06 maio 2015

Ele é do contra: Angeli (02)



Ele começou cedo. Emplacou seu primeiro desenho aos 14, na extinta revista Senhor. É autodidata.
Cresceu no bairro da Casa Verde, na modesta zona norte de São Paulo. Pai funileiro, mãe costureira, os dois filhos de imigrantes italianos. Anarquistas, graças a Deus? Ao contrário, uma família conservadora, “daquelas que só pensam em cuidar dos filhos e em trabalho, trabalho, trabalho”.

Aprendeu a lição (pelo menos essa, já que foi expulso da escola na quinta série, depois de repetir três vezes, e não voltou mais): “Me sinto um funileiro na hora de desenhar, sou um proletário”. Um proletário, diga-se, anterior às conquistas trabalhistas, como a
jornada de oito horas. Com a insônia que o acompanha desde a adolescência, dorme apenas quatro horas por dia, e passa praticamente as outras 20 entre pincéis, nanquim e, no momento de colorir, computador.

Quando a ditadura acabou e Angeli já não via tanta graça em debochar da política, desviou seu foco do Planalto Central para as ruas de São Paulo. Criou com o amigo de infância Toninho Mendes a revista bimestral Chiclete com banana – na época, apenas uma canção do repertório de Jackson do Pandeiro, que tropicalistas transformaram em símbolo de miscigenação de ideias, nada a ver com grupo baiano de axé. Em páginas de papel tosco, personagens como Rê Bordosa, Bob Cuspe, Wood & Stock, Walter Ego e Os Skrotinhos protagonizaram, entre 1985 e 1990, a insana história da vida privada brasileira.

Angeli seguia um roteiro parecido. Mesmo em meio à loucurinha de sexo, drogas e rock’n’roll, deu
um jeito de se casar três vezes. A primeira vez, com uma ex-colega de escola, durou quatro anos. A segunda rendeu 18 anos de união e dois filhos – Pedro, 29, faz parte do coletivo audiovisual Embolex, e Sofia, 25, dá aulas de educação física para crianças. O terceiro, com Carol, está completando 13 anos. Carolina de Carvalho, 33, é formada em arquitetura, trabalha com design gráfico e, como ela mesma diz, “cuida do rapaz”.

No apartamento de dois quartos onde mora e trabalha, no bairro paulistano de Higienópolis, Angeli conversou com a Trip entre cafés, cigarros e, como ninguém tem mais 20 anos, pães de queijo. Pendurado na sala, um pôster reproduz uma tira da série “Angeli em crise”. Lá está o avatar do cartunista, olhando a cidade pela janela. No primeiro quadrinho, ele se gaba: “Carros, edifícios, fumaça... Esta cidade eu conheço muito bem”. No seguinte, a cidade retruca: “Babacão, canalha, bicha, mau-caráter, panaca, tarado!”. E o terceiro conclui: “... e ela a mim, é claro”. Angeli zoa até Angeli.

Nenhum presidente escapou incólume do seu traço. Por meio dos pincéis do cartunista paulistano Angeli, José Sarney virou um ator mexicano de segunda categoria, Fernando Collor surgiu envergando uma faixa presidencial feita de correntes de ferro, Itamar Franco teve comentadas suas propagadas limitações intelectuais e Fernando Henrique Cardoso, sua ilimitada vaidade. Mas foi com o presidente Lula que o artista se superou. 

A coleção de mais de 200 charges produzidas desde o início do governo petista, em janeiro de 2003, traça um perfil devastador da era Lula – que Angeli, ao contrário da maioria de seus colegas, acompanhou com olhos críticos desde o primeiro dia. 

"Humor a favor não é comigo. Deixo isso para os publicitários", diz.

(...) “Agora, ficar desenhando ministrinho, secretariozinho, deputadozinho....Estou fazendo essa charge pra ninguém, o leitor comum não sabe a cara do ministro da Agricultura, do senador pelo Acre. Então, a minha saída é tentar fazer sempre uma charge ampla e, de preferência, sem o político, mas que fale de política. Charge para quem não lê política, mas sente os efeitos delas”, informou no Caros Amigos (20001).

“Acho que o chargista, o humorista, quando assume um lado e fala ´com aquele eu não mexo..´, ou então coloca o trabalho a serviço de uma ideologia, ele deixa de fazer humor e passa a fazer propaganda, que não é o meu talento. Gosto de atirar para todos os lados” (...) “Político é difícil você admirar. A política é a arte das segundas intenções, ou é o poder, ou é viabilizar algum projeto, ou ideia política, sempre tem um discursinho embutido em outro”.


...............................................................................................


O livro "Breviário da Bahia" 

está sendo  vendido 
com exclusividade 
no Pérola Negra, 
em frente a 
Biblioteca Central dos Barris.  
Tel: 3336-6997. 
Rua General Labatut, 137, 
Shopping Colonial (loja 01), 
Barris

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home