01 fevereiro 2017

Há 40 anos surgia Ranxerox, o pós-punk androide (01)



A década era de 80. O italiano Paolo Eleuteri Serpieri mostrou um furacão sexual perdido em mundo pós-apocalítico (Druuna), já o britânico Alan Moore relatou estupro (Watchmen) e aleijou uma personagem (A Piada Mortal). Outro inglês, Grant Morrison insinuou relação homossexual (Asilo Arkhan), mas o hardcore maior ficou com Ranxerox que trazia as aventuras violentas e cheias de sacanagem de um andróide punk e sua companheira adolescente Lubna, em um futuro devastado.

Stefano Tamburini e Tanino Liberatore anteciparam o gênero de violência extremada nos quadrinhos dos anos 80 e que predominaria no cinema dos anos 90 influenciando cineastas como Quentin Tarantino (Pulp Fiction) e Oliver Stone (Assassinos por Natureza). Esses italianos levaram às últimas consequências sintomas de uma sociedade doente e se revelou profético quando observamos os massacres que ocorrem com
frequência nos Estados Unidos. Há uma profunda crítica a valores sociais e morais nos excessos de Ranxerox. Isso está bem mais claro, hoje, como bem observou o estudioso de quadrinhos, Gonçalo Junior.

PARCERIA

O roteirista Tamburini e o desenhista Liberatore iniciaram parceria em 1977 ao editar uma revista underground Cannibale. Foi aí que eles lançaram um andróide chamado Rank Xerox, o mesmo nome da gigantesca corporação cujas máquinas fotocopiadoras eram uma obsessão de Tamburini. Este era responsável não apenas pelos roteiros, mas também pelo desenho, que antes de ser arte-finalizado era retocado pelos desenhistas mais competentes da revista. As histórias eram em preto & branco, curtas - raramente ultrapassavam as quatro páginas. A empresa homônima descobriu o personagem, e não gostou de ser sua marca sendo associada a um robô pedófilo e boçal. Sob ameaça de processo, Tamburini efetuou uma ligeira modificação - Rank Xerox virou Ranxerox.

Com o término da revista Cannibale, o grupo se envolveu numa outra publicação ainda mais radical: Frigidaire. Ranx continuava sujo, tosco, podre e doentio, e as histórias tornaram-se mais longas. Tamburini largou a arte, encarregando esta função a Liberatore. O desenhista, por sua vez, deixou o preto & branco e inseriu cores nas ilustrações da série. Com traço caricato e realista, Liberatore impregnou o universo do anti-herói com uma identidade visual inconfundível.

Quem desejar folhear as páginas onde foram publicadas o anti-herói vai encontrar sequências ininterruptas de ultraviolência, sexo bizarro e perversidades em geral. O cenário é uma Roma futurista e apocalíptica. Decadência, sordidez, indiferença é o que o leitor vai encontrar no relacionamento humano. E em meio a este verdadeiro caos, dois personagens vivenciam aventuras completamente anárquicas e amorais: Ranxerox, o violento brutamontes que batiza a série, e sua namoradinha Lubna, uma junkie de apenas 12 anos com cara de criança e jeito de dominatrix. Quem já leu o romance “Crash” (mais tarde levado para o cinema por Cronenberg) sabe dessas narrativas trágicas, bizarras de relações entre morte, acidentes de carro, mutilações e prazer sexual. Tudo com muito sarcasmo. As aventuras do pós-punk fizeram sucesso nas revistas como a norte-americana Heavy Metal, a espanhola El Víbora, a francesa L'Echo des Savanes e a brasileira Animal.

0 Comentários:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home