20 maio 2015

Cada um tem a personagem que merece



Muitos atores interpretam personagens famosos e chegam onde podem levar o sonho, quando energizado pelo talento. Mas um personagem de sucesso pode deixar marcas para sempre. Por mais que demonstrem talento em outros filmes e situações, o público insiste em se lembrar deles nesses papéis. E, em geral, eles acabam se conformando em ser apenas as encarnações definitivas dessas figuras mitológicas. Ou fazem variações deles. Tornam-se imortais, numa perfeita simbiose de ator e personagem. Bons exemplos: Charles Chaplin/Carlitos, Johhny Weissmuller/Tarzan, Boris Karloff/Frankenstein, Rita Hayworth/Gilda, Silvia Kristel/Emmanuelle, Christopher Reeve/Superman, Sylvester Stallone/Rambo e muitos outros. Hoje vamos conhecer seis deles.

 
Sean “007” Connery. Em 1962, quando se lançou o primeiro filme do agente secreto britânico 007 (“O Satânico Dr. No”), embora os livros de Ian Fleming estivessem em muitas mãos, ainda não estavam em todas as cabeças. Caberia a Sean Connery, um ator então totalmente desconhecido, tornar-se célebre como o agente com licença para matar. Quando ele passou, pela primeira vez, diante da objetiva – ao som da trilha de John Barry, que se tornaria célebre – e deu um tiro cobrindo a tela de sangue, imprimia-se a marca de James Bond. O sucesso prolongou-se no ano seguinte, com “Moscou Contra 007”, mas Sean temia ficar prisioneiro do personagem. Conseguiu permissão para sair e fazer outros filmes. James Bond, no entanto, era mais forte.

Connery celebrizou o agente secreto britânico 007 em sete filmes. Em 1983, ele aceitou retornar o papel na produção “Nunca Mais Outra Vez”, mas arrependeu-se da experiência. Disse até que gostaria de matar James Bond. “Durante anos, a crítica julgou que eu só sabia fazer aquele papel”, afirma ele. “Eu ficava furioso com isso”. Depois disso, muita coisa mudou – revelou-se um ator completo, desempenhando papéis difíceis como William de Baskerville em “O Nome da Rosa”, ou o hilariante pai do arqueólogo Indiana Jones em “Indiana
Jones e a Última Cruzada”, ou mesmo um velho agente de polícia, no filme “Os Intocáveis”. Sean libertou-se de James Bond, mesmo assim ficou marcado como o agente a serviço de Sua Majestade.

Christopher “Superman” Reeve. Ator que os produtores foram buscar no teatro para viver o herói
alado, cujas façanhas fascinam os habitantes de Metrópolis. Ele é o repórter Clark Kent, de óculos, modesto, que se transforma no Superman. Seus criadores nas histórias em quadrinhos, Jerry Siegel e Joe Shuster jamais imaginariam a dimensão da popularidade que seu personagem alcançaria. Em 1938, os quadrinhos de Super-Homem ganharam as páginas de uma revista de circulação nacional. Dez anos depois, em 1948, ele aparece nas telas, sendo Kirk Allyn o primeiro Superman do cinema. Daí para o mundo inteiro foi um vôo rápido.

Reeve (1952/2004) estreou “Superman, o Filme” em 1978, e a Academia de Hollywood premiou os efeitos especiais da fita. Já foram rodados quatro filmes do Homem de Aço. O último teve a história escrita pelo próprio Reeve que, realmente, tem a cara do personagem do gibi e já está marcado com esse estigma. Um outro ator que não é seu parente, George Reeves, fez o papel de Superman na tevê, em 1951. Em 1959, desiludido com a falta de bons papéis e emocionalmente perturbado (lamentava não possuir de fato nenhum poder), George Reeves suicidou-se, pulando de um edifício. Ele tinha 45 anos de idade.

Sylvia “Emmanuele” Kristel. A atriz fez o possível para perder a imagem que viveu no cinema. Mas os quatro filmes da série Emmanuelle (que começou em 1973, criada por Just Jaeckin), é que fizeram a fama desta atriz holandesa. Houve até imitadores, como “Emmanuelle Negra”, Laura Genser. Na fita, Kristel vive aventuras sexuais por lugares exóticos, primeiro acompanhadas por seu marido diplomata. Depois foi tendo outros encontros mais ousados. Proibido durante anos no Brasil, a jovem esposa de um diplomata, no mundo da sensualidade, hoje parece tímida. As extravagâncias quando ocorrem não chegam a meias conseqüências.

Bela “Drácula” Lugosi. Drácula é a figura mais famosa da literatura de horror (o livro definitivo é

do escritor irlandês Bram Stocker, publicado em 1897). A personagem teve inúmeras criações famosas no cinema como a de Christopher Lee nos anos 50. Mas o ator que melhor soube viver o conde da Transilvânia foi o ator húngaro Bela Forenc Blasko, conhecido pelo nome artístico de Bela Lugosi (1882-1956). Raramente, personagem e ator se identificaram tanto quanto neste caso. Criador do papel em peça de teatro na Broadway, este ator fez Drácula em 1930 e ficou marcado para sempre. Repetiu o personagem outras vezes, a ponto de chegar a ser enterrado com a capa de vampiro.

Lugosi impressionou os homens e conquistou as mulheres com sua voz de aveludado sotaque e seus olhos saltados. Fazendo Drácula também no teatro e em vários filmes subsequentes, ele permanece até hoje como o mais notável intérprete do nobre bebedor de sangue. Lugosi – e muitos atribuem isso a qualquer misteriosa maldição, apesar de todo o sucesso – morreu pobre, destruído pelas drogas.
..................................................................................................


O livro "Breviário da Bahia" 
está sendo  vendido 
com exclusividade 
no Pérola Negra, 
em frente a 
Biblioteca Central dos Barris.  
Tel: 3336-6997. 
Rua General Labatut, 137, 
Shopping Colonial (loja 01), 
Barris

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home