25 novembro 2011

Homossexualidade nos quadrinhos (2)

Como se pensava antigamente que quadrinhos era mídia só para crianças, o tema era infantil. A faixa-etária do público-alvo cresceu nas últimas décadas. Conforme os leitores cresceram os temas passaram a ser mais abrangentes. Dessa forma, a sexualidade passou a ser assunto lidado mais abertamente, e com ela também a diversidade sexual. Mas a abertura é lenta e gradual. A ideia de uma postura aberta seduz às grandes instituições e editoras, além de levá-las ao topo dos tabloides em segundos. É preciso estar sempre atentos ao real caráter dessas abordagens. Desde Watchmen (1986) e Sandman (1988-1996), dois dos maiores referenciais dessa forma de arte, personagens assumidos tem surgido aqui e ali.


Com qualquer menção à homossexualidade nos quadrinhos norte americanos era proibido pelo Código Autoridade Comics (CCA) até 1989, tentativas anteriores de explorar estas questões em que os EUA tomaram a forma de sugestões sutis ou sub´texto sobre orientação sexual de um personagem. A homossexualidade foi abordado no início comix subterrânea a partir dos anos 1970. Independentemente publicado one-off histórias em quadrinhos e série, muitas vezes produzidos por criadores gay e com histórias autobiográficas, abordou questões políticas de interesse para os leitores. Desde a década de 1990 temas LGBT (lésbica , gay , bissexual e transsexual) se tornaram mais comuns nos principais comics EUA, inclusive em um número de títulos em que um personagem gay é a estrela. A falta de censura, e uma maior aceitação dos quadrinhos como meio de entretenimento adulto levou a menos controvérsia sobre a representação de personagens LGBT.


A história da homossexualidade nos quadrinhos é uma questão complicada, dado que havia um momento em que qualquer tipo de sexualidade nos quadrinhos mainstream foi tabu, sob os auspícios do Comics Code Authority. O Código foi instituído em 1954, em grande parte em resposta ao livro de reacionário Dr. Fredric Wertham, "Seduction of the Innocent", em que o psiquiatra alertou os pais sobre o conteúdo violento e sexual de revistas em quadrinhos do dia.


Enfrentando a ameaça muito real de censura governamental, a Associação Revista Comic of America optou para a auto-censura. O CMAA redigiu o Código originais Comics em 1954 e estabeleceu o Comics Code Authority para supervisionar a sua implementação. O código de definir diretrizes diante rigorosos para a representação de coisas como crime, violência e sexo em quadrinhos, e proibiu a representação de tudo o que foi considerado no momento de ser moralmente repreensível. Todos os comics público-geral foram obrigados a aderir ao Código de Quadrinhos e para o selo CCA, e apesar de orientado para adultos comics não foram expressamente proibido, o suficiente distribuidores parado carregando não CCA quadrinhos aprovado que o material foi processado grosseiramente inútil. EC Comics "linha de horror populares dobrado na esteira do CCA, e foi apenas uma de suas muitas baixas.


O Comics Code foi largamente modelado após o Código Hays, o conjunto de diretrizes indústria cinematográfica implementado em 1930 pelo que mais tarde tornou-se a MPAA, e algumas das decisões tomadas pelos administradores de ambas poderiam ser descritos como, em uma palavra, arbitrária. O CCA passou por duas grandes revisões - uma em 1971 e uma em 1989 - antes de, eventualmente, desaparecendo em obsolescência. A revisão foi motivada por 71 a recusa do CCA para colocar seu selo de aprovação em um de três partes "Spider-Man" história escrita por Stan Lee que a dependência química descrita. Apesar do fato de que Lee foi solicitada a escrever a história do Departamento de Educação dos EUA, Saúde e Bem-Estar com a finalidade de informar as crianças sobre os perigos da toxicodependência, a CCA ignorou o contexto e aderiu à letra do Código, que proibia a inclusão de substâncias controladas de qualquer tipo em uma página de quadrinhos. À luz das elogios da crítica de Lee "Spider-Man" história recebeu, o Código revisado Comics de 1971 permitiu o uso de drogas no código-aprovado Comics, desde o vício era estritamente mostrado em uma luz negativa.


Existem outros personagens que abordam o tema. Os adeptos dos quadrinhos pornô podem encontrar satisfação lendo as aventuras de Rogue, de Bruno Gmunder, ou mesmo ler os trabalhos dos desenhistas Michael Breyette, Robert W.Richards, Foxy Andy ou Blue Grey. Eles fazem quadrinhos gays.


O estudioso Christophe Bourseiller (Les Forcenés du desir, Denoel, 2000) chama “funáticos do desejo” os que classificam e se fecham nos guetos de suas particularidades para atirar pedras no resto da humanidade. Todos os que maldizem as falsas divisões impostas pela natureza, pelo machismo, pela Igreja, pela burguesia, estão, por sua vez, presos ao narcisismo da pequena diferença e não param de vituperar contra quem quer que divirja de suas opiniões. A vida íntima é exposta alto e bom som por meio dos grupos de pressão, cada um se alardeia militante do próprio desejo para melhor denegrir o dos outros.

----------------------------------------------------

Quem desejar adquirir o livro Bahia um Estado D´Alma, sobre a cultura do nosso estado, a obra encontra-se à venda nas livrarias LDM (Piedade), Galeria do Livro (Boulevard 161 no Itaigara e no Espaço Cultural Itau Cinema Glauber Rocha na Praça Castro Alves), na Pérola Negra (ao lado da Escola de Teatro da UFBA, Canela) e na Midialouca (Rua das Laranjeiras,28, Pelourinho. Tel: 3321-1596). E quem desejar ler o livro Feras do Humor Baiano, a obra encontra-se à venda no RV Cultura e Arte (Rua Barro Vermelho 32, Rio Vermelho. Tel: 3347-4929).

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home