06 setembro 2007

Linguagem sexual (1)

O sexo consome a humanidade há milênios e está longe de ser satisfatório o grau de conhecimento que temos. Ele tem uma relação sinuosa mais estreita com a linguagem. Há muitos meios pelos quais o verbo se faz carne. Há uma linguagem no sexo (etimologia sexual), uma dimensão das palavras dadas aos órgãos e atos sexuais ao longo dos séculos. Existe uma linguagem com sexo (estilístico sexual), uma forma de exprimir que promete levar à excitação, em que as fronteiras entre o erotismo e o pornográfico se tornam difíceis de distinguir.

Há ainda a linguagem dos sexos (linguística sexual), a possibilidade de homens e mulheres expressarem formas distintas do mesmo idioma. E há igualmente uma linguagem para o sexolinguagem sobre o sexo, a forma como a expressão humana ganha autonomia a ponto de virar um sistema que afeta a vida humana em todas as manifestações e, por conseqüência, contamina a própria maneira como encaramos a sexualidade. Uma semiótica do sexo. (retórica sexual), para a realização sexual, para tornar uma linguagem mais efetiva e intensa antes, durante e após a expressão de um ato amoroso. Além disso, há um impacto inverso, o da

Na questão etimológica, expressões como “ficar por baixo” ou “ficar de quatro”, reproduzem toda uma tradição cultural masculinizada. O movimento para o alto é uma determinação cosmológica atribuídas ao homem porque se vincula à ereção. À altura maior do homem, à posição “cobertor” que ele ocupa no ato sexual convencional. Basta lembrar que o símbolo feminino (♀) é formado por um círculo com uma cruz para baixo e o masculino (♂), com uma seta voltada para cima.

A representação é a de um pênis ereto. E essa representação ecoa na linguagem. A sociedade ocidental associou essa posição “superior” no momento da relação sexual como masculina, e a estendeu a tudo que é elevado, vertical, hierarquicamente melhor. A mulher é relacionada à queda (a que Eva teria imposto a Adão), ao ato de curvar-se ou estar embaixo, na horizontal. Assim, há mais conteúdo simbólico em expressões como “ficar por baixo” ou “levantar a cabeça”. A presença da sexualidade na linguagem, e vice-versa, pulsa.

Linguagem no sexo (etimologia sexual)

Em diferentes dicionários o homem ainda é o centro da linguagem. O pênis é os mais adulados no rol de palavras do brasileiro médio. Pelo menos, no léxico dicionarizado. São 369 sinônimos, ante 299 designados para vagina e 90 para nádegas. A linguagem revela as opções de uma cultura. É uma via sinuosa. A quantidade de sinônimos para ânus, pênis e vagina pode tanto significar que uma entidade é valorizada por uma comunidade quanto o medo que esses termos provocam a uma sociedade reprimida. O ato sexual no Brasil é um dos mais fartos na escala libertina de sinônimos. São 232 sinônimos para “foder”, sem contar os 72 termos chulos que equivalem à palavra “foda”.

A um sentimento de força, poder e de violência, essencialmente masculino, corresponde uma afirmação de fraqueza e impotência feminina, com imagens desvalorizadoras referentes às suas partes pudendas, tais como engenhoca, fenda, greta, quitanda, ruptura (órgão genital) e bolacha, bombordo, disco, esfera, gelatina, melancia, orifício, rosca, quiosque (para as partes anais). O falo toma forma como uma arma, um instrumento de força e violência potencial (cacete, ferro, lança, pistola, trabuco, vara), de resistência, rigidez (eixo, ferro, jacarandá e maniçoba, pau, peroba). De agilidade, astúcia (bagre, gato, músculo) e de dimensão (banana, bisnaga, cano, espiga, nabo, varão).

Já os termos mais comumente usados para falar da vagina conjuram um sentido de inferioridade e imperfeição. E assim as formas vulgares se incorporam à fala culta ou vice-versa. A vida das palavras torna-se um reflexo da vida social e, em nome de uma ética vigente, proíbem-se ou liberam-se palavras, processam-se julgamentos de bons ou maus termos, apropriados ou inadequados aos mais variados contextos.

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home