09 maio 2011

Controle e disciplina dos fiéis (6)

As liberdades democráticas são a principal reivindicação do mundo árabe, região onde concentra a maioria de seguidores do islamismo. Nessa localidade as mulheres são as maiores vítimas da repressão. Amordaçadas através da burca que lhes cobre o corpo, o rosto e a boca, elas não tem direitos sexuais, são submetidas à mutilação genital, não tem direitos patrimoniais, intelectuais ou mesmo de leve locomoção. Não dirigem veículos, não podem mostrar os cabelos, usar roupas que realcem as formas do corpo e são obrigadas a cobrir-se da cabeça aos pés para sair às ruas.


Essa repressão à mulher é um dos temas da obra Erotismo e Pornografia nas Artes que estou escrevendo há cinco anos. Esse material é inédito. Eis um recorte:


Os símbolos e imagens, metáforas e relações que habitam no imaginário popular a partir das tradições bíblicas é uma mescla entre homens e mulheres cheios de ordenações e danações em seus corpos pecadores e mortais, uma visão simplificada e que continua nos dias atuais. É preciso desenvolver uma reflexão maior sobre tudo isso.


A religião confina a sexualidade à zona do secreto, criando a culpabilidade, a proibição. A essa zona onde a proibição dá ao ato proibido uma claridade opaca, ao mesmo tempo “sinistra e divina”, claridade lúgubre que é as da “obscenidade” e do “crime”, e também a da religião. Por outro lado, a medicina, na época, provava com dados estatísticos e argumentos materialistas que as mulheres foram destinadas pela Natureza ao exercício da função reprodutiva, e acenava para quem seguisse seu destino natural, promovendo a mulher-mãe e o exercício da maternidade a uma função não só natural, mas de ordem moral e política.

Nascida na sociedade judaica patriarcal da Palestina, a Bíblia denota uma sinistra associação das mulheres à tentação do pecado. Servas que tinham como principal função a procriação, elas atuavam um papel social secundário. Representam apenas 10% dos três mil nomes citados no livro sagrado, como apontou a pesquisadora norte-americana Elisabeth Cady Stanton, que em 1892 escreveu A Bíblia da Mulher. “Há cerca de 200 mulheres mencionadas pelo nome, além de outras 100 anônimas”, contabiliza a historiadora e pastora metodista Margarida Ribeiro. Pior: elas são frequentemente associadas a ações ruins, como no caso de Eva, a responsável pelo “pecado original”. Sara, a mulher de Abraão, é estéril e sofre de inveja da escrava Hagar, escolhida para conceber o filho que dará prosseguimento à linhagem.


Por séculos a leitura das escrituras sagradas foi exclusivamente dos líderes cristãos, o que permitiu que a experiência de Jesus Cristo (que quebrou o tratamento discriminatório das mulheres com seu discurso libertador, de amor e de igualdade) na Terra sofresse adaptações nem sempre fiéis à realidade. Nenhuma distorção parece ter influenciado tanto a sexualidade cristã como a da história de Maria Madalena. Personagem feminina mais citada no Novo Testamento (seu nome aparece 12 vezes), ela foi a única pessoa a testemunhar a morte e a ressurreição de Cristo, segundo os quatro evangelhos. Apesar dessa exclusividade, a personagem ficou marcada como se tivesse sido uma prostituta arrependida, possivelmente uma confusão com outras Marias mencionadas. A Bíblia conta que Jesus andava, sem preconceitos, com prostitutas, mendigos e leprosos, e que expurgou do corpo de Madalena c”sete demônios”. Esse mistério pode ter dado origem à interpretação errada. O fato é que, no ano de 591 d.C., o papa Gregório determinou que Madalena e a prostituta era a mesma pessoa. O mito vigorou por 13 séculos até que, em 1969, o papa Paulo VI desfez a confusão.

A grande influência do catolicismo como o conhecemos vem do discurso de São Paulo, um celibatário convicto. Líder de origem judaica ortodoxa que perseguia e torturava cristãos, Saulo de Tarso converteu-se ao cristianismo – e adotou o nome de Paulo – depois de uma visão milagrosa de Jesus. Passou, então, a ser o maior divulgador da doutrina fora de Jerusalém, inclusive em Roma. Depois dele, Santo Agostinho (354-386) associou o ato sexual ao pecado, discurso logo encampado em 392 pelo papa Siríco. Voraz defensor da virgindade, Siríco era o chefe supremo da Igreja quando o Império Romano assumiu o cristianismo como religião oficial, no século 4. Rechaçado por São Paulo, o casamento dos padres da Igreja Cristã ocidental foi oficialmente proibido no século 16, quase ao mesmo tempo em que o padre alemão Martinho Lutero rompia com os católicos e dava origem ao protestantismo. A vida sexual ativa da comunidade eclesial,. Graças a Lutero, tornou-se um dos grandes diferenciais dos cristãos protestantes. O radicalismo de impor o celibato como obrigação – e não opção – aos padres diocesanos virou um fardo tão pesado para humanos de carne e osso que deu origem aos escândalos de pedofilia e assédio sexual dentro da Igreja Católica.


Bibliografia:

AGUIAR, Thais. A ciência não explica a mulher. www.nominimo.com.br. 15 de fevereiro de 2005.

BARROS, Maria Nazareth Alvim de. As Deusas, as Bruxas e a Igreja: séculos de perseguição. Rio de Janeiro: Record: Rosa dos Tempos, 2001.

BREMMER, Jan (Org.) De Safo a Sade: momentos da história da sexualidade. Campinas, São Paulo: Papirus Editora, 1995.

BIRMAN, Joel. Gramáticas do Erotismo: a feminilidade e as suas formas de subjetivação em psicanálise. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

CAMARNEIRO, Fabio Diaz. Oh, yeah! Oh ,yes! Yes! Oh, baby! Yes! Oh!. www.nominino.com.br. Maio de 2003.

CHAUÍ, Marilena. Repressão Sexual: essa nossa (des) conhecida. São Paulo, 12a edição, 1991.

COSTA, Jurandir Freire. O Lado Escuro do Iluminismo. Mais!. Folha de S.Paulo. 11 de maio de 2003. Páginas 4 e 5.

COSTA, Jurandir Freire. O sexo segundo Laquear. Mais!. Folha de S.Paulo. 25 de março de 2001. Páginas 4 e 5.

DEL PRIORE, Mary. Ao Sul do Corpo: condição feminina, maternidades e mentalidades no Brasil Colônia. 2.ed. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1995.

DUBY, Georges. Eva e os Padres. Damas do Século XII. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

DURIGAN, Jesus Antônio. Erotismo e Literatura. São Paulo, Ática, 1985.

EYSENCK, Hans Jurgen. Sexo, Pornografia, Personalidade: conseqüências sociais da psicologia moderna. Tradução de Aydano Arruda. São Paulo, IBRASA, 1976.

FARAH, Paulo Daniel. ‘Mutilação genital feminina tem de acabar’. Folha de S.Paulo. 18 de novembro de 2001. Página 23.

GONÇALVES, Daniel Nunes. Sexo entre o Sagrado e o Pecado. Revista Terra. São Paulo. Editora Peixes. Nº159, julho de 2005. Páginas 38 a 51.

GUILLEBAUD, Jean-Claude. A Tirania do Prazer. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

KEHL, Maria Rita. A anatomia e seu destino. Mais!. Folha de S.Paulo. 25 de março de 2001. Páginas 6 e 7.

PAZ, Octavio. Um mais além erótico: Sade. São Paulo: Editora Mandarim, 1999.

PEREIRA, Nancy Cardoso. Palavras.... se feitas de carne: leitura feminista e crítica dos fundamentalismos (organização Rosangela Borges). São Paulo: Católicas pelo Direito de Decidir, 2003 (Coleção Cadernos 11).

PRETI, Dino. A Linguagem Proibida: um estudo sobre a linguagem erótica. São Paulo: T.A.Queiroz, 1983.

RUSHDOONY, Rousas J.A. Política da Pornografia. Portugal, Edições Acrópole, 1974.

WINCKLER, Carlos Roberto. Pornografia e sexualidade brasileira. Porto Alegre, Mercado Aberto, 1983.

VIEIRA, Yara Frateschi. Sob o Ramo da Bétula: Fernando Pessoa e o Erotismo Vitoriano. São Paulo, Editora da UNICAMP, 1989.

---------------------------------------------------


Quem desejar adquirir o livro Bahia um Estado D´Alma, sobre a cultura do nosso estado, a obra encontra-se à venda nas livrarias LDM (Piedade), Galeria do Livro (Boulevard 161 no Itaigara e no Espaço Cultural Itau Cinema Glauber Rocha na Praça Castro Alves), na Pérola Negra (ao lado da Escola de Teatro da UFBA, Canela) e na Midialouca (Rua das Laranjeiras,28, Pelourinho. Tel: 3321-1596). E quem desejar ler o livro Feras do Humor Baiano, a obra encontra-se à venda no RV Cultura e Arte (Rua Barro Vermelho, 32, Rio Vermelho. Tel: 3347-4929).

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home