irmãos nascidos em um mesmo continente.

Os símbolos criados por Romero para suas telas já foram mostrados na Alemanha, Espanha e Portugal. Ele tem uma capacidade de incorporar os símbolos da religiosidade e da criatividade popular, transformá-los numa pintura solar.
Ele contempla os símbolos religiosos registrados numa pintura de marcada atualidade. Um refinado colorista que construiu uma iconografia de absoluta individualidade.

Incessante

César Romero nasceu em Feira de Santana, Bahia, no ano de 1950. Pintor, psiquiatra, empresário, critico de arte, Romero é um artista de uma atividade incessante com sucessivas exposições no circuito internacional, em Washington, Hannover, Paris, Colônia, Berlin, Barcelona, Madrid, Bilbao, Lisboa, Miami, Paris, Granada, Montevidéo, Cayenne, New York, Los Angeles, San Francisco, Honolulu, Porto, Lousã, Espinho, Coimbra e Punta Del Este.


No Brasil, realizou dezenas de mostras individuais e participou de 200 exposições temáticas. Fez parte, também, dos principais Salões de Arte realizados no país. Possui trabalhos em trinta e dois museus brasileiros e pinturas suas foram integradas em projetos de decoração e cenário para vinte e duas novelas e alguns especiais da Rede Globo de televisão, Rede Manchete e TV Record.

Imprensa

Iniciou-se na grande imprensa em 1975 no Jornal da Bahia com as colunas Arte&Fatos e Especialarte permanecendo até 1999, quando foi indicado pelo
jornalista João Santana ao Editor Cultural Gutemberg Cruz para escrever no jornal Correio da Bahia, mantendo-se atuante até os dias atuais. São 41 anos escrevendo initerruptamente, divulgando as artes visuais brasileiras. Em 2015 completou 40 anos como especialista. Um esforço provavelmente sem igual em nosso país. Ainda foi colunista de artes plásticas da Revista Slogan e outras já extintas. Colaborador do Jornal da Crítica, Jornal da ABCA em São Paulo; Revista Segundapessoa na Paraíba.

Em 2011 publicou o livro Grafite: Sinais Urbanos – Canal Produções. Em 2006 dois livros: Bahia – Negras Raízes, sobre quatro interpretações escultóricas dos artistas Rubem Valentim, Agnaldo dos Santos, Mestre Didi e Juarez Paraíso. Também Carl Brusell – Um Artista da Forma e da Cor, ambos editados pela Expoart.




0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home