22 fevereiro 2016

Quero ficar em seu corpo feito tatuagem (1)



Quero ficar no teu corpo feito tatuagem
Que é pra te dar coragem
Pra seguir viagem
Quando a noite vem
E também pra me perpetuar em tua escrava
Que você pega, esfrega, nega
Mas não lava
Quero brincar no teu corpo feito bailarina
Que logo se alucina
Salta e te ilumina
Quando a noite vem
E nos músculos exaustos do teu braço
Repousar frouxa, murcha, farta
Morta de cansaço
Quero pesar feito cruz nas tuas coisas
Que te retalha em postas
Mas no fundo gostas
Quando a noite vem
Quer ser a cicatriz risonha e corrosiva
Marcada a frio, a ferro e fogo
Em carne viva
Corações de mãe
Arpões, sereias e serpentes
Que te rabiscam o corpo todo
Mas não sentes. (Tatuagem, de Chico Buarque e Ruy Guerra, 1973)


Dragões, caravelas e sereias até pouco tempo podiam apenas ser vistos no corpo de marinheiros e surfistas, que usavam esse tipo de recurso quase como uma identidade. O hábito de se tatuar parecia estar totalmente associado ao mar. Era sinônimo de rebeldia e coragem. Atualmente essa imagem mudou. E a tatuagem está novamente na moda. E em terra firme o número de pessoas que adere à nova febre é impressionante, principalmente jovens e mulheres. A tatuagem conquistou novos espaços, tornou-se urbana e ganhou formas diferentes, mais exóticas. Elas são maiores, os desenhos mais variados, quase como os grafites que vemos pelos muros das grandes cidades

A arte de tatuar o corpo é milenar. Desde os tempos dos faraós, antes de Cristo, por toda a antiguidade existem traços da tatuagem. Por essa época ela se restringia a adornar o corpo de guerreiros nos mais diferentes cantos do planeta e era encontrada tanto em vikings quanto em samurais. Sabe-se que os primeiros a adotarem, as tatuagens na história recente e fazerem dela sua marca registrada foram os marinheiros (até o Popeye das histórias em quadrinhos tem uma âncora tatuada no muque), mas ela também foi usada para marcar prisioneiros judeus nos campos de concentração nazista. Para iluminar esse lado escuro da tatuagem os surfistas adotaram visuais multicoloridos até chegar ao rock and roll, via motoqueiros.

São inúmeros os grupos que buscam nela sua marca. Os punks, skin heads e roqueiros têm uma atração especial pelos desenhos macabros. Eles têm caveiras, monstros, aranhas com teias enormes espalhados por todo o corpo. A ideia é chocar, representar da forma mais clara possível a podridão da sociedade e toda a revolta que eles sentem.Tattoo you, diz a capa de um dos discos dos Rolling Stones. Milhares de jovens através do mundo seguiram a ordem de seus ídolos, nos anos 70, e cobriram parte do corpo com diversos desenhos.


Ainda hoje a tatuagem é bastante discriminada e as pessoas que as possuem são vítimas de todos os tipos de preconceitos. Tradicionalmente associada à marginalidade, a tatuagem não se encaixa neste estereótipo. Que o digam os milhares de jovens do mundo inteiro que expressam em seus corpos passagens marcantes da vida, feitas para exibição ou auto-afirmação.


0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home