07 abril 2015

A palavra tem poder



No início era o verbo. E o verbo ainda hoje cria o universo humano. Assim, a palavra tem poder.
Pode condenar, salvar, iluminar; pode fazer adoecer, curar e dar esperança; fazer alguém feliz ou triste. Quem fala sem pensar, age sem pensar. Saber calar é sabedoria, além de ser obtida com muita disciplina. O pensador ocidental Wittgenstein (1889/1951), numa visão empirista e científica, escreveu sobre a palavra: “Os limites de meu mundo são os limites de minha linguagem”. Assim, somente o que é nominável, ou seja, o que pode ser traduzido em palavras ou pensado, existe. Usamos palavras o tempo todo e raramente pensamos no que dizemos e como falamos. É preciso prestar mais atenção na escolha das palavras.

A linguagem dirige nossos pensamentos para direções específicas e, de alguma forma, ela nos ajuda a criar a nossa realidade, potencializando ou limitando as nossas possibilidades. A habilidade de usar a linguagem com precisão é essencial para uma boa comunicação. Quem tiver algo a dizer, que diga agora. Ou se cale para sempre. Assim começa um grande amor aos pés do altar. Escolhida para casar, a palavra foi, de pronto, inviolada, inaugurando uma nova união. De agora em diante, tudo dependerá da força da palavra.

A palavra mal colocada, mal dita, irresponsável, prolixa, incompreendida, ruído na comunicação. Pode até ser inaudível, silenciosa como a linguagem dos sinais. Só não pode ser leviana, traiçoeira, que engana. Na medida certa de fazer o bem sem olhar a quem a palavra pode acolher, amparar, ajudar a crescer. Da ética e da moral, a palavra tem que ser, sempre, natural. Ter argumento, consistente. Não pode ser instrumento que sai da boca dos incautos, egoístas, vaidoso, demagogos e mentirosos. Dos que prometem e não cumprem, dos eternos omissos e submissos. Que trocam, por interesses, seus compromissos.

Somos feitos de palavras. Palavra é poesia, música, harmonia. Palavra é uma invenção humana a fim de se perpetuar, já que os seres humanos passarão e as palavras passarinho (lembrando o poeta Mário Quintana: "Todos esses que aí estão atravancando meu caminho, eles passarão...eu passarinho!”). A palavra nasce, cresce, se desenvolve, cria asas e voa. Está em todos os sonhos e sentimentos, em toda nossa vida. O que seríamos sem a palavra? Um oceano de silêncio, de gestos intraduzíveis, um nada perdido numa escuridão em busca de sons que pudessem nos traduzir, de letras que pudessem nos desenhar.

A palavra nos distingue dos animais, dando-nos o meio ideal de expressão, forma que nos faz criar, descobrir, viver num mundo de sons criado para exaltar nossa diferença. O eco da palavra nos acompanha vida afora. Cada som, sílaba, letra é uma vibração que ao falar estamos voltando no ar. As ondas repercutem nos campos sutis das pessoas que as ouvem, e repercutem em todo o universo, pois tudo está interligado. Todo pensamento é palavra, pois aprendemos a pensar assim. E tudo pensamento é energia, da mesma matéria prima que nosso corpo, animais, planta, e tudo o que existe incluindo os minerais, vento, luz, etc.

Cada palavra expressada tem efeito em nossas vidas e esta influência poderá ser a nosso favor ou contra nós, conforme a ideia nela expressa. “Escrever – disse o escritor argentino Julio Cortazar – é uma luta contínua com a palavra. Um combate que tem algo de aliança secreta”. A palavra, como escrevi no início, tem poder. O pensamento correto leva a palavra e à ação corretas. Tudo o que somos hoje é resultado do que pensamos. Segundo um antigo provérbio tibetano, “as palavras não têm, nem pontas, nem corte, mas podem ferir o coração de um homem”.


----------------------------------------------------------

O livro "Breviário da Bahia" 
está sendo  vendido com exclusividade 
no Pérola Negra, em frente a 
Biblioteca Central dos Barris.  
 
Tel: 3336-6997. 
 
Rua General Labatut, 137, 
Shopping Colonial (loja 01), 
Barris

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home