16 abril 2007

Ziraldo apresenta a infância do futuro

O genial Ziraldo se valeu de um novo tempo verbal para narrar sua nova história. O Menino da Lua, lançado pela Melhoramentos, é um conto poético, fascinante. Ele conta a saga de um menino que vive no futuro, no terceiro milênio. Zélen adora brincar de pega-pega com o dragão verde da Lua. É o menorzinho da vizinhança e, por isso mesmo, deixado de lado. O que ele queria era fazer parte da “planeturma” de amigos e vestir a camisa número 10 dessa “sideralcatéia de lobinhos do Espaço e virar o futuro craque nos jogos de astrobol”, brincar as brincadeiras de roda em volta do Sol; planepatinar no vácuo e pegar uma carona numa cauda de cometa pra voar na via-Láctea, petsaltitar estrelas, perder-se em buracos negros ou galácticas cavernas, zanzoar por mil satélites, zuenir espaço afora.

A turma que ele queria fazer parte era formada por Irmin, de Mercúrio; Venício, o laranja, natural de Vênus; Nan, amarelo, vinha da Terra como Zélen; Marlim, o marciano verdinho; Ju, azul, nascido em Júpiter; o colorido Saturnino era de Saturno; Théo, também azul, veio de Urano; Tuna, o menino de Netuno, era violeta; e Plut, pretinho, veio de Plutão. Ninguém tinha tempo de brincar com Zélen. Um dia, sabe-se lá porque, ele foi convidado a brincar com a turma e, como era o melhor pula-planeta, deu um salto insuperável e sumir no Cosmos e nunca mais voltou.

E esse cantador de histórias começa a sua citando uma crença maia que o poeta guatemalteco Humberto Ak´abal lembrou: “Vista de longe, a montanha parece ser azul. De perto, porém, sabemos que ela é verde. O mar, de longe, é azul. De perto, a gente vê que ele é verde. O céu está perto ou longe? O céu está longe. Logo, o céu é verde”.

Ziraldo passou a infância viajando entre planetas nos quadrinhos do Flash Gordon e Brick Bradford. No livro Menino da Lua ele faz uma referência ao Blue Boy, quadro do pintor inglês Gainsborough (Saturno, o menino de Urano), os chapéus e os laços de fita das meninas que acompanham Venício, de Vênus, são uma homenagem à ilustradora australiana Sarah Kay, que segundo Ziraldo, “desenha as meninas mais graciosas do mundo”. O fundo entre ocre e o bege das páginas do menino de Netuno tem uma explicação. O astrônomo americano Karl Glazebrook descobriu que essa era a cor do Universo. Assim é Ziraldo revisitando as cores, a infância, dando asas à imaginação: “nada pode ir mais longe que a nossa imaginação”

Ziraldo Alves Pinto, desde pequeno, já era apaixonado por desenho e leitura. Foi lendo o primeiro número do lendário Gibi que ele pressentiu, pela primeira vez, o seu próprio futuro. Nos anos 50 começou a publicar uma página de humor no Folha de Minas. Nos anos 60 ganhou enorme popularidade com seus cartuns e charges políticas publicadas na revista O Cruzeiro e pelo Jornal do Brasil. Personagens como Jeremias o Bom, Supermãe e o Mineirinho passaram a fazer parte do cotidiano dos brasileiros. E foi nessa década que ele realiza um velho sonho: fazer sua própria revista em quadrinhos. Nasce assim a Turma do Pererê, gibi de grande sucesso que fez a alegria da garotada durante muito tempo.

Em 1969 junto com outros desenhistas surgia O Pasquim, o primeiro e mais importante jornal da combativa imprensa alternativa da história do Brasil. É também em 1969, depois de receber o Oscar Internacional do Humor no 32º Salão Internacional de Caricaturas de Bruxelas e convidado a desenhar o cartaz anual da Unicef, ele publicou seu primeiro livro infantil: Flicts, a história simples e pura de uma cor que não encontra seu lugar no mundo. Dez anos depois Ziraldo resolve dedicar mais tempo para escrever histórias para crianças e publica O Planeta Lilás, O Menino Maluquinho e tantos outros. É Ziraldo espalhando cores para o mundo. Com vento nos pés e asas na imaginação. Um menino feliz!

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home