13 outubro 2011

Árvores dão vida

Em geral, enxerga-se a floresta, raramente as árvores que a compõe. Mas alguns belos e históricos exemplares que sobrevivem em vários países, remanescentes de tempos mais felizes, mostram que eles também têm identidade. Nada representa melhor a natureza que estas majestosas soberanas do reino vegetal – as árvores. Assim como o homem é o organismo mais complexo e evoluído do reino animal, as árvores simbolizam o máximo da evolução vegetal. A existência delas é fundamental para a qualidade de vida do planeta. Dão sombra, ar fresco e beleza a qualquer paisagem.


Entre as múltiplas funções e utilidades das árvores destacam-se a filtração e purificação do ar, redução da velocidade dos ventos, proteção contra o excesso de luminosidade, fornecedora de matérias-primas industriais, produção de alimentos e húmus, atração de pássaros e insetos. Além disso, podem se constituir em elemento nobre na composição de projetos paisagísticos. Quando integradas num jardim assumem destaque especial. Se o gestor municipal desejar escolher árvores destinadas à arborização de ruas, com plantio nas calçadas, devem buscar algumas com crescimento rápido, rusticidade, raiz pivotante (raiz principal se desenvolve no sentido vertical) porte médio onde a rede elétrica for aérea, frutos que não representem ameaça de transtorno, folhas perenes ou semi-caducas, e copa que proporcione boa sombra. Entre elas estão coralina, unha-de-vaca, alecrim-do-campo, alfeneiro, murta, quaresmeira-roxa e brinco-de-macaco.


O Pau-Brasil foi utilizado durante muito tempo como produto de tinta vermelha empregada na indústria têxtil. É a árvore símbolo do Brasil, da qual se derivou o nome do país. Seu nome vem do tronco vermelho, que era utilizado para tingir roupas. Atualmente é muito difícil encontrá-lo em estado natural, a não ser em parques de preservação. Em compensação, está sendo muito utilizado em arborização urbana. Com o desflorestamento e subsequente seca, rebanhos inteiros foram exterminados, e incontáveis pequenas propriedades ficaram enterradas nas areias do deserto. Por trás das recentes secas, há colheitas fracassadas e ar poluído que sufoca cidade após cidade. São sintomas de um planeta doente, um planeta que não suporta mais todas as demandas do homem.


Nada na Terra é mais importante para a nossa sobrevivência do que o ar que respiramos, os alimentos que comemos e a água que bebemos. Implacavelmente, o ar, a água e os alimentos são essenciais à vida e estão sendo contaminados ou exauridos pelo próprio homem. O que fazer para evitar os problemas provocados pela humanidade?


É difícil ajudar um alcoólatra que esteja convencido de que não tem problema com a bebida. Similarmente, o primeiro passo para melhorar a saúde do planeta é reconhecer a gravidade do mal. A educação é, possivelmente, o mais notável sucesso ambiental nos últimos anos. A maioria das pessoas hoje está bem a par de que a Terra vem sendo exaurida e poluída – e que é preciso agir. No Brasil, a preocupação com o meio ambiente tem mobilizado indústrias, escolas, universidades, centros de pesquisas, organizações governamentais e não governamentais, entre outros, na busca de soluções para problemas como disposição de resíduos sólidos (reciclagem), poluição dos recursos hídricos (água cristalina), limitação dos recursos energéticos, etc. Ajude a preservar o meio ambiente. Esse planeta é de todos nós.

Sessão solene do título de cidadão de Salvador ao quadrinhista Maurício de Souza

As fotos são de Rodrigo Soares

Luis Augusto, Maurício e Gutemberg

Flavio Luiz, Cedraz, Luis Augusto, Mauricio e Gutemberg





















Cedraz, Mauricio e Gutemberg. E a sessão solene na Camara dos Vereadores de Salvador
----------------------------------------

Quem desejar adquirir o li
vro Bahia um Estado D´Alma, sobre a cultura do nosso estado, a obra encontra-se à venda nas livrarias LDM (Piedade), Galeria do Livro (Boulevard 161 no Itaigara e no Espaço Cultural Itau Cinema Glauber Rocha na Praça Castro Alves), na Pérola Negra (ao lado da Escola de Teatro da UFBA, Canela) e na Midialouca (Rua das Laranjeiras,28, Pelourinho. Tel: 3321-1596). E quem desejar ler o livro Feras do Humor Baiano, a obra encontra-se à venda no RV
Cultura e Arte (Rua Barro Vermelho, 32, Rio Vermelho. Tel: 3347-4929).

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home