13 julho 2015

Significado das cores (1)



Numa aula, Michel Pastoureau, titular da cadeira de História da Simbólica Ocidental da Escola
Prática de Estudos Superiores (Sorbonne, IV Secção), começou por assumir ser daqueles que julga que a cor é um fenômeno cultural estritamente cultural, e que se vive e define diferentemente segundo as épocas, as sociedades e as civilizações.

Dizia não haver nada de universal na cor, nem na sua natureza, nem mesmo na sua percepção. Por isso não acreditar, de todo, na possibilidade de um discurso científico unívoco sobre a cor unicamente fundado nas leis da física, da química e da matemática. Para ele uma cor que não é vista é uma cor que não existe (e neste sentido de bom grado razão a Goethe em oposição a Newton), sublinhando que o único discurso possível sobre a cor é o de natureza antropológica.

Foi assim, nesta dimensão de estudo da cor, que Pastoureau começou por questionar a função simbólica das cores começando pelo estudo dos Anéis Olímpicos. A constelação dos cinco anéis (pretendendo representar os cinco continentes e daí a dimensão universal do movimento olímpico) adotada entre 1912 e 1914, surge pela primeira vez na bandeira olímpica nos Jogos de Antuérpia, em 1920. As três primeiras cores eleitas pretendiam cumprir considerações étnicas, ou mesmo rácicas: o preto para África, o amarelo para a Ásia e o vermelho para a América. Mas relativamente à eleição das outras duas cores o processo tornou-se deveras bem mais complexo, pois escolher a cor branca para o anel da Europa (seguindo o modelo de eleição dos três anéis anteriores) resultaria numa verdadeira provocação. Então surge a primeira convenção: a de eleger a cor azul para a Europa.

Seria então o azul da civilização ocidental, o mesmo azul que a cultura Muçulmana elegeu desde a
Idade Média e até mesmo nas sociedades do Extremo Oriente, que a tornaram desde o século XVI a cor simbólica do Cristianismo. Foi também esta, a cor (anexada ao branco), que a Europa utilizou para os seus códigos e sistemas sociais a partir do século XVIII, e por fim até a cor que veio a tomar lugar na própria bandeira do Conselho da Europa.

Eleito o azul, restava portanto uma cor: o verde. E um continente: a Oceaniaconsiderado o quinto e último (aqui porque a Oceania foi o último continente descoberto pelos Europeus). Assim,por exclusão de partes, a Oceania foi contemplada com o privilégio de ganhar o verde. E passamos assim a ter o verde da Oceania.

As cores podem, a depender da situação, promover euforia, aumentar ou diminuir a pressão sanguínea, levar à depressão ou tranquilizar.

CinzaÉ o intermediário entre o preto e o branco e tem um efeito fortemente depressor.

BrancoÉ a luz, a somatória de todas as cores. Na natureza é a ausência de perigo. Sugere libertação, limpeza, higiene.

PretoRelacionada à testosterona, representa agressividade, distanciamento, autoridade, disciplina.

VermelhoEstimula os jogos, o dinamismo, a ação, a energia, a violência, aumenta a pressão sanguínea.

LaranjaConsiderada um sub vermelho, esta cor traz dificuldade em conciliar racional e emocional, e induz a comportamentos irrefletidos. É também a que mais sobressai.

AmareloÉ entre as cores a que mais estimula o intelecto, a criatividade. Representa o sol, princípio da vida, e também luzes de emergência, alerta.

VerdeA mais relaxante. Ansiolítica, diminui a ansiedade, refresca, restaura.

AzulCausa a impressão de que o tempo passa mais lentamente. Acalma, seda, faz diminuir a pressão sanguínea.

VioletaMistura entre vermelho e azul, é a mais correlacionada ao misticismo.
............................................................................

O livro "Breviário da Bahia" 

está sendo  vendido 
com exclusividade 
no Pérola Negra, 
em frente a 
Biblioteca Central dos Barris.  
Tel: 3336-6997. 
Rua General Labatut, 137, 
Shopping Colonial (loja 01), 
Barris

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home