17 novembro 2011

Desvendando Clarice Lispector

Ela é uma das maiores representantes da literatura brasileira do século XX. Linda, elegante, culta, arisca e selvagem conseguiu criar para si uma aura mística, que a aproximava mais da lenda do que ao ser humano. Dir-se dela que conseguiu captar verdadeiramente a alma feminina. Mas são tantas as facetas desta mulher que é quase surpreendente o fato de ela ter recebido uma biografia tão constante e coerente.


A partir de sua paixão pelas autora, o escritor norte americano Benjamin Moser escreveu a biografia de Clarice Lispector. Foram cinco anos ininterruptos de pesquisas sobre a vida e a obra dessa escritora, na tentativa de resgatar detalhes preciosos sobre a enigmática Clarice. Why this world (Por que esse mundo?) é o título da versão original do livro. Traduzido e publicado no Brasil pela Cosac Naify, sob o título de Clarice, ou seja, “Clarice virgula”. A vida de Clarice Lispector não comporta um ponto final.


Na introdução das biografia intitulada “A Esfinge”, Moser escreveu que Clatice Lispector “já chegou a ser considerado um pseudônimo, e seu nome original só foi conhecido depois de sua morte. Onde exatamente ela nasceu e quantos anos tinha também eram pontos poucos claros. Sua nacionalidade era questionado, e a identidade de sua língua nativa era obscura. Uma autoridade atestara que era de direita, e outra, que era comunista. Uma insistirá que era católica devota, embora na verdade fosse judia”.

A obra de Moser é um estudo que resgata muitas particularidades das origens judaicas de Clarice, do seu universo literário e de sua vida pessoal, que chega às mãos do leitor como uma surpresa reveladora de grandes descobertas. O contexto histórico de sua chegada ao Brasil, sua insistência em se considerar brasileira, a vida difícil que levaram seus pais, a dor e as cicatrizes psicológicas trazidas pela morte de sua mãe, assim como sua admiração por Spinoza, sua busca pela leitura dos livros de autores aos quais fora comparada, sua tendência amoral e selvagem, tudo está intimamente ligado à sua obra.


A alma exposta em sua obra é a alma de uma mulher só, mas dentro delas encontram toda a gama da experiência humana.

“Quem me acompanha que me acompanhe: a caminhada é longa, é sofrida mas é vivida. Porque agora te falo a sério: não estou brincando com, palavras; Encarno-me nas frases voluptuosas e ininteligíveis que se enovelam para além das palavras. E um silêncio se evola sutil do entrechoque das frases.


“Então escrever é o modo de quem tem a palavra como isca: a palavra pescando o que não é palavra. Quando essa não-palavra – a entrelinha - morde a isca, alguma coisa se escreveu. Uma vez que se pescou a entrelinha, poder-se-ia com alívio jogar a palavra fora. Mas aí cessa a analogia: a não-palavra, ao morder a isca, incorporou-a. O que salva então é escrever distraidamente.


“Não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do que é possível de fazer sentido. Eu não: quero é uma verdade inventada.


“O que te direi/ te direi os instantes”. (Água Viva)

----------------------------------------
Quem desejar adquirir o livro Bahia um Estado D´Alma, sobre a cultura do nosso estado, a obra encontra-se à venda nas livrarias LDM (Piedade), Galeria do Livro (Boulevard 161 no Itaigara e no Espaço Cultural Itau Cinema Glauber Rocha na Praça Castro Alves), na Pérola Negra (ao lado da Escola de Teatro da UFBA, Canela) e na Midialouca (Rua das Laranjeiras,28, Pelourinho. Tel: 3321-1596). E quem desejar ler o livro Feras do Humor Baiano, a obra encontra-se à venda no RV Cultura e Arte
(Rua Barro Vermelho, 32, Rio Vermelho. Tel: 3347-4929).

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home