21 fevereiro 2011

Quadrinhos abstratos exploram outros limites gráficos

Abstração, psicodelismo, estética. A editora norte americana Fantagraphics lançou em 2009 a antologia Abstract Comics, organizado por Andrei Molotiu. O álbum reúne quadrinhos abstratos produzidos por diversos artistas entre 1967 e 2009. São trabalhos de 43 artistas gráficos, entre eles estão Victor Moscoso, Spyros Horemis, Jeff Zenick, Bill Shut, Patrick McDonnell, Ibn Al Rabin, Derik Badman, Grant Thomas, Draw, Elijah Brubaker e Mark Badger. Molotiu é professor de História de Arte, especialista em Fragonard e pintura caligráfica chinesa, artista de desenho/pintura caligráfica, de história em quadrinhos abstrata


Abstract Expressionist Ultra Super Modernistic Comics é o primeiro trabalho da antologia, de autoria de Robert Crumb publicado na revista Zap Comics n.1 (1967). A leitura dessa antologia vai muito mais do leitor e sua relação entre o símbolo e o significado. Cada um interpreta à sua maneira. Mesmo as formas sendo abstratas, cada leitor encontra na relação sequencial entre elas ideias de mistura, cruzamento, transformação, ainda que todas elas não sejam mais que metáforas para tentar descrever o que se vê, e não descrições objetivas dessas mesmas “ações” representadas. As manchas abstratas de cada quadro lembra bem aquelas nuvens no céu que não tem qualquer intencionalidade de comunicação, mas que cada um que olha vê nela forma similar a qualquer objeto, seja em forma humana, animal ou vegetal.


Cada leitor abstrai individualmente todo espectro de potencialidades não figurativas, representativas, formais. Cada trabalho desencadeia em nossa mente qualquer ideia, abstração. Mas essa interpretabilidade não pode ser compartilhada do modo mais comum. São obras, como disse Umberto Eco, abertas.


Cada artista reunido nesse álbum tem técnicas diferentes, seja a tinta no papel, aquarelas, lápis, lápis de cor, colagens, manipulação digital, desenho minimal, cartoons aliadas às diferentes estratégias e presenças dos elementos das histórias em quadrinhos. Esses artistas desconstroem os quadrinhos tidos como “normais”. Os graus de atenção são diversos e complexos. Podem ver sem ler, mas nunca ler sem ver.

Muitos dos trabalhos apresentados não possuem o dinamismo sequencial dos quadrinhos não abstratos e não se relaciona com a estrutura narrativas ou os princípios sequenciais a que estamos habituados com seus descritores, mas sim a padrões preferenciais de leitura. Esse experimentalismo nos quadrinhos que vem desde a época de Gustave Verbeck em 1903 e seu “Upside Downs” ou mesmo Winsor McCay com seu “Little Nemo in Slumberland” (1905). Foram muitos os artistas gráficos que deram sua contribuição ao quadrinho experimental até chegar ao abstracionismo. Inclusive um desenhista da Marvel, Steve Ditko nos anos 60 trazia exemplo de abstração na historieta do mago Dr. Estranho. E de lá até hoje temos cortes temporais, espaciais, espacio temporais, narrativas que se funde sobre o salto de imagem em imagem, fazendo da elipse a sua marca registrada. O desenhista Barbe, Crepax, Bode e tantos outros desconstruíram os quadrinhos. Essa desconstrução muitas vezes é necessária para o sopro da narrativa quadrinhográfica.


E se antes esse tipo de quadrinhos (abstrato) tinha papel secundário, relegado a experimentações isoladas, hoje existe um movimento que atua nesse processo pelo qual as artes visuais vislumbre. E o papel dessa antologia é inspirar outros criadores a abandonar (mesmo que temporariamente) a figuração. Os quadrinhos autorais e os autobiográficos seguem esse movimento de desconstrução da imagem. É a Fantagraphics é uma editora que mantém viva e atualizada a tradição do underground, do quadrinho pessoal, liberdade total. Nos anos 90 tivemos os ousados jovens como Chester Brown, Adrian Tomine, Peter Bagge, Daniel Clowes, Alan Sieber, Lourenço Mutarelli, etc, cada um com seu estilo, sua visão de mundo. Há neles uma explosão de formas, cores e uma interação estética rica de sequencialidade., cortes, elipse, tudo abstração onde o leitor poderá viajar ou não. Depende da cabeça (conhecimento, cultura) de cada um.

Quem abrir o álbum vai deparar com os espaços brancos de Patrick McDonnell, dos quadros fragmentados de Benoit Joly, das formas florais de Damien Jay, do concretismo ao poema processo de Ib Al Rabin, do colonialismo psicodélico de Andy Bleck, do futurismo de Andrei Molotiu, do transformismo de Anders Pearson, do desestruturismo de Grant Thomas, do instigante Henrik Rehr, do esquadramento de Mark Granyea, ao quadro transfigurado de Drawn e Jason T. Milis, Elijah Brubaker, das manchas de Tim Gaze, dos riscos de Troylloyd. Tudo para ver e rever, e ver de novo, novo, ovo, vo,o....Abstrações.


ARTE ABSTRATA


O surgimento da arte abstrata ou abstracionismo foi no início do século XX, por volta de 1910. As principais características são: O abstracionismo como libertação das formas naturalistas. Não existe relação da imagem do mundo real com os traços, cores e formas que compõem as obras.

Produção totalmente não-representacional e não objetiva. O artista lança mão tão somente da estruturação dos elementos da composição, ou seja, das relações formais entre linha, cor, ritmo e superfície.


Quando a arte abstrata surgiu no começo do século XX, provocou muita polêmica e indignação. A elite europeia ficou chocada com aqueles formatos considerados “estranhos” e de mau gosto. A arte abstrata quebrou com o tradicionalismo, que buscava sempre a representação realista da vida e das coisas, tentando imitar com perfeição a natureza. Na arte abstrata o artista trabalha muito com conceitos, intuições e sentimentos, provocando nas pessoas, que visualizam a obra, uma série de interpretações. Portanto, na arte abstrata, uma mesma obra de arte pode ser vista, sentida e interpretada de várias formas.


Um desenhista, um artista, quando olha para uma forma, seja ela de um ser humano, animal, árvore ou qualquer objeto, ele não vê apenas a forma apresentada no mundo real, ele abstrai essa forma. Este olhar é desenvolvido... Ele passa por este processo de leitura da forma... Ele passa a não ser mais uma forma, mas assume um significado. A criança abstrai com facilidade. Esse tipo de capacidade de abstração da forma, cria também maneiras diferentes de se ver o mundo, a vida, as pessoas e tudo mais. Não precisamos ser pragmáticos em tudo em nossa vida. Podemos aprender a abstrair. A ver além. A partir dessa nova maneira de ver, de ler, de interpretar, de codificar formas através do desenho, da ilustração, das histórias em quadrinhos e de outras maneiras de se expressar, é que a arte passa a ter vida própria. Os reflexos desta nova maneira de ver, é claro, se estende não só pelas artes gráficas, mas também na literatura, no cinema, na música, etc.

--------------------------------------------
Quem desejar adquirir o livro Bahia um Estado D´Alma, sobre a cultura do nosso estado, a obra encontra-se à venda nas livrarias LDM (Piedade), Galeria do Livro (Boulevard 161 no Itaigara e no Espaço Cultural Itau Cinema Glauber Rocha na Praça Castro Alves), na Pérola Negra (ao lado da Escola de Teatro da UFBA, Canela) e na Midialouca (Rua das Laranjeiras,28, Pelourinho. Tel: 3321-1596). E quem desejar ler o livro Feras do Humor Baiano, a obra encontra-se à venda no RV Cultura e Arte (Rua Barro Vermelho, 32, Rio Vermelho. Tel: 3347-4929.

3 Comentários:

At 10:52 PM, Anonymous Ubaldo said...

Prezado Gutemberg, vc sabe a data e local do falecimento do pintor Raymundo Chaves de Aguiar?

Agradeço muitíssimo pela informação.

Grato,

Ubaldo Marques Porto Filho
ubaldo@acirv.org

 
At 5:57 AM, Blogger Gutemberg said...

Meu caro Ubaldo

Raymundo Aguiar faleceu no dia 06 de dezembro de 1989, aos 96 anos, deixando cinco filhos, 31 netos e oito bisnetos. A informação está no meu livro O Traço dos Mestres, lançado em 1993

 
At 11:15 PM, Blogger LINHO FILMES said...

Olá Sr. Gutemberg,

Meu nome é Willison Cardoso.
Tenho 2 quadros de parede pintados por esse gênio do desenho, o RAYMUNDO AGUIAR. Datados de 1967 (luz e sombra obras do interior da igreja de São francisco).
Pretendo vende-los... Eu gostaria que informasse o meu e-mail para alguém que esteja interessado nas obras. Eu não desejo anunciar e vende-los para qualquer pessoa e sim para alguém que valorize estas obras.

Grato,
WILLISON CARDOSO
E-MAIL: willison68@hotmail.com

 

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home